fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início João Vicente Machado Os planos de saúde, seus benefícios e suas falhas

Os planos de saúde, seus benefícios e suas falhas

A   precarização gradual a que foi submetida a saúde pública no Brasil ensejou um gradual e crescente desaparelhamento da prestação pública assegurada  pela Constituição Federal e ensejou o surgimento de Cooperativas prestadoras de serviço de saúde privada, que  através da oferta guarda-chuva de planos de cobertura diversos, tão abrangentes quanto maior for a capacidade de pagamento do usuário. A oferta vai   da simples consulta médica até os serviços de maior complexidade, revestidos da pompa charmosa daquilo que chamamos de hotelaria hospitalar, para comprazer o ego do baronato burguês.

O desaparelhamento e a propositada má gestão que foi gradualmente corroendo a credibilidade da gestão pública, uma responsabilidade imposta pela Constituição, de responsabilidade  intransferível do estado, faz parte de um projeto engendrado pelo empresariado médico, visando transformar a saúde pública em mercadoria, que como sabemos só adquire quem tiver dinheiro.

                                        Saúde privada, um mito em declínio

 

Essa é uma estratégia que tem início ainda na própria universidade pública, para onde os filhos do empresariado médico são encaminhados, não para receber os ensinamentos de uma prática médica voltada para a saúde pública, mas para assumirem ao término do curso de medicina, os negócios hospitalares de propriedade da família e multiplicar o patrimônio familiar. Essa rotina é de facílima comprovação, bastando observar a rede hospitalar privada da Paraíba ou de qualquer outro estado brasileiro e verificar os sobrenomes dos donos de hospitais.

A sustentação e viabilidade do negócio da saúde, depende de uma  eficiente  articulação política e sempre há um ou dois membros da família dispostos  a  exercer cargos eletivos,  proporcionais ou majoritários, para integrar e  manter a articulação da chamada   bancada do Jaleco com assento na Câmara Federal.  A bancada do Jaleco, em cooperação com as bancadas que defendem outros interesses corporativos mostradas na figura abaixo, formam um sólido e consistente bloco parlamentar, que dará sustentação e suporte legal aos interesses comuns do grupo  inclusive dos negócios médicos, amparado  numa legislação adredemente elaborada para tanto.

Os cientistas comprometidos com a saúde pública e eles existem, no ensejo da Assembleia Nacional Constituinte, idealizaram, conceberam  e conseguiram aprovar no Congresso, o maior  serviço de saúde pública do mundo que é o nosso  Serviço Único de Saúde – SUS. 

Esse serviço põe em prática as políticas públicas voltadas para a saúde, centralizadas nas mãos do governo federal a quem compete elaborar, planejar e executar a política de saúde pública de governo, fazendo ainda a provisão orçamentária para garantir o financiamento das ações que serão postas em prática diretamente através do SUS ou em cooperação com os estados e municípios, fortalecendo assim o pacto federativo.

Os apóstolos da saúde pública a que nos referimos anteriormente, enfrentaram uma guerra de origem com o empresariado médico,  que lutava e continua  lutando com todas as armas para desregulamentar a legislação e assumir definitivamente o papel do estado na prestação da saúde, se apossando através de repasses, de parte da raquítica rubrica destinada à saúde pública prevista na Lei  Orçamentária Anual – LOA.

                                        A Estrutura Organizacional do SUS
                      

Pela vontade deles  o SUS ainda não foi extinto porque tem raízes muito sólidas com capacidade para suportar a tempestade verbal de execração pública, com o fito de desacredita – lo   perante a nação, o que em parte foi conseguido temporariamente.

Como o mal sempre acaba  trazendo  algum bem, a pandemia do COVID 19 foi a ocasião em que o SUS que até então era a Gení, na qual o establishment jogava pedras e outras coisas fedorentas, animado pelo apoio da multidão de aflitos, se agigantou através do esforço dos apóstolos da saúde que lá exercem seu mister,  visando sempre  bem estar coletivo. O SUS mesmo estrangulado financeiramente  evitou que o número de mortes, muito próximo dos 550.000 fosse maior, bem maior.

Toda essa explanação preliminar se fez necessária porque muitas pessoas que ainda não compreendem os meandros dessa engrenagem médico/econômica/política que acontece nos bastidores, iriam ter dificuldade de entender  o que passaremos agora a narrar sobre a decantada “eficiência e eficácia” dos planos de saúde.

01 – O Acesso:

Qualquer pessoa pode ter acesso a um plano de saúde desde que tenha dinheiro para manter em dia o pagamento  da mensalidade, sendo esse o pré-requisito básico.

02 – A Modalidade:

Em que pese o acesso ao plano de saúde ser livre e só depender do pagamento como pré-requisito, existem modalidades na contratação que variam da simples consulta médica ao atendimento mais complexo, da simples enfermaria ao apartamento luxuoso, numa verdadeira hotelaria hospitalar.

03 – A Prestação: 

A prestação é feita de forma terceirizada e mediante protocolos estabelecidos pela Agencia Nacional de Saúde – ANS, daquilo que pode ou não pode ser autorizado pelo contrato de prestação..

No nosso entender é na elaboração desses protocolos sem o controle da população beneficiaria, que entra a articulação da bancada do Jaleco com a sua articulação parlamentar, para fazer valer o ponto de vista empresarial em detrimento  da saúde pública.

