fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início João Vicente Machado Quem tira vantagem com a Pandemia?

Quem tira vantagem com a Pandemia?

Que a crise sanitária provocou um impacto na economia mundial é um fato inquestionável, como inquestionável também é o fato de que esta é uma das muitas  crises cíclicas do capitalismo, remanescente à crise sanitária, que apostou corrida com a pandemia e no jargão do turfe, vem correndo cabeça a cabeça com ela.

A pandemia já citada e  de efeito generalizado, como generalizados são os efeitos das crises do capital, roubou a cena e funcionou como um boi de piranhas, atraindo sobre si  todas as atenções, deixando passar despercebida a boiada do lucro fácil, gerando um punhado de bilionários que se somarão a aqueles já existentes.

Ora, no meio de uma grave crise econômico financeira em que se pressupõe um prejuízo generalizado, é inimaginável a ideia de que alguém possa obter lucros e vantagens, por menores que elas sejam e ir além produzindo bilionários. Essa lógica maluca fere de morte qualquer raciocínio, medianamente  lógico.

Como o capitalismo tem razões que a própria razão desconhece, tendo à sua disposição   intelectuais orgânicos para tudo quanto é  gosto, impõe um modelo econômico que insiste em vender como algo  moderno, uma velha prática liberal que remonta aos séculos XVIII e XIX, mais precisamente em 1789, período que marcou para a história a revolução burguesa da França. Essa proposta foi elaborada e  formulada por Adam Smith, o seu ideólogo e principal teórico, que ordenou a economia de modo a  privilegiar  o individualismo, abominando o que chamava de  intervencionismo estatal. Essa acanhada intervenção,   bem ou mal é um mecanismo de proteção à mão de obra, evitando deixar as relações de trabalho, integral e voluntariamente  à cargo de um fantasma metafisico criado por Smith, denominado mão invisível do mercado, no qual nem todos os liberais acreditam. O exemplo maior de rebeldia foi o receituário de  John Maynard Keynes, que era um liberal, para livrar os Estados Unidos da grande depressão de 1929.

O mercado é uma figura abstrata que se utiliza do aparelho de estado, para promover os ajustes exigidos na economia, numa prática consagrada pelos franceses com o pomposo nome de Laissez-Faire, que significa: “deixai fazer, deixai ir, deixai passar,” ou seja, não mecha com o mercado.

Pois bem, à cata de notícias, uma prática nossa das   madrugadas, me chega às mãos a seguinte manchete do Jornal Sul 21, chamativa para uma matéria de autoria de Maria Regina Paiva Duarte:

“Os novos bilionários e o naufrágio na miséria” 

Se atentarmos ao corpo da matéria, encontraremos o seguinte complemento chocante:

“Em meio ao caos pandêmico e uma gestão desastrosa das crises sanitária e econômica, com mais de quatro mil mortes diárias pela Covid-19, choca a notícia de que 11 novos brasileiros foram incluídos na lista de bilionários da Revista  Forbes, o ranking global dos bilionários de 2021, divulgado  no dia 6 de abril incluindo  30 brasileiros, sendo 11 novatos, que irão se somar  ao  seleto grupo de milionários pré- existentes. No mesmo dia também foi notícia que metade da população do Brasil não tem garantia de comida na mesa.”

É oportuno informar que a Revista Forbes é uma publicação quinzenal estadunidense, que traz em suas edições, artigos e reportagens sobre finanças, indústria, investimentos e marketing. Portanto, para a classificação desse punhado de felizardos novos ricos que surge, a revista que tem seus métodos de análise, deve ter levado em conta para avaliá-los,  a inserção deles no mercado financeiro, coqueluche atual do mundo capitalista.

Uma notícia chocante mas de certa forma  previsível, tendo em vista que no ano passado, quase todo ele permeado pela pandemia do covid 19, quarenta e dois bilionários brasileiros acumularam 176 bilhões de reais com B de bola, adicionando  às suas fortunas um  lucro  superior ao que foi gasto com todo auxilio emergencial  destinado aos pobres e miseráveis  durante o ano de   2020.

