fbpx
25.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto Da arte,letras,e Politica surgiu a casa de Juvenal Galeno

Da arte,letras,e Politica surgiu a casa de Juvenal Galeno

Foi à arte o alicerce da Casa de Juvenal Galeno, cada tijolo era uma letra, cada telha uma poesia. Coberta de fonemas, revestida de palavras e pintada com verso e prosa teve a literatura como base e a política como adorno. Quem trafegava pela Rua General Sampaio de longe se ouvia a sonoridade poética que rompia as paredes do auditório nos saraus literários naqueles finais de tarde na Fortaleza Belle Époque. O chão do estreito logradouro se arrepiava de emoção e contentamento ao sentir a leveza dos pés dos transeuntes sobre a terra seca e árida sem conhecer as bocas que proferiam tão belas poesias.

Naquele casarão as letras tomavam diversas formas: a reflexão em forma de poesia, o amor em forma de versos rimados dos poemas, a pequena canção recitada em forma de soneto, e, a harmonia do ambiente em forma de música maravilhava os ouvidos e embalava as almas dos participantes. O clássico e o erudito mostrava a cidade de Fortaleza uma linguagem rica, rebuscada e preciosa oriunda do interior da casa de Juvenal Galeno.

A política entrou na vida de Juvenal Galeno como forma de libertação e autonomia, atendendo aos anseios de sua alma nobre e polida. Não perdeu tempo e logo passou a colaborar com o Jornal do Partido Liberal no qual se filiou. Suas crônicas, textos, prosas e versos narravam os costumes da sua época, sem se importar com a opinião pública ou a quem iria atingir combateu severamente os abusos e vícios da sociedade daquele tempo.

Artista nato e completo transformou os seus dias em arte, versando a vida e cantando o amor. Embora fosse medroso de amor dedicou a observar os costumes da vida cotidiana da praia, do interior e do sertão. Viu meiguice e ternura no sorriso de candura da moreninha que transformou em canção. Fugindo da morena com medo do seu amor foi cantar na sombra do cajueiro carregadinho de fulô, lá cantou a dor pra esquecer-se do seu amor, sendo obrigado a partir deixando saudade e lembranças dos dias de solidão que na sombra do cajueiro chorava a falava com o coração.

Aratanha ficou pra trás e com ela as doces recordações da infância que o despertar da juventude trouxe a tona as lembranças de dias felizes quando ao contemplar a serra numa bela noite de luar via os encantos e as meiguices das cearenses encantadoras, estrelas dos seus sonhos tão radiantes como o sol ao rasgar a madrugada nas manhãs alegres da sua existência no amado e longínquo torrão natal.

Nos seus Prelúdios Poéticos contemplava do alto da serra a lua que vagava no céu infinito, bela e alegre a girar por entre as estrelas num bailado ritmado beijava cada uma dela, espalhando encantos, iluminando a terra em todos os recantos passando com elegância e altiveza vendo do alto os dessabores da vida que Juvenal Galeno transformou em arte e em poesia.

Relacionados

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Ainda vai levar um tempo

A vida passa lentamente E a gente vai tão de repente Tão de repente que não sente Saudades do que já passou. (Nelson Mota, 1981). Depois de 20...

2 COMENTÁRIOS

  1. Mais um ensaio magistral da lavra fecunda de Cristina Couto. A toadazinha do cajueiro no solo de fole de oito baixos de Abdias Farias é de um balancê inigualável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...