fbpx
29.1 C
João Pessoa
Início Emerson Monteiro A festa no Céu

A festa no Céu

A tartaruga vivia escutando a conversa dos demais bichos, sempre estirando o pescoço na intenção de colher alguma informação privilegiada, quando lá um dia deu de ouvir o curruchiado de alguns pássaros e do meio do matagal, o que descobriria: – No próximo sábado haverá animada festa no Céu.

Ora vejam só quem que nem ela daria tudo a fim de participar do festejo inusitado, iria de qualquer jeito. E toca a matutar esse qualquer jeito. Lembrou que o urubu ia sempre convidado a participar desses encontros, dado seu talento ao violão de sete cordas.

Mais que depressa a tartaruga acercou do ninho do urubu e notou as suas preparações da viagem. Nisso, tratou de estudar o modo próprio de acompanhar o dito cujo. Olhou que levaria o inseparável instrumento de cordas. Encaixou-se no espaço do meio, bem no furo central, e ali permaneceu no tempo suficiente a seguirem rumo do Céu, pois a festa ali aconteceria dentro em breve.

No primeiro descuido da ave de rapina, a tartaruga saiu do violão e envolveu o vulto no bulício da multidão. Jamais esqueceria, certeza, o tanto que se divertiu naquela noite maravilhosa. Conheceu gente, conversou, namorou, bebeu e comeu do bom e do melhor, e quando viu saírem os primeiros convidados, tratou logo de regressar ao bojo do violão do urubu e esperar o momento de vir de volta à Terra.

A viagem transcorria às mil, no entanto, numa das manobras súbitas do urubu, a evitar algumas nuvens à frente, olha que a tartaruga escapolio por entre as cordas do violão e desceu lá das alturas, sacudindo pelos ares. Veio cair por cima de uns lajedos, sendo caco de tartaruga a todo lado. O que um casco lindo visto dele restaram apenas cacarecos abandonados pelo chão.

Porém Nossa Senhora, que a tudo vê e cuida, passava naquela hora do impacto do estrondo nas pedras. Ficou preocupada com aquilo e tratou de reunir o que conseguiu dos restos da tartaruga, colando com resina, formando esse casco remendado que agora conhecemos, fruto dos muitos pedacinhos somados pela compaixão sublima da mais divina Santa.

Relacionados

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

O justo fruto das nossas ações

O ímpio recebe pagamentos enganosos, mas quem semeia a justiça colhe segura recompensa. Provérbios 11:18 Ao chegar da escola, ainda contrariada por causa de alguma...

O pato e a garrafa

Nas técnicas adotadas pelo Zen Budismo existem os koans (pequenas histórias enigmáticas destinadas a confundir o intelecto até que apreenda que existe dimensão além...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...