fbpx
29.1 C
João Pessoa
Início Ronilton Lins Orgulho e luta e o desafio do movimento LGBTIQ+

Orgulho e luta e o desafio do movimento LGBTIQ+

 

 

 

O dia 28 de junho é comemorado o dia do orgulho LGBTIQ+, o nosso país, em pleno século XXI, deparou-se com ataques homofóbicos por parte do presidente da República e do jornalista da rede TV,  SIKEIRA JUNIOR, afirmando que os homossexuais eram uma “raça desgraçada”.

O avanço e o desafio do movimento LGBTIQ+ ainda continua na trincheira por uma sociedade mais igualitária, em contraponto com tanto preconceito disparado nesse país, ultimamente mais evidente pela eleição de um presidente de extrema direita, cujo discurso de ódio foi o carro chefe para sua eleição.

Em contraponto a esse preconceito o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, assumiu-se gay, já a governadora do RN, deixou a entender que supostamente é também lésbica, as eleições de 2020 representaram um marco histórico em diversidade e representatividade nas câmaras municipais pelo Brasil com o aumento de 275%, o número de candidatos a vereador travestis e transexuais eleitos passou de 8, em 2016, para 30, segundo a ANTRA (associação nacional de travestis e transexuais).

Em São Paulo, a mulher com maior número de votos nestas eleições foi Erika Hilton (PSOL), que conquistou 50.700 eleitores na capital paulista, e será a primeira mulher trans da  câmara da cidade, também na capital paulista, Thammy Miranda (PL) é o primeiro homem trans eleito vereador. Com 43.321 votos, ele foi o 9º mais votado na cidade.

Na Paraíba, temos na Assembleia Legislativa, uma deputada Estadual, Estela Bezerra (PSB), assumidamente lésbica, onde sua atuação não é limitada às causas LGBT, como também as raciais, as feministas, meio ambiente e os serviços sociais, em uma verdadeira luta a favor das minorias e das desigualdades.

A luta por representação não passa só por aí, hoje temos os conselhos de educação e saúde dos municípios sem nenhuma representação da classe LGBT, quando nós sabemos que é na educação que está o nascedouro de combate ao preconceito, abraçando a sexualidade com educação sexual em todos os níveis.

As empresas e os governos devem está atentos a inclusão e o combate ao preconceito ao contratar LGBTQI+, hoje, essas pessoas possivelmente não terão espaços se não forem por representatividade popular ou concursos públicos, que nesse caso, se torna mais difícil ainda, devido à falta de oportunidade de estudo, que só pode ser combatido com uma educação de ensino de qualidade.

A luta é urgente no Brasil, considerado um dos países que mais discrimina e mata LGBTs no mundo, a expectativa de vida de uma pessoa TRANS é de 35 anos, os dados mostram que das 237 pessoas que morreram em 2020, 161 eram travestis e trans (70%), 51 eram gays (22%), 10 eram lésbicas (5%), 3 eram homens trans (1%), 3 eram bissexuais (1%) e 2 eram heterossexuais que foram confundidos com gays (0,4%).

 

Relacionados

A importância da Mata do Buraquinho na cidade de João Pessoa

A preocupação com a conservação da biodiversidade decorrente das constantes perturbações nos ecossistemas naturais tem crescido exponencialmente, uma vez que, como forma de minimizar...

O mundo discute sustentabilidade em Dubai

Sustentabilidade! Uma palavra da moda. Ouvimos falar quase que diariamente: cidade sustentável, vida sustentável, indústria sustentável, desenvolvimento sustentável. As cidades são por sua natureza insustentável,...

A espera do vento de Aracati no sombreiro:um legado do sertanejo

Sou filho de sertanejo com raízes fincadas na minha Jatobá, no interior da Paraíba, conhecida por São José de Piranhas, lá no meu sertão...

1 COMENTÁRIO

  1. Em pleno século XXI me deparo com essa velha luta em defesa de direitos que eu imaginava não existir mais. Infelizmente, os discursos preconceituosos tem elegido muitos candidatos sem compromisso com nada, a não ser com eles mesmo e sua família; para combater os que defendem o ódio e o preconceito surgem nas redes sociais milhões de textos dizendo que em outras épocas se vivia muito bem e sem precisar levantar nenhuma bandeira, mergulhados na ignorância e cegos pelo ódio esquecem que na época citada ninguém assumia nada, tudo era as escondidas, poucos foram os que ousaram a assumir sua condição e foi graças a eles que chegamos até aqui com tantas conquistas e direitos. A esses heróis devemos muito. Precisamos seguir em frente a batalha só começou. Parabéns Ronilton.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...