fbpx
26.1 C
João Pessoa
Início João Vicente Machado A água nossa de cada dia indispensável a vida

A água nossa de cada dia indispensável a vida

O poder econômico há muito tempo enxerga na água – um recurso natural insubstituível – uma fonte de geração de lucro, conferindo a ela  valor econômico, passando a assediá-la em todas as frentes possíveis, com investidas diversas e recorrentes, no velado propósito de assumir o controle econômico do seu uso e transformá – la em mercadoria.

Uma verdadeira batalha vem sendo travada entre a iniciativa privada – de olho nos lucros obtidos com a água – e os movimentos sociais, sindicais, a academia, a ciência e órgãos representativos organizados, que defendem o acesso universal ao saneamento para toda população brasileira.

No Congresso Nacional, os interesses mercadológicos apesar da resistência, conseguiram avançar e legalmente  foi dada  autorização para que a iniciativa privada atuasse na prestação dos serviços de saneamento básico, uma verdadeira carta branca que se mostrou inviável em diversos países que optaram  por essa via.

Em 2020, foi aprovada pelo congresso nacional a Lei 14026 em 14 de julho – com o nome  de novo (velho) marco regulatório do saneamento básico – que teve como relator o senador Tasso Jereissati do PSDB do Ceará. A Lei foi aprovada com vetos que foram mantidos pelo congresso e foi sancionada pelo presidente da república estando em pleno vigor.

 Sequencialmente foi editado o Projeto de Lei Complementar – PLC N°031/2021 de iniciativa do presidente da república, regulamentando a Lei, de forma a alijar completamente o setor público da prestação dos serviços de saneamento, empurrando goela abaixo o ente privado, como única opção.

Esse foi o primeiro grande golpe desfechado não somente contra as companhias de saneamento estatais como a CAGEPA, mas contra o saneamento básico, contra a água.

Usina Hidrelétrica de Xingó

 

Em 2017, o mesmo senador Tasso Jereissati  apresentou  um Projeto de Lei do Senado-PLS n° 495/2017,  mais conhecido como Lei das Águas que, em sendo de autoria do Senador Tasso Jereissati  já carregava consigo um vício de origem, representado pela ligação direta do referido senador com industrias de exploração e envasamento de água mineral, além daquelas  que fazem uso da água potável  como matéria prima básica  na  fabricação de refrigerantes e similares.

“Ementa:

Altera a Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997, para introduzir os mercados de água como instrumento destinado a promover a alocação mais eficiente dos recursos hídricos.”

“Explicação da Ementa:

Altera a Política Nacional de Recursos Hídricos para priorizar o uso múltiplo e a alocação mais eficiente dos recursos hídricos, bem como para criar os mercados de água.”

A propósito do excesso de zelo do Senador Jereissati, essas démarches conspiram contra ele pois, pelo que se informa:

“Dentre seus vários bens, ações e investimentos, destacam-se em sua última declaração de bens, ações em nome da empresa Calila Administração e Comércio S/A, com um saldo de 1,3 milhão de ações ordinárias de classe A, estimadas em R$ 56 milhões, e Calila Investimentos S/A com um total de 1,9 milhão de ações classe A, valendo cerca de R$ 154 milhões, o que corresponde a 54% do valor de todo patrimônio declarado.”

 E acrescenta:

“A Calila Participações do Grupo Jereissati, é uma das acionistas brasileiras da Solar Coca-Cola, empresa sediada em Fortaleza e segunda maior fabricante do sistema Coca-Cola no Brasil, fruto da fusão das empresas Norsa, Renosa e Refrescos Guararapes, originalmente pertencentes ao Grupo Jereissati, Família Mello e The Coca-Cola Company, respectivamente. Considerada uma gigante do ramo, foi também a maior doadora da última campanha do parlamentar, com R$ 1,5 milhão.”

É pertinente acrescentar que as empresas do grupo Jereissati disputam o acesso à água bruta com outras produtoras de alimento e fabricantes de cerveja, todas elas grandes consumidoras de água como insumo e como matéria prima básica para os seus produtos.

O assédio aos dois maiores aquíferos do mundo já vem ocorrendo há algum tempo, tanto por parte das indústrias cervejeiras e de refrigerantes, como por fabricantes de laticínios e bebidas lácteas.

Aquiferos Guarani e Alter do Chão

 

Trocando tudo isso em miúdos, a aprovação desse PLS poderá significar a posse definitiva do ente privado sobre toda água bruta do país, inclusive a que se encontra armazenada nos dois grandes aquíferos: Álter do Chão no Pará, o maior deles, além do Aquífero Guarani, compartilhado com o Paraguai e a Argentina, portanto uma reserva de água internacional. 

Convém relembrar que, a água tratada que bebemos é filha natural da água bruta e é nesse aspecto que se firma o nosso raciocínio com relação a água para uso humano.

Esse é o segundo grande golpe disferido contra o povo brasileiro, desta feita na produção da água bruta, mãe da água tratada como já frisamos e um recurso natural insubstituível.

 
Estação de tratamento de água da CAGEPA em Gramame

 

Não bastassem as investidas contra a distribuição e a produção da água tratada e da água bruta e não satisfeito o governo Bolsonaro, leia-se os grupos econômicos, submeteu o projeto de privatização da Eletrobrás ao Congresso Nacional e conseguiu aprová-lo no Senado por maioria apertada de votos, 42 votos a favor contra  37 votos contrários, entre os quais o da senadora paraibana Daniela Ribeiro.

