fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início João Vicente Machado O que nos reserva o clima para 2022

O que nos reserva o clima para 2022

Não há força humana que mude o olhar de um sertanejo do semiárido em direção ao nascente a partir de todo mês de dezembro. A dúvida vai gradualmente se instalando já a partir do mês de setembro, no dizer do filósofo sem escolaridade regular, o imenso Patativa do Assaré:

“Setembro passou
Com outubro e novembro,
Já estamos em dezembro,
Meu Deus, que é de nós!
Assim fala um pobre
Do seco nordeste,
Com medo da peste
Da fome feroz.”


Comecei a garimpar as informações sobre os prognósticos do clima para o ano de 2022, que geralmente são produzidas pelos órgãos de monitoramento climático no Brasil, mas até o presente não obtive sucesso. Nem mesmo os competentes climatologistas da AESA-PB ainda se manifestaram. São profissionais estudiosos, muito capacitados e com uma larga folha de serviços prestados ao estudo do clima, que tradicionalmente se pronunciam sobre o tema, sempre no mês de dezembro.

Como sertanejo filho de agricultores, me habituei a observar a ansiedade do meu pai, dos meus parentes e vizinhos la da Nova Floresta em minha saudosa Lavras da Mangabeira/CE, na expectativa do pronunciamento dos profetas e dos seus prognósticos.

Eles sempre  embasaram  as suas profecias em observações e estatísticas que guardavam apenas na memória e que iam passando de geração em geração. Levavam em conta o comportamento dos animais e dos insetos, o processo de formação e condensação das nuvens. O hábito das aves na preparação dos seus ninhos e muitas outras observações da abóboda celeste e do firmamento.

Os tempos eram outros e menos modernosos, sem o aparato eletrônico que nos prende frente a um aparelho de televisão, nos privando das noites estreladas que continuam sendo um espetáculo deslumbrante para visão e para a alma.

Lembrei – me então da reunião anual dos profetas da chuva, que ocorre todo mês de dezembro na cidade  de Quixadá, terra de Raquel de Queiroz, la no interior do Ceará. É uma iniciativa inteligente  que reúne Professores da Universidade Federal do Ceará com os Profetas, para juntos promoverem  o sincretismo climático entre a academia e a Sabedoria Popular.
Vejam que iniciativa interessante, pois muitos expoentes da academia torcem o rosto à Sabedoria Popular por entender que o Estamento Cientifico não pode se misturar com leigos. Esquecem eles que a ciência é filha do experimento.

Olavo Bilac, nascido no Rio de Janeiro, não permitiu que a luz difusa dos lampiões de gás ofuscasse a sua inspiração e disse:

Ora (direis) ouvir estrelas! Certo,
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…

E conversamos toda a noite,
enquanto a Via-Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.

Poema Ouvir Estrelas de Olavo Bilac.

Pois bem, a reunião ainda não ocorreu e a minha curiosidade parece que vai ter que esperar. Por enquanto olhemos para as observações cientificas.

Segundo à ciência, para que ocorra chuva com maior intensidade no nordeste brasileiro, é preciso que alguns fatores climáticos preponderantes se conjuguem e aconteçam de forma simultânea, o que nem sempre é possível.

Primeiro lugar: a temperatura do Oceano Pacifico

O Oceano Pacifico é contornado pela Asia, Oceania e as três Américas, formando um chamado Cinturão de Fogo. A denominação é devida ao grande número de vulcões nas profundezas de toda extensão do seu espelho d’agua, o que provoca variações significativas na temperatura da água.

A variação de temperatura das águas do Oceano Pacifico influi significativamente na variação climática em alguns países como os Estados Unidos e o Brasil, castigados pela seca em algumas regiões, provocando  o aumento das chuvas em regiões desérticas do Peru e da Austrália.
No caso específico do Brasil, há escassez em parte da amazônia e no semiárido nordestino e chuvas torrenciais nas regiões centro-oeste, sudeste e sul.

As duas fotografias que mostramos resumem a lógica do El Niño onde a temperatura do pacífico  pode variar de + 4,5°C a -3,5°C.

Como o nosso olhar é voltado para o nordeste do Brasil e mais especificamente para o semiárido, para nós o El Niño é um menino indesejável.
Já o seu antônimo, a El Niña que nos traz chuvas é sempre muito bem-vinda.

As considerações que fazemos, são despretensiosas e apenas informativas, fruto de conversas que sempre tínhamos com os competentes técnicos da AESA no período que por  lá  estivemos como Diretor Presidente.

Segundo lugar: a temperatura do Oceano Atlântico.

A temperatura do Oceano Atlântico é outra variável climática a considerar naquilo  que o  Dr. Manelito chamava a gangorra térmica que passamos a tentar explicar.

Já ouvi algumas vezes, da minha Musa Climática que é a Dra. Marle Bandeira da AESA, nascida em Pombal e sertaneja como eu:
“Para nós do nordeste oriental, a temperatura do atlântico é fundamental na definição da estação das chuvas no nordeste, que nós chamamos de inverno.”

Para que se instale a chamada Zona de Convergência Intertropical – ZCIT e as chuvas aconteçam sobretudo no verão/outono, é necessário a formaçao de um dipolo de temperaturas entre o atlântico norte, com águas mais frias e o atlântico sul, com águas mais quentes.

Nessa gangorra térmica, o confronto dos chamados ventos alísios que convergem para a linha do equador contribui para a formação da ZCIT. É aí que  a estação chuvosa se consolida proporcionando chuvas de variada intensidade que podem se situar em intensidade, abaixo da média, acima da média e exatamente na média pluviométrica, que o sertanejo chama de bom ou mau inverno.

Espero que tanto os órgãos climáticos como os profetas da chuva satisfaçam a nossa curiosidade climática no mais breve espaço de tempo possível e que tenhamos todos um bom inverno.

 

 

Consulta:
PENSADOR.
Ouvir Estrelas Ora (direis) ouvir… Olavo Bilac – Pensador

Uol- MUNDO EDUCAÇÃO.
Influência do El Niño no Brasil. Impactos do El Niño no Brasil (uol.com.br);

Fotografias:
El Niño e La Niña. A diferença entre El Niño e La Niña (uol.com.br)

Como o Atlântico favorece as chuvas no Nordeste? (letrasambientais.org.br);

Relacionados

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Absolutismo á Brasileira em Pleno no Século 21

O absolutismo foi um sistema de governo político e econômico, adotado na Europa entre os séculos XVI e XVIII, na fase transitória entre o...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...