fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Emerson Monteiro Há de ter humor sempre

Há de ter humor sempre

Só imagino São Pedro, logo ali na entrada do Céu, de cajado e barbas brancas, túnica azul piscina e um sorrisão grande estampado nas faces bem bochechudas, gaiato, a dizer entre risadas: – Essa vida é uma graça, quando menos se espera morre um. Pois em tudo por tudo há de haver alegria em cada dependência dos pavilhões celestiais, conquanto humor é arte e ciência no decorrer da história inteira dos reinos possíveis e imagináveis. Tribunais do Eterno, também, devem nutrir essa lei nas suas sentenças. Aforismos, citações, versículos perder-se-iam no decorrer inevitável dos tempos inexistissem as tiradas espirituosas dos magistrados que prescrevem os libelos.

Graças teria não fosse o fluir e refluir das gerações em contar seus episódios engraçados aos que vêm e daqui a pouco vão embora? A sã consciência pede isso, risos e gargalhadas estrepitosas, talvez até que diante dos degraus das despedidas. Ninguém aguentaria dois minutos desse chão se proibissem terminantemente o delírio das comédias humanas.

Os mais absurdos até dizem que somos mesmo apenas e meros caçadores de risadas no transcorrer das semanas. Expediente sem a felicidade do riso aberto, ou nem que seja amarelado, deixaria de constar na folha de pagamento ao final do mês. Qual disse, num instante de rara inspiração, o escritor brasileiro Oswald de Andrade, A alegria é a prova dos noves.

Sem a satisfação de andar nas quadras inesperadas e leves deste mundo, de que valeria viver, então?!… Só caras-de-pau, esdrúxulos carcereiros em crises de fígado, chefes enfezados e toscos, desumorados construtores de blocos de pedra nas horas obtusas? Sem chances. Amar o amor e o bom humor para sempre, a lei maior das criaturas dos universos todos. Um humor puro, genuflexo, ardiloso, sadio, democrático, consciente das verdades que transporta.

Nisso jamais persistirá o desinteresse das verdades santas. Fieis servidores da harmonia dos astros deslizam feitos flores soltas na brisa suave da inocência original, no riso amável das crianças que ainda somos lá por dentro.

Relacionados

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

O justo fruto das nossas ações

O ímpio recebe pagamentos enganosos, mas quem semeia a justiça colhe segura recompensa. Provérbios 11:18 Ao chegar da escola, ainda contrariada por causa de alguma...

O pato e a garrafa

Nas técnicas adotadas pelo Zen Budismo existem os koans (pequenas histórias enigmáticas destinadas a confundir o intelecto até que apreenda que existe dimensão além...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...