Essas comparações que muitas vezes podem parecer supérfluas e até cansativas, são fundamentais para tornar mais clara a questão de fundo e para   nos permitir avaliar a magnitude da “sorte dos novos felizardos” em detrimento de 40% da população do Brasil que vive abaixo da linha da pobreza.

 Chris Herman
Verificando o perfil e a origem dos “sortudos,” constatamos que cinco entre eles pertencem ao setor financeiro e bancário; três pertencem ao comercio de grandes lojas de departamentos; dois pertencem ao setor varejista de supermercados e um pertence ao setor de máquinas.

Chris Harman, escritora carioca residente na Alemanha, discorrendo sobre a teoria do valor do trabalho de autoria de Karl Marx, nos ensina:  “A noção de que o trabalho é a fonte de riqueza — costumeiramente chamada de «teoria do valor» — não é uma descoberta original de Marx.

“Até os economistas pré-capitalistas antes que eles tinham-na aceitado,” inclusive o escocês Adam Smith, ou o economista inglês David Ricardo”

                         

“Mas não demorou muito para que os pensadores próximos à classe trabalhadora virassem o argumento contra os amigos de Smith  e  Ricardo: ora, se o trabalho cria riqueza, então o trabalho cria o capital. E os “os direitos do capital” nada mais são do que os direitos do trabalho usurpado.”

Desde o princípio da crise sanitária a ciência tem recomendado como medida preventiva  o  isolamento das pessoas, como forma de evitar a propagação da virose que, simultaneamente à   vacina é  a única  forma de contenção e imunização.

O mundo do trabalho, mesmo consciente da necessidade do isolamento, obriga o trabalhador a sair de casa   para prover através da força do seu trabalho, o sustento da família. 

Quando ele não tem o amparo do estado para isolar-se, se transforma por imperativa necessidade, num vetor   potencial de transmissão da virose, ou num provável infectado, de si próprio e da própria família.

Os patrões por sua vez, amparados “nos direitos do capital” se utilizam do “trabalho usurpado” de quem realmente põe a mão na massa,  que lhes permite um isolamento em confortáveis casas de praia ou de campo e de lá, à distância e protegidos, comandam seus negócios e  se opõem ao isolamento,  obrigando  os empregados a se exporem e até a dar declarações contrárias e participar de protestos contra a ciência.

Com o poder que o capital lhe confere, pressionam as esferas de governo, notadamente de governantes pusilânimes,  para manter os seus negócios funcionando, com a consciência até intuitiva   que o dinheiro não gera riqueza e a paralização da mão de obra será o seu fracasso. É assim que conseguem ascender   no ranking da fortuna, infalivelmente tendo de lançar mão do  “trabalho usurpado, ” do trabalhador exposto ao risco da própria vida.

Vinicius de Morais o nosso indefectível poetinha, tem um poema da sua fecunda lavra, sob o título Operário em Construção, onde ele invoca o evangelho de Lucas, cap. 4, vs. 5 – 8, no qual o evangelista relembra as tentações do Cristo. Talvez o poetinha tenha tido a intenção de correlacionar os fatos, à prática do verdadeiro cristianismo, narrando – os assim:

“E o Diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o Diabo:

– Dar-te-ei todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue e dou-o a quem quero; portanto, se tu me adorares tudo será teu.

E Jesus, respondendo, disse-lhe:

– Vai-te, Satanás; porque está escrito: adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele servirás.”

Era ele que erguia casas

Onde antes só havia chão.

Como um pássaro sem asas

Ele subia com as casas

Que lhe brotavam da mão.

Mas tudo desconhecia

De sua grande missão:

Não sabia, por exemplo,

Que a casa de um homem é um templo

Um templo sem religião

Como tampouco sabia

Que a casa que ele fazia

Sendo a sua liberdade

Era a sua escravidão.

                                                                   E foi assim que o operário

Do edifício em construção

Que sempre dizia sim

Começou a dizer não.

