fbpx
25.1 C
João Pessoa
Início A LENDA LUIZ GONZAGA
Array

A LENDA LUIZ GONZAGA

                                                               

                                                                                    

   Por: João Vicente Machado

No dia 13 de dezembro passado, o Brasil celebrou os 112 anos de vida de Luiz Gonzaga do Nascimento, nascido na  cidade pernambucana de Exú que faz fronteira com a cidade do Crato e situa-se no sopé  lado sul da Chapada do Araripe, e divide os estados de Pernambuco e Ceará. É o  “ Meu Pé de Serra”!

Filho de Januário José dos Santos e Ana Batista de Jesus, (Santana)  era o segundo na escala cronológica decrescente de nove filhos do casal.

Quatro deles tocavam fole de oito baixos, formados que foram na escola do Pai Januário, eram eles: Luiz, Severino,  José e Francisca,  com a adesão posterior de  Luiz e José à sanfona de cento e vinte baixos, mas sempre respeitando os oito baixos do seu pai Januário.

Muitos livros foram escritos sobre o artista Luiz Gonzaga, objeto  de pesquisas com muito mais profundidade sobre a  saga de  Gonzaga e qualquer depoimento  a mais nessa vertente, seria incorrer em lugar comum, diante da obra musical fantástica do velho Lua.

Todavia resolvi discorrer um pouco sobre a importância antropológica de Luiz Gonzaga para a  nossa nordestinidade  e a nossa  inter-relação do  com o restante do país.   

O nordeste, apesar  de berço da colonização, sofreu e ainda sofre um preconceito arraigado, por grande parte da população do Sul/Sudeste, que teima em considerar o nordeste como um entrave,  “ruim seco e ingrato” definido no verso(Nordeste Independente)  do poeta Bráulio Tavares de Campina Grande.



Antes de se consagrar com o relançamento do baião e conseguir reunir  em torno de si aquilo que eu chamo a santíssima trindade da musica popular nordestina,  que foram os compositores mais famosos do seu repertório, Luiz Gonzaga, movido pelo instinto  de sobrevivência, cantava e tocava na noite carioca, mais precisamente nos cabarés da zona do mangue.  

A trindade a que me refiro era composta por um cearense do Iguatú, de nome Humberto Teixeira, um pernambucano de Carnaíba no vale do Pajeú, de nome Zé Dantas além de um paraibano do  distrito da Prata, nas bordas do Pajeú das Flores. então pertencente a Sumé, de nome Zé Marcolino. 

Como todo mal sempre traz um bem, esse período de anonimato e dificuldades lhe propiciou desenvolver uma versatilidade singular com a incursão musical  em  ritmos diversos como: tango, valsa, polka, maxixe, boleros e canções que mais tarde lhe engrossariam o caldo musical e confeririam ao seu talento um aditivo de qualidade que virou  tempero da sua musicalidade.

Quando encontrou o primeiro dos parceiros, um advogado militante de muita sensibilidade, excelente escritor e narrador, que lhe fora  indicado pelo seu cunhado Lauro Maia, ele conheceu Humberto Teixeira, “ O Doutor do Meu Baião”, o mais urbano dos três.

O primeiro dia de encontro da dupla foi tão intenso e  proveitoso que varou a madrugada numa conversa a dois sobre o nordeste, “ a terra, o homem, a luta” como definiria tão bem o imenso Euclides da Cunha. Ali ele terminou por estabelecer o marco inicial de um ritmo que faria estrondoso sucesso com o nome de baião, chancelado  por uma produção do momento, a música de mesmo título, Baião.

Eles precisavam desse avant première, dessa alavanca,  como plataforma de lançamento daquilo que haveria de vir. Com o estímulo da música de  lançamento, aí sim veio a denuncia cortante do drama social da seca e suas consequências retratados na musica  Asa Branca. (ouça aqui).

Na sequência veio a Légua Tirana que mede não em quilômetros ou metros  mas sim em léguas, a dificuldade do nordestino até de visitar e ver  a pessoa amada. (ouça aqui).

Humberto Teixeira saíra de Iguatu para Fortaleza ainda menino e de lá para o Rio de Janeiro na pós-adolescência,  e no casamento musical recém celebrado precisava   sempre das narrativas de Gonzaga para conferir forma poética ao que o Lua descrevia e   musicava. Ele perdera o contato com o sertão muito cedo e muito do cotidiano do semiárido lhe fugia. Os dois se completaram.

