fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Pablo Queiroz Lopes Os medicamentos genéricos são confiáveis?

Os medicamentos genéricos são confiáveis?

Atualmente os medicamentos genéricos estão muito presentes no cotidiano dos brasileiros. Pois, o seu valor é consideravelmente inferior ao dos remédios em versões originais. No entanto, diante de um preço muito menor, é comum que surjam dúvidas em relação à qualidade desse tipo de produto.

Felizmente, os remédios genéricos são confiáveis e podem ser a primeira opção da população. A sua política começou em 1999, completando, no Brasil, 21 anos de existência de leis rigorosas e fiscalização em relação à indústria farmacêutica.

Os medicamentos genéricos são comercializadas há um bom tempo. O começo de sua história ocorreu nos Estados Unidos, no início da década de 1960. Desde então, mais de 50 anos se passaram, e essa indústria não para de crescer em todo o mundo.

Apesar de ser um termo bastante presente no dia a dia da população, poucas pessoas realmente sabem o que são esses remédios. Os genéricos são medicamentos com o mesmo princípio ativo (ou fármaco), dose e forma farmacêutica (comprimido, cápsula, pomada, gel, xarope, etc) que os originais – ou seja, os de referência.

O Medicamento Genérico é um medicamento que possui o mesmo princípio ativo, concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica do medicamento de referência. O genérico e o de referência são iguais, já que sua composição química é idêntica. No dia 20 de maio é comemorado o dia do medicamento genérico.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão brasileiro responsável pela proteção da saúde de toda a população do Brasil. Para tanto, são criadas legislações e regulamentos técnicos, assim como promovidas fiscalizações, a fim de controlar sanitariamente a produção, distribuição e comercialização de fármacos.

De acordo com a Lei 5.991/1973, os medicamentos englobam todos os produtos farmacêuticos com finalidade curativa, profilática, paliativa ou para realizar diagnóstico. Assim, qualquer produto com esse fim, independentemente da sua natureza (animal, vegetal, mineral ou sintética), é considerado medicamento, sendo necessário registro na Anvisa para ser fabricado e comercializado.

Para tanto, a agência avalia toda a documentação administrativa e técnico-científica dos fármacos, a fim de assegurar a qualidade, segurança e eficácia dos medicamentos. Após a aprovação, a Anvisa continua a monitorar as drogas, a fim de avaliar a ocorrência de eventos adversos e problemas relacionados ao seu uso.

Após algum laboratório realizar a cópia de um remédio de referência, é necessário provar para a Anvisa que o medicamento é idêntico ao original. Para tanto, é fornecido à Agência um material técnico que explica todos os procedimentos realizados e a veracidade dos fatos. Além disso, é necessário que a empresa que fabricou o genérico apresente os resultados de testes de laboratório e as técnicas utilizadas no processo de fabricação.

A Anvisa, além de analisar toda a documentação, realiza a contraprova. Isso significa que alguns testes são escolhidos e replicados. Então, os resultados são comparados com os que foram fornecidos pelo laboratório e devem ser iguais.

Caso não sejam, a droga é recusada e devolvida para o laboratório, que terá de modificar a fórmula até que ela fique idêntica à original. Se não forem exatamente iguais, a empresa só pode registrar o remédio como similar, e não como genérico.

Os medicamentos genéricos são identificados da seguinte maneira: o nome do produto sempre será o princípio ativo e a sigla que o caracteriza é a letra “G”, em amarelo e Na embalagem, também há uma tarja amarela na qual se lê “Medicamento Genérico”, além da frase “Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999”.

O preço dos medicamentos genéricos, que pode ser consideravelmente mais baixo, causa muita desconfiança no consumidor. No entanto, a diferença de valores tem uma explicação bastante fácil de entender.

No passado, as patentes dos medicamentos, ou fórmulas originais, pertenciam à empresa que os criava. Assim, elas podiam cobrar o preço que lhes interessava, o que, em alguns momentos, tornou-se insustentável para a população, que precisa envelhecer com saúde.

A partir da necessidade de drogas mais acessíveis, foi criada a Lei dos Genéricos, que prevê que as patentes dos medicamentos de marca podem ter duração máxima de 20 anos.

Após esse período, qualquer laboratório pode criar remédios com a mesma formulação, ou seja, fazer cópias. Isso é possível porque a “receita” das drogas, com todos os detalhes, será divulgada para a indústria farmacêutica

Como não é preciso investir recursos em pesquisas, testes e outras fases da criação de medicamentos, os genéricos são muito mais baratos, mas apresentam a mesma qualidade da formulação original.

De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos), eles possuem 30% das vendas de medicamentos prescritos no Brasil. Calcula-se que 79% dos brasileiros já compraram genéricos. No programa Farmácia Popular, eles correspondem a 85% das vendas. Segundo um estudo da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (PROTESTE), 93% dos profissionais havia prescrito genéricos no último ano que antecedeu a pesquisa.

Atualmente são mais de 21 mil apresentações de diferentes classes terapêuticas para a maioria das doenças conhecidas e 114 fabricantes, diz a PróGenéricos.

Dessa forma, os medicamentos genéricos veio para melhorar a acessibilidades aos medicamentos com eficácia, eficiência e qualidade.

 

Relacionados

O que é ansiedade?

Ansiedade pode ser considerada como uma emoção de alarme que se encontra associada a sensações de angústia, tensão e insegurança que, quando são frequentes...

Varíola do Macaco

Clinicamente, a varíola símia é semelhante à varíola; entretanto, as lesões cutâneas ocorrem com mais frequência em surtos e a linfadenopatia ocorre na varíola...

Por que as bactérias se tornam resistentes aos antibióticos?

A resistência aos antibióticos é um dos maiores desafios de saúde pública atual. Segundo relatório da ONU, até 2050, pelo menos 10 milhões de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...