E aprendeu a notar coisas

A que não dava atenção:

Notou que sua marmita

Era o prato do patrão

Que sua cerveja preta

Era o uísque do patrão

Que seu macacão de zuarte

Era o terno do patrão

Que o casebre onde morava

Era a mansão do patrão

Que seus dois pés andarilhos

Eram as rodas do patrão

Que a dureza do seu dia

Era a noite do patrão

Que sua imensa fadiga

Era amiga do patrão.

Entre os novos bilionários, conforme vimos no início deste artigo, cinco são vinculados ao sistema financeiro, justamente o segmento que detém a posse do capital, o qual não gera nenhuma riqueza e se multiplica unicamente   através da especulação financeira e da “mão de obra usurpada.”

O setor financeiro, no decorrer do tempo, foi gradualmente assumindo a hegemonia política e administrativa do mundo capitalista, em detrimento do setor industrial  e não foi por acaso que a outrora poderosa Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP perdeu espaço passando a ser secundária e até terciária na escala do poder político, ela que havia suplantado economicamente e  desalojado o baronato agrário da produção de café.

Três deles são originários do setor de grandes lojas de departamento que, além  da posse de grandes volumes de capital, possui ainda e também   o controle dos meios de produção de bens, o que lhes permite  utilizar-se  da mais valia absoluta  e relativa, extraida da “mão de obra usurpada”  para o processo de acumulação de   bens duráveis e de  capital.

Os três restantes, dois pertencem ao setor varejista com as mesmas características do caso anterior e o último deles ao setor de maquinas onde a mais valia é plenamente efetivada..

Há quem considere essa brutal contradição econômica como normal e foi baseado nessa lógica perversa que os colonizadores se lançaram sobre as civilizações autóctones, para escraviza-las, acultura-las, descaracteriza-las, dizima-las   e leva-las à quase extinção. São muitos os exemplos como:

Maias, Astecas, Incas, Apaches, Sioxs, Potiguaras, Tabajaras, Xavantes e outras nações que preferiram a morte à submissão.

Não satisfeitos foram a África e de lá trouxeram navios e mais navios empilhados de africanos com o fito de escravizá-los para lança-los nas senzalas na mais cruel  e desumana iniquidade e a brutal  escravidão.

Por fim e diante de tudo quanto foi exposto, não é difícil entender a serviço de quem está a economia de um modo geral e de modo particular no Brasil. Basta olhar o Plano Plurianual – PPA  e as sucessivas Leis Orçamentárias – LOAs  anuais  nas suas execuções e verificar na pratica como é tratado o capital que consome autofagicamente mais da metade do orçamento e o trabalho que a custa de muita pressão tem de se contentar com a sobra e só  consegue migalhas.O capitalismo é um jogo aritmético onde só existe adição e multiplicação.

Consulta: Jornal Sul21
                UOL
         Minuto Cultural
         Scielo
Relacionados

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Absolutismo á Brasileira em Pleno no Século 21

O absolutismo foi um sistema de governo político e econômico, adotado na Europa entre os séculos XVI e XVIII, na fase transitória entre o...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

2 COMENTÁRIOS

  1. Citando o texto "os direitos do capital nada mais são do que os direitos do trabalho usurpado". Tambem a expressão: quem gera a riqueza não é o dinheiro e sim a força do trabalho. Vejamos o seguinte: estamos assistindo a quê além das mortes por covid? demissão em massa do trabalhador ou submissão ao trabalho com risco da própria vida e da sua familia para não perder o emprego. São muitos questionamentos que o texto muito bem elaborado partindo do enriquecimento escandaloso de 11 grupos econômicos , nos faz entender e questionar: será que o trabalhdor, o pobre, estaria na condição de miséria e fome que estamos assistindo se soubesse do valor ou seja da mais valia da força do seu trabalho? Se o operário, o trabalhador tivesse esse nivel de consciência, com certeza não estaríamos assistindo tamanha discrepância: acumulação de capital numa calamidade em que, quem não submergir pela doença vai LITERALMENTE MORRER DE FOME. Qual o nosso papel? Com certeza nao podemos cruzar os braços pois com TODA certeza seremos cobrados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...