fbpx
20.1 C
João Pessoa
Início E nós, a onde vamos?
Array

E nós, a onde vamos?


Por: João Vicente Machado

    Assistimos na segunda-feira passada, dia 06/04/2020, ao programa PENSE BRASIL em edição virtual, de iniciativa da FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA DO PSB, que elegeu como tema: “O PAPEL DO ESTADO NO COMBATE À PANDEMIA”.

    O programa foi mediado pelo ex-governador RICARDO COUTINHO, presidente da FUNDAÇÃO citada, tendo como conferencista o professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS e como debatedora, a ex-prefeita de Salvador e hoje deputada federal pelo PSB da Bahia, LÍDICE DA MATA.



        

Em que pese o tema ter um foco na pandemia que assola o mundo, a abordagem sobre o papel do estado na economia terminou tendo um destaque especial, muito elucidativo e esclarecedor.  

O professor prendeu as atenções dos internautas e na sua fala fez uma contextualização da geopolítica que preside o atual cenário mundial, pontuando um a um, o papel dos atores da ribalta econômica.

    Assistimos nos últimos tempos a desconstrução sistemática do papel do estado como agente econômico, vitima  de acusações diversas, tais como: antro de corrupção, de ineficiência, de letargia, de burocracia, de incapacidade, de marasmo e de incompetência. Através da imprensa oficial ou das milícias virtuais, inculcaram na consciência da população desinformada essa diatribe, para abrir as portas do país ao beatificado e “inocente” capital privado, sequioso de lucro fácil.

  As empresas nacionais, organizadas sob a forma de órgãos públicos, autarquias ou de economia mista, sempre foram geridas por indicações políticas, fruto de acordos celebrados em alianças eleitorais, fato corriqueiro na ótica da política liberal.  O PMDB “velho de guerra” que virou MDB, chegou a ter 7 (sete) ministros e um vice presidente no governo Dilma Rousseff. Não somente conspirou como participou do golpe votando contra a presidenta legitimamente eleita.  Foi alem e desembarcou um vagão cheio de adesistas no governo de Themer/ Bolsonaro, eles que acabavam de desembarcar de um ministério do cordão encarnado para assumir imediatamente outro no cordão azul. Isso sem falar nos partidos de menor coturno.

É possível que algum desses predicados, ocorra em algum lugar onde houver a presença do estado. Essa é uma prática milenar até em países onde as leis são rigorosas como na China e no Japão onde a corrupção é severamente punida, inclusive com morte. 

Vez por outra um agente público é alcançado, o que dificilmente ocorre na iniciativa privada, albergue de lobistas contumazes, corruptores e corruptos.

Alojam nos governos, intelectuais orgânicos do naipe de Paulo Guedes, que passam a operar no desmonte do estado, com o discurso neoliberal de estado mínimo.

Agora, diante de mais uma das muitas crises do capitalismo, estamos assistindo uma apelação geral pela volta do estado à economia, não para salvar o povo, mas para salvar o capital, igualmente à estória de Chico Buarque de Holanda na música Geni e o Zepellin. 

Eles que estão alucinados para restabelecer as relações de mercado a pergunta que fez o PROF  BOAVENTURA na sua fala: “ Estarão pensando em recompor um  mercado composto de cadáveres?”
Um aviso aos navegantes: o neoliberalismo brasileiro esta fazendo água e tudo indica que não vai atravessar a tormenta. Aguardemos.



  




Relacionados

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...