fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto Esses conceitos de Família eu nunca entendi bem

Esses conceitos de Família eu nunca entendi bem

Eu tinha 15 anos, e fui interna num colégio em Crato onde morei. Éramos 31 internas e todas  jovens, alegres e peraltas, assim, como toda jovem deve ser.  Nossa alvorada era às 5 horas da manhã para assistir a missa na Capela que ficava anexa ao internato. Depois, íamos  ao refeitório na maior alegria para desjejum, em seguida, cada uma tomava o rumo das suas salas de aulas para mais um dia de aprendizado. Apesar da rigidez a nossa vida era alegre e cheia pequenas desobediências que custava um longo e belo sermão da Irmã Maria, freira responsável pelas internas, e algo mais grave o sermão era ministrado pela Madre Superiora.

Julieta, uma das internas, estava noiva e prestes a casar. Muito alegre e simpática um dia apareceu com um comportamento estranho, triste, cabisbaixo, deixou de interagir conosco e não parava de chorar. Levei um tempo para saber o que acontecera.  Tirada do nosso convívio ficou sendo acompanhada e aconselhada pelas freiras. Tudo ficou no mais absoluto segredo, e, a moça continuava a chorar. Aquela tristeza, aquele choro me incomodava e eu tentava a todo custo saber o que poderia ser feito para solucionar tão sério problema que tirou da nossa animada colega o sorriso do rosto, a alegria do olhar e a paz dos seus dias.

Perguntei as colegas, tentei saber de uma freira que me era mais amiga, e nada! Uma noite, após o jantar eu fui à biblioteca, meu lugar favorito naquele prédio enorme e fiquei quietinha lendo um dos livros que fazia parte da Coleção: Biblioteca das Moças – Volume 131,  A Casa dos Rouxinóis de M. Delly, quando ouvi o ruído da velha porta e ao levantar a vista vi a figura de Julieta que me pediu licença e sentou-se em uma das cadeiras da cumprida mesa, na qual, eu estava sentada,  sem mistério, sem me pedir segredo, e lógico, em meio a lágrimas contou-me o motivo de tanta amargura e tanto sofrimento.

O noivado de Julieta estava desfeito, o noivo tão amado não a queria mais, até aí não entendi o motivo de tanto desespero, além da rejeição. Sugeri que a amiga o esquecesse, e única fórmula seria arranjar um novo amor, foi nesse momento que o choro saiu fácil, disse não ser mais possível, estava condenada a seguir a carreira religiosa, apesar, da minha pouca idade tentei tirar dela o motivo maior de tão radical decisão e o que causara tanto desengano. Ela me confessou não ser mais virgem, como dizia no linguajar da época, ela se entregou ao noivo que depois de consumado o ato a acusou de frigidez, por isso, a rejeitou, e, ela se viu sem saída.

Fiquei surpresa e sem palavras, e não sabia o que fazer. A cabeça dela estava repleta de conceitos pecaminosos, de culpa, de medo e de muitas dúvidas. Entendi o motivo pelo qual ela me escolheu como ouvinte, isso mesmo, ela precisava de uma ouvinte e não de uma inquisidora. Sem falar, ouvi silenciosamente e atentamente toda a sua confissão.  Na minha pouca experiência, sugeri calma, paciência e silêncio; não precisava mais ninguém saber dessa história, até porque não era o fim do mundo e que seguisse a vida, pois um dia alguém que gostasse dela de verdade iria entender e aceita-la.

Julieta enxugou as lágrimas, me agradeceu e saiu. Depois desse dia nunca mais a vi chorando, mas nunca mais a vi sorrindo e nem alegre. O ano terminou e saímos de férias. Eu fui transferida para Campina Grande. Durante dois anos não soube mais notícias da colega desolada.  Numa férias eu estava em casa dos meus pais quando alguém me chamou no portão e para minha surpresa era Julieta que viera a Lavras com seu novo noivo para apanhar o batistério dele para o casamento; o rapaz era meu conterrâneo. Ela estava outra vez sorrindo, alegre e festiva; sem culpa, sem pecado e de esperança renovada.  Conversamos, ela me apresentou o noivo, tomamos um café e na despedida me deu abraço demorado e apertado. Agradeceu-me e entrou no carro que sumiu no final da rua. Nunca mais soube notícias dela.

