fbpx
29.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto As boas lembranças de nossa Neide Freire

As boas lembranças de nossa Neide Freire

 

Falar sobre a intelectual, poetisa, educadora, conterrânea e amiga Neide Freire é uma tarefa prazerosa, porém, lembrar Neide Freire é uma tarefa dolorosa e saudosa. Nunca encontrei ninguém tão feliz e risonha quando falava da sua infância em terras lavrenses: seu berço natal. Criança amada, adulta batalhadora, foi Neide poetisa de grande sensibilidade, educadora dedicada, mãe amável e amiga dedicada.  Neide não falava apenas com os lábios, falava com a voz do coração e em som alto e melodioso.

No alto dos seus 90 anos quando comecei a frequentar sua casa e usufruir das suas doces e belas recordações conduzidas pelos desvãos da sua memória que a cada episódio lembrado uma lacuna da História lavrense era preenchida.  A memória de Neide era fotográfica e em cada flash ela trazia para o centro da conversa personagens  há muito tempo adormecido e já habitantes da eternidade. Éramos verdadeiras coveiras a exumar velhos defuntos, dando-lhes vida e colocando-lhes nas cenas do cotidiano de uma Lavras que já não existia mais, acordamos uma cidade adormecida, assim como seus mortos. A memória de Neide era um sopro de vida e num curto espaço de tempo antigas personalidades e gente simples da sua, da nossa cidade tiveram vida plena, viveram como todo habitante com todas as prerrogativas que os vivos têm.

As tardes voavam e nós voámos por sobre a cidade, as ruas, a Igreja, o Largo da Matriz, e a praça, observando os acontecimentos hilários que toda cidade de interior tem. Passeávamos pela a Rua do Quadro, a Rua do Cortiço, a Rua dos Cassacos, segundo Neide a mais movimenta da pequena Urbe. Os cheiros dos doces, dos biscoitos e das rapaduras exalavam das residências nos deixando com água na boca. Ah! O cheirinho dos pães e das bolachas da Padaria de Tio Nequinho era inconfundível, não escapava as nossas narinas. E comentei com ela: aprendi com ele que pão se misturava com poesia. E nosso passeio durava horas, sem cansaço, sem intervalo e sem fim; com muitas gargalhadas e suspiros.

Hoje quando leio as poesias, os textos e as crônicas de Neide, me vejo sentada ao seu lado ouvindo seus relatos e agora quem sente saudades sou eu, saudades dela e de um tempo que ela viveu e eu não vivi. Foi graças a sua memória que pude escrever o livro sobre minha família: Almeida, Aragão e afins: dos Sertões da Paraíba as Terras de São Vicente Ferrer das Lavras, ela foi vizinha da minha bisavó, dos meus tios-avôs e contemporânea de muitas das minhas primas.  Conhecia a fundo aquele clã.

Neide foi uma memorialista social, sempre dedicada a suas lembranças tinha uma relação estreita entre sua memória e a memória coletiva, contextualizava e definia os lugares por onde viveu e passou. Via o passado a partir da visão atual, lamentava o vazio da juventude que não tinha história pra contar. E me confessou: É das minhas lembranças que me alimento e sobrevivo, tenho pena dessa juventude pregada nesses aparelhos (celulares) que quando chegar a minha idade nada terá pra contar. Vivo num mundo que não é meu.

Quando fui avisada da partida de Neide uma profunda tristeza tomou conta da minha alma, tive a sensação que uma biblioteca inteira tinha sido incendiada. Mesmo com toda tristeza fui despedir-me da amiga que tanto me auxiliou, jamais poderia deixa-la partir sem lhe dizer adeus. Foi nesse dia que conheci seu filho, Freire Filho, orgulho de sua mãe. E, por ocasião da Missa de Sétimo Dia ele pediu-me que lesse uma das poesias de sua mãe, que em minha opinião é um canto de amor a Lavras, terra que ela tanto amou e jamais esqueceu:

 

Relacionados

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Ainda vai levar um tempo

A vida passa lentamente E a gente vai tão de repente Tão de repente que não sente Saudades do que já passou. (Nelson Mota, 1981). Depois de 20...

7 COMENTÁRIOS

  1. O meu aplauso a Cristina pelo seu empenho em resgatar a memória da nossa querida Lavras, trazendo história fatos e memórias interessantes que sem as suas pesqusas estariam fadadas ao esquecimento e ate mesmo ao desconhecimento

  2. Neide freire, grande poetisa, extraordinária figura humana, pessoa que eu tanto admirava e admiro na minha saudade! Certa vez, acompanhando o estimado, amigo e afilhado Dimas Macedo, fizemos uma visita a ela na sua residência que nos recebeu com alegria, uma visita que guardo na memoria, com carinho, e que certamente procuro corresponder, pelo menos na lembrança, a maneira fidalga de como nos recebeu em sua acolhedora residência. Com certeza ela continua poetizando para sempre!
    Abraços fraternos.
    João Gonçalves de Lemos.

  3. Como gostaria de ter conhecido e conversado com Neide Freire! Quantas histórias sobre a terra dos meus antepassados ela saberia! Eu procuraria captar tudo o que pudesse de suas lembranças e vivências.

    Arair Pinto Paiva.

  4. Minha querida amiga Cristina , obrigada por estás lindas palavras sobre está mulher maravilhosa e grandiosa intelectual que era minha mãe muito obrigada… muito obrigada

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Afinal de Contas Que Canal é Esse?

Canal é um dispositivo hidráulico usado para transporte de água, muito conhecido de todos nós, desde a primitiva levada de terra, até os canais...

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...