fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Isolar é preciso, morrer não é preciso
Array

Isolar é preciso, morrer não é preciso

Por: João Vicente Machado
   Nesses tempos ameaçadores de pandemia é imperativo entender que a contenção do vírus só é possível, ou com a vacina, ou com isolamento mais amplo de forma horizontal e com a curva mais aberta possível.

    A proposta já declarada de viva voz pelo presidente da república vai na contramão da ciência que propõe promover uma imunização vertical ou de bando, que preconiza esperar o nível de infestação atingir 60% a 70% da população, visando alcançar a imunização. É por esse motivo que ele dá declarações tão sinistras como a dessa semana quando Indagado por um repórter sobre o número de mortes,  diz: “… E daí? Lamento. Quer que eu faça o que”?”e ainda blasfemou:” Eu sou Messias, mas não faço milagre!”“.

    Uma grosseira resposta revestida de um misto de desfaçatez, dissimulação e cinismo.

   Um opróbrio a um povo sofrido, um escárnio para o país  governado por  histrião de um pastoril de humor   necrológico.

Faz-nos lembrar a celebre frase do tribuno  Cícero, senador romano, referindo-se a um seu par de bancada e também senador, de nome   Catilina, proferida em latim, a língua da época: “Quousque tandem  abutere Catilina patientia nostra” de tradução mais ou menos assim: “até quando Catilina abusarás da nossa paciência!”

    Não imaginei viver para presenciar o que acontece no Brasil de hoje, tão achincalhado, tão ridicularizado, tão humilhado diante da comunidade internacional e do mundo civilizado. E o pior é que  parte da população apoia e é exatamente o extrato social majoritariamente composto de pobres, usados como aplicativo de entrega. 

    É verdade que esse apoio está sofrendo uma forte erosão, quer seja pelo descrédito decepcionante que emergiu dos fatos, quer seja pelo despertar e abrir dos próprios olhos. Esse apoio advindo dos desinformados que hoje têm a coragem de mudar e certamente se somarão conosco a partir de agora.   
 A outra parte, formada por segmentos de todos os matizes, fundamentalistas incorrigíveis, deve ser ignorada: “…pai perdoai-lhes, eles não sabem o que fazem..”

  A política de saúde pública de quaisquer pais é uma prerrogativa indeclinável do estado nacional e nasce de um planejamento que propõe política pública de saúde. Os países com mais compromisso com o bem estar dos seus povos adotam com muito sucesso essa política como é o caso de Cuba e da China. 

  Quando o SUS foi idealizado logo após a redemocratização em 1985, foi definido um modelo de prestação, gestado dentro da FIOCRUZ, sob a orientação de Sergio Arouca e Frederico Simões Barbosa que acabavam de retornar do exílio, onde haviam planejado e montado  o sistema de saúde da Nicarágua.

 O SUS norteia-se por três princípios doutrinários básicos: universalidade, integralidade e equidade. 

 A Universalização leva em conta que a saúde é um direito de cidadania de todos e cabe ao estado assegurar-lhe.

 A Equidade tem por principio diminuir desigualdades e significa tratar desigualmente os desiguais.

 A Integralidade considera as pessoas como um todo e atende a todas as suas necessidades.

 Até então os trabalhadores rurais que alimentam a cidade viviam à margem do serviço de saúde e a muito custo eram atendidos, por favor, como indigentes.  Foi  o SUS acabou com essa excrescência.

 Por conta disso o SUS desagradou ao empresariado médico e passou a sofrer ataques até agora, quando desafiado por uma calamidade pandêmica está sendo a salvação de todos.

 O presidente da república, como que indiferente e alheio a tudo, contraria o mundo cientifico e sugere a quebra do isolamento, culpando os governos estaduais e os municípios pelas consequências econômicas, a rigor uma injustiça contra   aqueles que estão pondo em prática o que tanto a OMS como o mundo científico recomendam.  

  É óbvio que a prestação ocorre na ponta, que são os estados e municípios, mas é obrigação indeclinável do governo do país, prover os prestadores, dos recursos necessários para que a universalização, a equidade e a integralidade se materializem. 
  A questão de fundo é que a pandemia nos alcançou numa grave crise econômica e o Ministro da Economia cuja política é voltada para o sistema financeiro, é irredutível na preservação do superávit primário, e a manutenção de uma ortodoxa política econômica liberal. Ele não admite o uso de recursos públicos para financiamento da seguridade social e o bem estar da população.

    O governo federal, em sendo o único ente público que pode fazer dinheiro para financiamento do enfrentamento ao Covid 19 se for o caso até emitindo moeda para tanto, mas não o faz para não impactar o sistema financeiro, fato comprovado com a compra em plena pandemia, de uma carteira podre do Bradesco pela bagatela de R$ 123 bilhões.

O resto é “conversa flácida para bovino dormitar”, e a população não pode permitir isso.

Relacionados

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...