fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Anita Machado O Jambeiro que compõe história de uma vida

O Jambeiro que compõe história de uma vida

Final de tarde após um dia de sol escaldante em pleno mês de abril, abro a janela do meu quarto e passo a admirar quase numa oração de agradecimento o verde exuberante e a imponência do talhe do velho jambeiro plantado há quarenta anos no jardim em frente a nossa casa, por Mundica a nossa irmã mais velha.

Nascida e criada no sertão, habituada a cuidar, plantar, proteger, chegando à cidade grande onde é voraz e intenso o apetite de destruir o meio ambiente. A minha irmã Mundica que morava comigo, ficou desapontada com tanto descaso, porém não desistiu de procurar o verde e a ele se dedicar, cultivando no pequeno jardim várias espécies de folhagens e flores: bogaris, roseiras, jasmins além de plantas medicinais. Pedindo mudas aos vizinhos, arrancando-as das praças e jardins de modo que logo ficamos cercados de flores e cheiros.

Mesmo assim ela  ainda sentia falta das sombras das árvores, dos encantos da floresta que deixara para traz, de modo que plantar uma árvore no pequeno espaço do jardim tornou-se para ela a realização de  um sonho, quase uma ideia fixa a qual eu não dava importância nenhuma e até procurava dissuadi-la de realizar.

Mundica continuava insistindo tenazmente,  no seu projeto de plantar uma grande árvore, mostrando várias benesses que ela podia nos trazer,  sendo principal delas a de nos proteger do calor do verão visto ser a casa voltada para o sol poente. Ela nos  lembrava  sempre que seria tão somente nós a nos beneficiar, uma vez que com a saúde frágil ela não participaria desse privilégio. Realmente ela faleceu menos de dois anos depois de plantar um arbusto que viria a se transformar numa árvore frondosa que hoje cobre a nossa casa de sombra, da abrigo a bandos de rolinhas, a um casal de bem-te-vis e outras árvores peregrinas que enchem a nossa rua com a beleza dos seus cantos.

O jambo não é uma árvore nativa. Veio do oriente dizem uns que da Índia outros dizem da Malásia. Mas o que importa para nós é que Mundica o plantou para ele nos desse   sombra e nas suas floradas  estendesse o tapete rosa de suas flores na entrada da nossa casa. Dias atrás sentada no banco do jardim, desfrutando  da sua sombra e ouvindo o canto do bem-te-vi pousado em seus galhos, pensei: por que não colocar armadores e  numa rede me  deitar para ouvir a passarada e  deixar-me  cobrir de flores, folhas até mesmo dos frutos dessa árvore sagrada? “pode ser nada, mas faz bem”.

Não vou, portanto, me reportar aos cuidados, aos contratempos das flores secas que caem, das raízes que quebram o piso, da implicância de alguns vizinhos que se incomodam com a “sujeira” das folhas secas que sujam, por entender que isso é nada frente ao que meu vetusto jambeiro nos dá. Quero dizer somente que o jambeiro é uma árvore linda e  amiga principalmente das crianças às quais  oferece seus apetitosos frutos de um lindo e macio colorido grená.

Somos gratos a mãe natureza pela dádiva de uma única árvore que nos comprometemos a proteger e preservar e  por todos os  benefícios que ela nos traz, inclusive espiritual. Enquanto isso  assistimos estupefatos a destruição da floresta Amazônica cruelmente decepada e arrasada pelos motosserras, convertida em milhares de troncos para comercialização usurária, igualmente a vegetação do pantanal transformada em cinza, numa nação desgovernada por quem não tem o mínimo de sensibilidade, conhecimento e capacidade de gestão. Pelo contrário participa da destruição.

Mundica se no seu descanso por acaso olhares para o mundo, procura ver somente as árvores frondosas em cujos ramos as aves cantam hinos de esperança pela sobrevivência da mãe natureza nesta pátria desgovernada.

Faço uma pausa nas lembranças com a música a seguir.

Relacionados

O deserto não é só aridez: a Fertilidade do deserto existe

  No início do ano de 1993 eu tive que me deslocar para São Paulo a fim de retirar um nódulo no fígado, uma cirurgia...

Anita Machado

 

11 COMENTÁRIOS

  1. Amiga, emocionada e feliz li seu belo e saudoso artigo. Todas as palavras estão carregadas de amor, saudade e beleza. Tenho o mesmo sentimento em relação ao meio ambiente, o desacaso, ou melhor o pouco caso do homem com a natureza e tudo em nome do ter e do poder, esquecendo a temporalidade da vida e o valor da essência. Louvo a Deus por saber que existiu uma pessoa como Mundica e existe pessoa como você. Parabéns! Sua escrita encheu o meu peito de alegria e esperança. Aguardarei o próximo.

  2. Que lindo artigo, minha mãe. Fiquei muito emocionada com a história do jambeiro que permeia nossa história de família. Muito belo falar da relação de minha tia Mundica( a quem carinhosamente chamava de Bica)e o nosso pequeno jardim que, a partir de seus cuidados paisagísticos, ganhava o colorido das rosas e flores. Lembro muito bem da alegria dela quando plantou o jambeiro e os cuidados iniciais para que o plantio fosse bem sucedido e o "pé de jambo pegasse". Bela história da nossa Rua Potengi. Agradecimento ao meu Tio João Vicente, pelo estímulo para que mamãe escrevesse suas belas histórias,e a Gorete, pela edição carinhosas com cenas tão sacras de nossa família. Vejo que se revela uma articulista de ponta, Anita Machado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...