04 – A Cobertura:

Nenhum dos planos oferecidos é um guarda chuvas que venha a nos proteger integralmente dos respingos. Assim são elaborados os contratos de saúde. Com relação ao alcance  do atendimento,  são definidos em contrato, cujo conteúdo é acertado entre as partes e  não estamos questionando, por ser um contrato como outro qualquer firmado entres partes, que se presume acordes.

Todavia, como o objeto do contrato envolve vidas humanas, o que não é possível é aceitar a negativa de procedimentos simples como   por exemplo a hidroterapia, usada no tratamento de doenças reumáticas ou de origem ortopédica, que utiliza apenas uma piscina de água aquecida renovável, energia elétrica para o aquecimento da água e a mão de obra de um fisioterapeuta.

Aqui na nossa pequenina e heroica Paraíba, nesses tempos de pandemia, diversos procedimentos previstos no protocolo da ANS estão sendo negados,  com alegações pueris e ininteligíveis como a negativa  já citada.

Esse é um  exemplo do que acontece com a  saúde pública,  como poderia ser o  da educação pública ou do saneamento básico com prestação pública, que em nome do estado mínimo exigido pelo neoliberalismo, os gestores públicos cedem às pressões e  insistem em transferi – los ao ente privado tecendo loas aos chamados novos marcos regulatórios  de  eficiência questionável.

Não devemos afirmar nem que tudo  que é público é ruim e o que é privado é bom ou de forma contrária, tudo o que é público é bom e o que é privado não presta pois os exemplos sempre nos desmentem..

O sempre e o nunca são palavras de muita transcendência, de forma que quem as usa está sendo  mais  imprudente  do que sensato.

A pergunta que precisamos no fazer é muito simples: o que é o Estado e qual a sua finalidade?

É preciso ter a clareza de que o estado não existiu sempre. Ele foi uma criação relativamente recente e Friedrich Engels escreveu um livro A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado, onde ele materializa uma pesquisa antropológica que vai da conceituação da comunidade primitiva à criação do clã até chegar ao agrupamento familiar e é uma                                                                                      leitura muito interessante e esclarecedora.

Para o filósofo italiano Nicolau Maquiavel a duplicidade do poder é resumida na sua teoria do Estado burguês que ele compara a figura lendária do centauro que tem metade humana e metade animal.

                                                        Figura Lendária do Centauro
A metade humana segundo ele, representa o consenso necessário à convivência entre o Estado e as representações da sociedade civil. A metade animal por sua vez é representada pelo aparelho coercitivo que existe na estrutura do estado capitalista burguês o qual  abriga a força repressora organizada com um verniz de legalidade que é conferida pelo Judiciário.

É certo que nós estamos submetidos a um  Estado burguês regido pela teoria liberal, onde a Constituição Federal sinaliza para direitos essenciais assegurados na Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU, de onde pinçamos o primeiro e terceiro artigo:

1. Todos Nascemos Livres e Iguais. Nascemos todos livres. Todos temos os nossos pensamentos e ideias. Deveríamos ser todos tratados da mesma maneira.

3. O Direito à Vida. Todos temos o direito à vida, e a viver em liberdade e segurança.

No item 1 houve uma intenção manifesta de nivelar os seres humanos num  mesmo plano econômico e social, mas na questão atinente ao tratamento dispensado, o verbo dever é usado no futuro do pretérito do indicativo com a palavra que para ser mais isonômica deveria ser grafada no futuro do indicativo, ou seja,  Deverá. “Deveríamos ser todos tratados da mesma maneira?”

O item 3 é mais incisivo ressaltando  o direito sagrado  à vida, à liberdade e a segurança.

O direito à vida tem uma amplitude muito grande e pressupõe a garantia da alimentação, da moradia, da escola, da saúde pública, da água e esgotos, do transporte, do trabalho, do lazer etc.

Portanto a atenção a essas demandas asseguradas como garantia de vida digna, é uma obrigação indeclinável e intransferível do Estado nacional. Assim sendo  a proposta de estado mínimo choca – se frontalmente com o item 3 da Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU qué um direito inalienável do cidadão e  deve ser assegurado diretamente pelo Estado.

Privatizar a saúde, aí incluído o saneamento básico que é a saúde preventiva, seria  transgredir esse regramento da ONU e negar  o direito à cidadania e porque não dizer à vida.

O Brasil possui um o melhor sistema de saúde do mundo que é o SUS, alvo da sanha do empresariado médico que atua veladamente com o propósito de sufoca – lo para ampliar o espaço da prestação privada que oferece  um serviço deliberadamente incompleto,  que obriga o usuário em algumas ocasiões, a suplementar financeiramente as suas necessidades de atendimento.

O nosso sitio eletrônico realizou uma enquete com os leitores e internautas sobre a autorização de procedimentos médicos pela  prestadora privada majoritária na Paraíba e para nosso espanto 30 % dos entrevistados responderam terem tido pedidos de autorização negados, o que convenhamos,  não é pouco. Portanto, uma vez estabilizada essa pandemia  do covid19, a revigoração e o fortalecimento do SUS precisa ser uma das nossas bandeiras. Lembre – se: No assassinato do SUS, quem é enterrado é o pobre!

Consulta:https://declaracao1948.com.br/declaracao-universal/declaracao-direitos-humanos

Fotografias:https://o/www.redebrasilatual.com.br;

www.utraspalavras.net;https

://soumaissus.blogspot.com;

  https://pt.slidesh//www.infoescola.com/mitologia-grega/centauroare.net/tercinho/maquiavel-https://

espacovital.com.br/

 

Relacionados

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...