Em 1979, fui morar em um pensionato em campina Grande.  A cidade era muito fria, chovia praticamente todos os dias e o sistema lá era bem diferente do internato. Éramos muitas e de todos os estados brasileiros, umas trabalhavam, outras estudavam e ninguém nos vigiava. Dividia o quarto com duas garotas de Sousa/PB. No quarto vizinho morava duas cearenses, assim como eu, uma de Cedro e a outra de Juazeiro do Norte que chamávamos carinhosamente de Dejé. De estatura baixa, pele branca, cabelos negro e grosso, feições grosseiras e muito conversadeira. Ela era o orgulho da família que com muito esforço custeava seus estudos na Paraíba.

Quando a conheci ela já cursava Farmácia e Bioquímica na FURNE (Fundação Regional do Nordeste). Uma jovem que vivia para estudar, não passeava, não namorava e nunca conheci seus amigos; se é que os tinha. Estava sempre sentada na sua cama com aqueles livros que mais parecia uma bíblia de tão grosso que era. Lembro bem dela quando dizia que a Cadeira de Farmacodinâmica e Farmacologia era muito importante para o curso. Com voz estridente e em tom alto, gargalhando entre uma conversa e outra nos falava da Rua Doutor Diniz, lugar onde moravam seus pais em Juazeiro e da vida agitada que era aquele lugar.

No ano seguinte fui morar em outro lugar e não mais tive notícias de Dejé. Anos depois, em 1985, fui a Juazeiro fazer um curso de final de semana e fiquei hospedada na famosa Rua Doutor Diniz, ao chegar lembrei que a colega de pensionato morava lá. Perguntei a dona da casa se ela conhecia alguém com esse nome, e de pronto soube que moravam em frente. Fiquei feliz em saber que poderia reencontra-la e fui até sua casa. Para minha surpresa encontrei a colega, mas não a mesma que conheci.

A casa era simples, ampla e bem organizada. Sentei-me na sala enquanto aguardava, quando Dejé me apareceu não a reconheci. Gorda, vestida como uma senhora, falava em tom baixo, não tinha mais aquela alegria e me falou sem empolgação da sua tão almejada profissão. Conversamos pouco tempo, porque, o papo não fluiu. Despedi-me e fui embora. Confesso que decepcionada e com uma pulga atrás da orelha. Algo aconteceu para uma mudança tão radical. Realmente, da água para o vinho.

Não contive a curiosidade e perguntei à senhora da casa (onde estava hospedada) o que aconteceu a Dejé. Em poucos minutos eu descobri o motivo da sua mudança. Dejé não só concluiu o curso como engravidou de um professor casado que jurou separar da esposa e viver com ela; mera ilusão, ao saber da gravidez ele a abandonou. Desolada e sem rumo voltou para Juazeiro e esclareceu sua situação a família, lógico que seu pai e irmãos não aceitaram ter uma mãe solteira em casa. Acabaram obrigando Dejé fazer um aborto, mesmo contra sua vontade e cedendo a pressão ela fez o que foi determinado pelo pai e irmãos. A sua vida não foi mais a mesma, ela entrou em depressão profunda, surtou e foi internada no Hospital Mental por diversas vezes e vivia controlada por fortes e altas dosagens de medicamentos. Ela não vivia cumpria seus dias.

Em meados de 2015, fui a Juazeiro e a empresa que procurava ficava na Rua Dr. Diniz, claro que me lembrei da amiga e da sua triste história. Perguntei a pessoa que me atendeu se a conheceu, ela disse que aquela empresa foi à casa dos pais de Dejé e com o falecimento deles  seus irmãos venderam a casa e a internaram para sempre no Hospital Mental, onde  faleceu pouco depois.

Essas histórias marcaram para sempre a minha vida, às vezes me pego pensando quantas mulheres passaram por situações como essa e sem amparo, sem compreensão seguiram caminhos incertos, infelizes e muitas foram degredadas, internas para esquecer-se do mundo, da vida e acabaram se entregando a morte. Apesar de hoje a mulher ser dona de si, do seu corpo e da sua vontade, acabam se escravizam a um modelo de beleza estereotipado pela mídia, que as obrigam a viverem sempre escravas de um corpo perfeito e uma mente confusa e sem autoestima. O comando agora vem pelos meios de comunicação que outra forma de mando.
Relacionados

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Ainda vai levar um tempo

A vida passa lentamente E a gente vai tão de repente Tão de repente que não sente Saudades do que já passou. (Nelson Mota, 1981). Depois de 20...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...