Nessa época lhe aparece um pernambucano da cidade de Carnaíba no Vale do Pajeú, de nome Zé Dantas, que acabara de se formar em medicina. Procurou Luiz Gonzaga e lhe mostrou algumas músicas de sua lavra, as quais despertaram em Gonzagão um enorme interesse. Entre elas Vozes da Seca, (ouça a seguir) que viria a ser a primeira música nordestina de protesto lançada no Brasil, paradoxalmente lançada  por Luiz Gonzaga que havia servido o Exercito como forma de sobrevivência o que desenvolveu nele um viés conservador. Mesmo no tempo da ditadura ele mantinha  uma amizade com Armando Falcão, um cearense ultraconservador que conheceu numa plêiade de cearenses, a quem depois homenageou num show no Teatro Tereza Raquel em Copacabana, zona sul carioca, que pela primeira vez abriu suas portas a um artista nordestino.

A denuncia contra o martírio e o estoicismo do nordestino ele receberia da terceira trindade que foi o magnífico  poeta Zé Marcolino, aquele que usava rima rica nos seus versos.  Zé Marcolino, com a música Caboclo Nordestino, fecha com chave de ouro o nosso raciocínio.

O respeito por Luiz Gonzaga era tamanho, que ele sequer foi apupado por um teatro lotado, que se não aplaudiu também não vaiou. Todos estavam atentos  na expectativa de vê-lo e ele deu um verdadeiro  show naquele seu estilo de dialogar com a plateia e fazer o leriado, em companhia de Sivuca, Dominguinhos e Oswaldinho.( ouça aqui)


Provavelmente Luiz Gonzaga tenha morrido sem se aperceber que ele e Patativa do Assaré, fizeram  mais pelos nove estados, do que toda bancada nordestina da câmara e do senado.

Além do mais ele acendeu o facho da verdadeira nordestinidade e nos encheu de um orgulho telúrico que guardamos no fundo do peito, além de fazer  escola  que  revelou vários talentos à posteriore:

Jackson do Pandeiro, Marinês, Trio Nordestino, Dominguinhos, Santana o Cantador, Pinto do Acordeom,  Flavio José, Tom Oliveira, Maciel Melo, Petrúcio Amorim, Flávio Leandro, Ilmar Cavalcante, Waldonys, Nanado Alves, Dejinha de Monteiro, Elba Ramalho, Alceu Valença, Acióli Neto, entre outros.

Além disso, exerceu forte influencia musical sobre a obra  Gilberto Gil, Caetano Veloso, Zé Ramalho, Geraldo Azevedo, Elomar, Xangai entre outros.

A dimensão do ser humano é medida pela sua obra e a obra de Luiz Gonzaga só pode ser medida em longas léguas, que não são tiranas.

Consulta: www.overmundo.com.br.

Fotografias:ebiografia.com;blognotasmusicais.com.br;youtube.com.

Relacionados

A primeira entrevista publicada no Brasil

Em 1808, quando D. João chegou ao Rio de Janeiro, fugindo das tropas de Napoleão que haviam invadido Portugal, trouxe na sua imensa bagagem...

Mês dos pais

Conceituam-se os fenômenos para atender às necessidades, sejam de mercado, sejam de conveniência, mas conceituar transforma o simples no complexo e o certo no...

O que é Depressão?

A depressão é um transtorno que envolve o corpo, o humor e os pensamentos. Ela interfere no cotidiano, nas relações sociais, nas relações familiares...

3 COMENTÁRIOS

  1. Luiz Gonzaga difundiu a nossa história; cantou o Nordeste, nosso povo, nossa dor e nossa cultura.
    Foi nossa representação nos palcos desse imenso país.
    Morreu o homem, eternizou o artísta.
    Seu Luiz, Lula, Lua o filho do Nordeste. Viva!!!

  2. João,você se garante como biógrafo do grande Luiz Gonzaga. Eu conheço alvez todas as suas músicas já que a época do seu maior sucesso como cantor, coincidiu com o período da minha juventude. No entanto foi você que fez com que eu me encantasse com elas quando cantava pra eu ouvir: AMANHÃ EU VOU, NOITES BRASILEIRAS as canções juninas e tantas outras citando de cada uma a parceria do Gonzaga com um ou outro dos três Humberto Teixeira, Zé Dantas, Zé Marcolino. São momentos inesquecíveis

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

A primeira entrevista publicada no Brasil

Em 1808, quando D. João chegou ao Rio de Janeiro, fugindo das tropas de Napoleão que haviam invadido Portugal, trouxe na sua imensa bagagem...

Mês dos pais

Conceituam-se os fenômenos para atender às necessidades, sejam de mercado, sejam de conveniência, mas conceituar transforma o simples no complexo e o certo no...

O que é Depressão?

A depressão é um transtorno que envolve o corpo, o humor e os pensamentos. Ela interfere no cotidiano, nas relações sociais, nas relações familiares...

Macacos não transmitem a varíola

O Brasil está mais vez está enfrentando uma pandemia diferente. Dessa vez é a varíola dos macacos (do inglês monkeypox). Essa varíola apresenta sintomas...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Afinal de Contas Que Canal é Esse?

Canal é um dispositivo hidráulico usado para transporte de água, muito conhecido de todos nós, desde a primitiva levada de terra, até os canais...