O projeto foi enviado para a Câmara Federal e a sua tramitação tem esbarrado em contradições internas aparentemente irreconciliáveis entre os próprios componentes da bancada do próprio governo, não por interesse público mas por conveniências outras.

Indiferentemente à tramitação aparentemente conflituosa, é oportuno advertir à nação, não somente para o crime de lesa – pátria, representado pela  alienação de um ativo estratégico em termos geopolíticos como é o caso da Eletrobrás, ponto onde ocorre o perigo do  fechamento do triângulo sinistro da privatização da água, que abarca a água tratada para consumo humano, através da fatídica Lei 1426/2020, juntamente com a água bruta armazenada nos reservatórios superficiais e subterrâneos  descritas no PLS 495/2017 que  cria os mercados de água. A essa preocupação se soma a possível privatização da  água de geração de energia  elétrica através da privatização da Eletrobrás.

Nesse sentido, o governo federal editou a Medida Provisória n° 1055  de 28/06/2021, em que cria a Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética – CREG e  que  subtrai da Agencia Nacional de Água – ANA e do IBAMA, toda prerrogativa que tinham sobre  a governança  da  água bruta  de geração, que passou a ser exercida diretamente   pelo Ministério das Minas e Energia, coadjuvado pelos Ministérios: da Economia, da Infraestrutura, da Agricultura Pecuária e Abastecimento,  do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Regional.

No caso do Sistema CHESF, que tem instaladas oito geradoras de energia ao longo do curso do Rio, essa transferência de gestão significa o controle indireto  do ente privado  sobre a sua  água, colocando em risco todo esforço  para a execução do Projeto de Integração das Águas da Bacia do São Francisco – PISF, um projeto centenário realizado por uma decisão política do presidente Lula,  que  beneficiará diretamente as  Bacias mais secas  do Nordeste Setentrional, contemplando os Estados de  Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte, os mais secos da região e  que têm acumulada,  uma população de 27 milhões de pessoas  ou seja,   12,98% da população brasileira.

Pois bem, à guisa de evitar um hipotético colapso que segundo o MME provocaria um apagão causado pela escassez de água, a Agencia Nacional de Energia Elétrica – ANEEEL autorizou um reajuste de 52% nas chamadas bandas de consumo, que poderão melhor ser entendidas através das instruções normativas da própria ANEEL.

É bom lembrar que “O preço pago pela geração da energia propriamente dita é apenas um dos componentes da tarifa, já que mesmo quem não consumir nada no mês, tem que pagar pelo chamado “Custo Mínimo”.

Objetivamente, o que ocorreu nesta terça feira, foi que “a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou um reajuste na bandeira tarifária vermelha patamar 2 para as contas de julho. A cobrança passou de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh consumidos, numa alta de 52%.

É possível perceber que o ente privado que vier a assumir a gestão  da ELETROBRÁS, terá a garantia do controle sobre a água do Rio, como também todas as garantias em termos de rentabilidade do negócio.

Se esse modelo de governança se efetivar, representará um golpe de misericórdia na gestão da água bruta, fechando o terceiro e último lado do triângulo da água, nos subordinando à lógica do lucro, até o dia em que a população entenda que é preciso reverter esse quadro sinistro de exclusão de um recurso natural insubstituível.

O vídeo  música que se segue é uma canção de autoria e interpretação de Guilherme Arantes. foi escolhida para  fechar  esse trabalho pela identidade com a grave ameaça que se desenha com a ameaça de privatização da água. não deixe de ver e ouvir

 

 

 

Consulta:https:wwwww.brasildefato.com

www25.senado.leg.br;

www.camara.leg.br;

www.planaltoAquífero Alter do Chão

 

Fotografias:https://www.aAquífero Alter do Chão – InfoAquíferos (google.com).gov.br;alagoas24horas

Relacionados

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Absolutismo á Brasileira em Pleno no Século 21

O absolutismo foi um sistema de governo político e econômico, adotado na Europa entre os séculos XVI e XVIII, na fase transitória entre o...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

1 COMENTÁRIO

  1. O texto detalha com muita clareza no que consiste a privatização da água com certeza a mais prejudicial e cruel das privatizações. A bela e pertinente canção que encerra o discurso, nos leva a refletir com tristeza sobre mais um golpe desferido sobre a população principalmente os mais pobres:"águas que levam fertilidade, banham as aldeias e matam a sede da população".
    Sendo a agua um bem publico, no momento que passar para a iniciativa privada que visa somente o lucro, vai acontecer o quê? Aumento das tarifas, tal como ocorreu com a energia elétrica, ser tirada da periferia porque o pobre não pode pagar vive na inadimplência e então ele terá que se valer dos poços de águas poluídas com serios danos para a saúde
    Mas infelizmente a ficha ainda não caiu e a desinformação é generalizada.
    Portanto temos que divulgar informações como estas contidas no texto, fazendo chegá-las ao maior número de pessoas para que todos saibam também a que espécies de politicos: prefeitos, deputados senadores, presidente estamos entregando nossos destinos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...