fbpx
29.1 C
João Pessoa
Início Emerson Monteiro Hoje eu quero caminhar

Hoje eu quero caminhar

Agora recente, sempre que não chove nos fins de tarde, me vem a vontade de caminhar pelas estradas desta encosta de serra em que vivo. Vontade de caminhar tal qual a vontade de beber água, de pensar, imaginar, sonhar, essa força que desce lá de não sei onde e vai até não sei onde. Um instinto puro de viver, eis o que assim me vem tudo isso, esses sintomas continuados que, menos espero, aparecem na forma das vontades, a preencher o momento ali mesmo no lugar em que me acho no espaço da presença. Um desejo de tocar em frente o barco em que habito durante todo tempo. Horas que vivem livres pelas planícies dentro da gente quais seres imprevisíveis de natureza que pelejo de, lá um instante, identificar em todas as suas qualidades, sinais que falam de ter paz, acalmar a consciência e ser com absoluta intensidade. Tais pedaços de sentimentos e pensamentos, vivemos, pois, juntando as amarras dos dias em outros dias; tocamos o itinerário de prosseguir na busca incessante de resolver as perguntas que transportamos, que somos, minutos adiante, espécies de tracejados de um bordado no mínimo instigante, revelador de uma revelação que, por vezes, parece demorar a vir, mas que cresce de algum ponto no Infinito que nós somos, durante longas noites e esplendorosos dias. Os passos nas estradas, por isso, contam dessas lendas que alimentamos de vir a ser no universo de nós mesmos, autores das razões que justificam existir. Desse modo, caminhar qual caminham as possibilidades de conversar, no íntimo, com a nossa real condição de seres andantes e, enquanto isso, escutar pássaros que trinam códigos pelas florestas em volta. Estes caminhares que nada mais significam além de avaliar o destino e recolher as sementes dos amanhãs de que seremos testemunhas em um mar de imensas interrogações. Isto, peças vivas do quebra-cabeça que compomos na paisagem dos sonhos, alguns personagens a continuar sem limites; daí a vontade de sair pelas tardes e poder usufruir das bênçãos constantes do inesperado em movimento.

Relacionados

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

O justo fruto das nossas ações

O ímpio recebe pagamentos enganosos, mas quem semeia a justiça colhe segura recompensa. Provérbios 11:18 Ao chegar da escola, ainda contrariada por causa de alguma...

O pato e a garrafa

Nas técnicas adotadas pelo Zen Budismo existem os koans (pequenas histórias enigmáticas destinadas a confundir o intelecto até que apreenda que existe dimensão além...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Afinal de Contas Que Canal é Esse?

Canal é um dispositivo hidráulico usado para transporte de água, muito conhecido de todos nós, desde a primitiva levada de terra, até os canais...

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...