fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Notícias Resumo da semana

Resumo da semana



•Mudaria Bolsonaro ou mudou o povo?

O bolsominion costuma ver o mundo através da lupa do Fuhrer e integra uma seita política nazifascista que tem como guia a figura amorfa de Jair Bolsonaro.  O bolsominion não pensa nem raciocina, por isso se constitui num caso perdido com quem não vale à pena perder tempo.

Por outro lado, no mundo dito racional, independente da dicotomia maniqueísta ideológica que insiste na divisão da política entre  esquerda e direita, há um segmento que mesmo reconhecendo o erro de avaliação que cometeram, ainda crê na conversão de Bolsonaro e o trata, pasmem, como um mal menor. É aquela historia do cachorro que se acostuma com a coleira!

Pois bem, uma parte da imprensa oficial e das milícias virtuais que repercutem essa crença, têm elogiado a forma “civilizada” do   Bolsonaro soft, obtendo  o endosso de tucanos  compreensivos,  alem de outros partidos acumpliciados  como o PTB e o  “MDB  velho de guerra”, complacentes com o “novo comportamento” do ogro, na ilusão vã  de obter  mais espaço no governo para suas manobras políticas, nem sempre republicanas.

Se olharmos a peça orçamentária proposta para 2021, poderemos enxergar melhor a forma como se processará essa “mudança.” 

Ela escamoteia nos cortes orçamentários dirigidos à educação, à pesquisa à ciência e tecnologia, o caixa de que precisa para proteger o sistema financeiro, síndrome de Paulo Guedes:

Corte de 15% para o MCTI, que cuida da ciência, da tecnologia e da inovação, o que significa um atraso tecnológico que retardará a nossa já comprometida competitividade internacional, nos deixando cada vez mais dependentes; corte de 20% para o CNPq, que fomenta a pesquisa científica e tecnológica, além do incentivo que empresta à formação de pesquisadores no Brasil; corte de 18% para a CAPES, que financia os cursos de pós-graduação stricto sensu em todos os estados da Federação e; corte de 18% para as universidades e IFEs, instituições formadoras de novos quadros intelectuais.

Paralelamente, o governo depois de tanta lambança, vem tentando se reinventar quando altera a base política que lhe dá sustentação com o prestígio conferido à extrema direita denominada de Centrão; quando  adota um viés social com a distribuição de uma ração de sobrevivência que é o auxilio emergencial,  chegando a propor a sua inclusão na bolsa família, na volta  do milenar pannes e circenses (pão e circo); quando “altera” a equipe econômica exonerando o baixo clero de Paulo Guedes e; quando recria o velho novo Minicon para a sua promoção pessoal através das trombetas de uma plêiade de arautos.

Observo uma posição indiferente e disfarçada do establishment, no sentido de conduzi-lo na maca até o fim do mandato para depois descartá-lo, naquele velho bordão que repete sempre a velha máxima:  ruim com ele, pior sem ele.  

Aguardemos!



•A Precarização do trabalho
O projeto de lei 4162/2019 que depois de aprovado virou a lei 14026/20, foi sancionado com  alguns vetos do presidente da república que segundo se informa serão apreciados pelo congresso nacional presidido pelo  senador Davi Alcolumbre. 

Até agora o presidente do senado não agendou a sessão do congresso que apreciará os referidos vetos  embora esteja sofrendo pressão de lideranças do parlamento no sentido de acelerar o processo.

Pelo que se comenta a votação ocorrerá na próxima semana e as  contradições  interna corporis nos cria uma tênue expectativa de derrubada do veto, hipótese muito remota,  mas não impossível.

•Mudanças Climáticas

                             
imagens da seca na França
                    Quem vê a imagem revelada nessa foto imagina tratar-se dos porões de açudes secos do semiárido nordestino. Ledo engano! Trata-se da paisagem da seca que assola 2/3 da França, um país europeu  de clima temperado que atravessa uma grave  crise hídrica Esse é um sinal de alarme para a humanidade com relação as agressões à natureza, que nunca se queixa  e  sempre se  vinga da ação humana, sugerindo responsabilidade aos governantes quanto à sustentabilidade.

•Forma de dominação

A obsessão em proteger o sistema financeiro é tão presente no subconsciente do ministro da economia Paulo Guedes, que ele chegou ao ponto de propor a taxação de livros no arremedo de reforma tributária que pretende por em prática, indiferente aos iates e carrões de luxo.

Ao considerar  os livros como objeto de consumo elitizado, o ministro declara que “a isenção dos livros beneficia quem poderia pagar mais impostos” e tal qual o morcego, vai tentar soprar depois da mordida quando “ propõe o aumento do valor do Bolsa Família, para compensar o fim da isenção, e até  pensar em um programa de doação de livros”.

Para o senador Fabiano Contarato do Rede – ES, “o obscurantismo hoje no poder tem horror à cultura e à educação”.

Nós vemos nessa proposta uma forma velada de imposição cultural quando ele sugere a doação de livros como forma compensatória à taxação tributária. Aliás, a imposição de leitura não é uma pratica recente e em cada etapa histórica ela se transfigura.

Na Alemanha, a queima de livros em grandes fogueiras em praça pública, era uma ação propagandística que foi organizada entre 10 de maio e 21 de junho de 1933, quando o umbigo do recém-nascido nazismo era cortado.

O poeta nazista Hanns Johst justificava esse ato insano como “uma necessidade de purificação radical da literatura alemã de elementos estranhos que possam alienar a cultura alemã”
 

Queima de livros na França

João Vicente
Relacionados

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...