fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Ronilson Paz A caatinga, ecossistema só existente no Brasil

A caatinga, ecossistema só existente no Brasil

A Caatinga é um ecossistema genuinamente brasileiro, comparando-se ligeiramente às savanas africanas, que se caracteriza por apresentar forte presença de arbustos com galhos retorcidos, com folhas pequenas e raízes profundas. Com o objetivo de evitar a perda de água por evaporação, a vegetação costuma perder quase que totalmente as folhas em épocas de seca. As famílias mais abundantes na Caatinga são as cactáceas e as bromeliáceas.

A vegetação da Caatinga apresenta características de adaptação ao longo período de seca e grande diversidade de espécies vegetais, muitas delas endêmicas (desenvolvem-se apenas nessa região). A vegetação da Caatinga apresenta três estratos:

 a) arbóreo: com espécies que variam entre 8 e 12 metros de altura;

 b) arbustivo: com espécies que variam entre 2 e 5 metros de altura; e c) herbáceo: com espécies com altura abaixo de 2 metros.

Essas características botânicas nada mais são do que adaptações às condições do clima semiárido, que predomina no sertão nordestino, que apresenta médias de temperatura superiores a 25 °C, chuvas em pouca quantidade e de forma irregular, em geral nos meses de verão, onde é registrado índices pluviométricos entre 300 mm e 1.800 mm por ano, com média de 850 mm/ano.


A fauna da Caatinga é também bastante diversificada, com inúmeras espécies  endêmicas. Os animais que se encontram na região abrangida por esse bioma apresentam características de adaptação ao clima, como o desenvolvimento de hábitos noturnos, comportamentos migratórios e estivação (capacidade de algumas espécies de lidar com condições climáticas hostis). De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, a Caatinga apresenta 178 espécies de mamíferos, 591 espécies de aves, 117 espécies de répteis, 79 espécies de anfíbios, 241 espécies de peixes e 221 espécies de abelhas.

Além da biodiversidade, a Caatinga é rica em afloramentos rochosos e serras, serrotes e montanhas, que conferem a esse bioma riquezas cênicas de notável beleza, que atraem milhares de turistas.

Na caatinga vivem quase 28 milhões de pessoas, das quais boa parte delas é carente e precisa dos recursos naturais para sobreviver. Esse fato aliado à implantação de grandes projetos, como a exploração da vegetação nativa para produção de carvão, são fatores que fazem com que grande parte desse ecossistema já tenha sido alterado.


São representantes botânicas nativas da Caatinga barriguda (Cavanillesia arborea), amburana, aroeira, umbu, baraúna, maniçoba, macambira, mandacaru e juazeiro. A fauna nativa inclui o sapo-cururu, asa- branca, cotia, preá, veado-catingueiro, veado-campeiro, tatu-peba, sagui-do-nordeste, cachorro-do-mato e puma.

O desmatamento ilegal e a caça predatória são os principais desafios impostos ao poder público para a conservação da Caatinga. Incentivar o turismo sustentável, criar unidades de conservação, disciplinar o processo de ocupação da região, garantindo a sustentabilidade do uso dos recursos naturais e melhoria da qualidade de vida da população local, são ações que garantirão benefícios para o desenvolvimento econômico da região.

Outro desafio enfrentado pelo poder público para garantir a conservação da Caatinga é a desertificação, causadas pelas as atividades agropecuárias insustentáveis, que provocam a salinização de solos por irrigação, o sobrepastoreio e o esgotamento do solo pela utilização intensiva e insustentável dos recursos hídricos por procedimentos intensivos e não adaptados às condições ambientais, além do manejo inadequado da agropecuária. O desmatamento não autorizado também está associado à desertificação.

A desertificação é o fenômeno que corresponde à transformação de uma determinada área em deserto. De acordo com a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, a desertificação é “a degradação da terra nas regiões áridas, semiáridas e subúmidas secas, resultante de vários fatores, entre eles as variações climáticas e as atividades humanas”.

O termo desertificação tem sido muito utilizado para a perda da capacidade produtiva dos ecossistemas causada pela atividade humana. Devido às condições ambientais, as atividades econômicas desenvolvidas em uma região podem ultrapassar a capacidade de suporte e de sustentabilidade, provocando o esgotamento do solo, transformando-o em terras estéreis, causando erosão genética da fauna e da flora, extinção de espécies e proliferação eventual de espécies exóticas, geralmente mais adaptadas às mudanças ambientais.

 

Deste modo de vegetação e a escassez das chuvas deixa o solo árido e sem vida, dificultando a sobrevivência das espécies vegetais e animais, bem como da espécie humana. Os moradores, agricultores e pecuaristas da Caatinga geralmente abandonam essas terras e vão procurar outro lugar para viver, podendo provocar o êxodo rural e aumentando a população das grandes cidades. A migração das populações para os centros urbanos, a pobreza, o desemprego e a violência, são as consequências mais funestas da desertificação, que gera um desequilíbrio entre as diversas regiões mundiais, uma vez que as áreas suscetíveis à desertificação encontram-se em regiões pobres, onde já há uma desigualdade social a ser vencida.


Outro fator que dificulta a conservação da Caatinga é o aspecto de sua vegetação, que na época da seca apresenta uma cor esbranquiçada (daí o nome Caatinga, do tupi: ka’a [mata] + tinga [branca] = mata branca), além de uma aparência seca, que falsamente transmite a impressão que se trata de uma mata sem muita biodiversidade ou importância.

Esse aspecto seco da Caatinga pode trazer certa confusão para aqueles estudiosos do georreferenciamento, caso não conheça a região. A mesma mata verde viçosa no inverso, apresenta característica seca e aos olhos dos filtros do georreferenciamento poderia transparecer degradação em um período para outro. Pode até ser considerado anedótico, mas muitos técnicos neófitos do georreferenciamento deve ter caído nessa armadilha, que denota também que o georreferenciamento deve ser sempre acompanhado de uma análise objetiva.

Embora a Caatinga seja um importante ecossistema, alguns estudiosos consideram que ela seja o bioma mais negligenciado com relação formulação de políticas públicas relacionadas à sua conservação e proteção.

O estímulo à criação de reservas particulares do patrimônio natural (RPPN) e a implantação de projetos de manejo florestal sustentável pelos proprietários de áreas da Caatinga, para a conservação de áreas florestadas, seriam importantes iniciativas para conferir maior proteção a este bioma, além de trazer recursos financeiros aos agricultores.

Relacionados

Animais exóticos em cativeiro oferecem riscos aos seres humanos

A criação de animais silvestres em cativeiro é permitida, desde que autorizado pelo órgão ambiental competente, sendo infração administrativa, com multa variando de R$...

Afinal, a produção de energia eólica é realmente “limpa”?

O termo “energia limpa” é atualmente designado para indicar os sistemas de produção de energia renováveis que excluem qualquer tipo de poluição, principalmente por...

A arborização urbana deve ser feita com responsabilidade

Fonte: Foto Internet A arborização urbana é um excelente instrumento para atenuar as temperaturas, principalmente em locais com clima mais árido. Isso por que as...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...