fbpx
29.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto Licença que eu vou rodar no carrossel do destino

Licença que eu vou rodar no carrossel do destino

Desde a colonização até os nossos dias o Nordeste brasileiro sempre rodou o carrossel do destino, e sem pedir licença a ninguém resistiu e reagiu bravamente aos desmandos dos governos que abusam e exploram o povo em obediência a uma “elite” que mamando nas tetas da nação gozam de privilégios e nunca abrindo  mão de nada, sempre deixando a conta para o povo pagar.

Assim como a terra na sua maioria seca, árida e calcinada o nosso povo aprendeu a ser forte e resistente como o solo que pisa. A nossa cultura sempre foi, e, continua sendo a nossa mais poderosa arma.  A brincadeira, a religiosidade, a dança e a música andam de mãos dadas como forma de luta e resistência em tempos obscuros. As manifestações culturais reagem e protagonizam de forma criativa, inteligente e avassaladora em defesa do que já foi construído até aqui para reverter aquilo que estão tentando destruir.  

Chegando devagarinho com a sua ginga mansa, vestido de gibão de couro e chapéu de palha, Antônio Nóbrega deu as mãos e fez a ciranda girar, mergulhando numa onda que vai e noutra que vem, a grande roda cultural arrastou artistas e republicanos para a reconstrução das forças populares e o fortalecimento da democracia proposta pela sua sedutora e animada ciranda. Nela ele reuniu todos contra o ódio e a tirania, porque de mãos dadas a corrente não se parte e ninguém solta à mão de ninguém.

Dizendo tudo que pensa e cantando porque sabe, sua voz não silencia porque poeta não cala. Sua poesia é arma e munição, é antídoto nesse tempo difícil de escuridão e de opressão, sua poesia é clarão de alvorada que abre o peito e não cala, na sonoridade da rima vai embolando e rimando na bola da embolada, a sua voz não silencia, porque poeta não cala.

Foi tangendo devagar a boiada das ideias passando e resistindo tudo o que o coração sente, combatendo este mundo daqui selva com lei de cassino, renasceu outra vez  menino para fazer versos pequeninos e que mereceram ficar. E pedindo licença rodou o carrossel do destino.

Em comemoração ao Centenário do Frevo, Antônio Nóbrega abaixou a guarda e ergueu a batuta regeu e ocupou com maestria os palcos do Brasil e as ruas de Olinda, mostrando que a vida é boa e sem pressa botou fogo no salão, montou no galo da madrugada e saiu com mais de cem e para não sair do compasso os foliões caíram no passo e arrastaram multidões. 

Depois que os mares dividiram os continentes se pôde ver terras diferentes e um novo mundo surgiu. Antônio Nóbrega falou de Pernambuco para o mundo, fez do seu cantar o seu tesouro e com seu gogó de ouro fez toda gente vibrar. A Festa da Padroeira, as cantigas de roda, foi despedida do seu mundo de menino que como cocada fina apurou seu linguajar. 

Fez da poesia sua arma, do canto sua espada e da rima uma toada para quem sabe acompanhar. E lá vem ele brincando com a rima, é pernambucano, é brasileiro, é nordestino é faca de bainha para todo mal arrancar. No palco pula, dança e faz modinha arruma uma ciranda rapidinha para o povo se alegrar. 

O hino de guerra de Antônio Nóbrega é Pataxó, é Xavante, é Cariri, é indígena brasileiro dessa terra Brasil. É da senzala, dos terreiros e da floresta, é do sertão e da serra é o grito nacional. Vem minha gente vem dançar nesta ciranda, vem balançar na rede, vem cantar essa embolada e a sua voz não silencia, porque poeta não cala.

“E se aqui estamos é pra dizer bem alto que a injustiça dói. Nós somos madeira de lei que cupim não rói.” 

                                          

                                           

                                       A CULTURA É NOSSA ARMA

Artigo anteriorO Arquiteto do Samba
Próximo artigoUrban Jungle
Relacionados

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Ainda vai levar um tempo

A vida passa lentamente E a gente vai tão de repente Tão de repente que não sente Saudades do que já passou. (Nelson Mota, 1981). Depois de 20...

7 COMENTÁRIOS

  1. Estou enebriada com tamanha emoção. Tive o prazer de conhecer Antonio Nóbrega, na década de 90, em Belo Horizonte, no programa "Arrumação", de Saulo Laranjeira. Desde então acompanho sua trajetória. Ele é único em sua versatilidade e genialidade poética "versativa". Um deleite em dias de pandemia. É um espetáculo, que retrata um Nordeste vivido e revisitado pelo poeta, que nos emociona, embala e apresenta a verdade do nordestino. Parabéns Cristina pelo texto e gratidão por nos apresentar esta "lindura". 👏🏿👏🏿

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...