fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Emerson Monteiro Sinfonia de sabiás

Sinfonia de sabiás

Em face das primeiras chuvas deste janeiro, os finais de tarde na Serra se enchem de sonoridade; cigarras e sabiás estabelecem diálogo puro e melodioso, entremeados de tinidos de outros pássaros, na música divina, esplendorosa, longe das aflições dos humanos perdidos lá embaixo, na distância do vale. Tais bandos de borboletas coloridas, cigarras circulam de cicios a solidão da mata em sucessivas ondas, tecendo de surpresa o silêncio que aos poucos regressa e logo invadirá a Terra.

Houvesse dúvidas do poder infinito da Criação, essas horas bem que desfariam e se refariam nas almas por demais embrutecidas por causa das fainas do chão. Sinais imensos, magistrais, da grandeza dos Céus, as aves insistem nisso de convencer as últimas resistências dos sórdidos. Em orações continuadas, persistem reverter quadros da ilusão das mentes dos últimos ateus; limam presas derradeiras nas feras do Sertão bravio; e suavizam de paz os corações enternecidos.

Horas a fio, no longe das distâncias intransponíveis desses brejos do espírito, o invisível do eco festeja as estrelas que virão às praias de amores e luzes, na saudade feliz dos mais perfeitos sonhos. Leves instrumentos em mãos misteriosas, os acordes calmos, tons inesgotáveis da pura condição dos seres inocentes, mergulham na tarde que esvai e pinta aquarelas interiores nos horizontes da beleza. Avisos. Convites. Notícias doutros mundos santos; doces palavras em forma de cores e acordes.

Esse abismo entre o ser e a percepção da realidade cresce, pois, no espaço do sentimento, e a natureza fala. A Eternidade, em miríades de sons, portas dos segredos universais, desce seu manto da escuridão e desfaz réstias do dia nas promessas de comunhão dos ouvidos e do vazio, enquanto somem as intenções dos homens de reter a verdade que querem dominar. Some o que ainda existia de promessas e claridade. Responde assim, alegres, os pássaros, em desafios harmônicos, a esperança das primeiras chuvas e deixam as canções do dia no coração que ali incendeia.

Relacionados

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

O justo fruto das nossas ações

O ímpio recebe pagamentos enganosos, mas quem semeia a justiça colhe segura recompensa. Provérbios 11:18 Ao chegar da escola, ainda contrariada por causa de alguma...

O pato e a garrafa

Nas técnicas adotadas pelo Zen Budismo existem os koans (pequenas histórias enigmáticas destinadas a confundir o intelecto até que apreenda que existe dimensão além...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...