fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto Divina Comédia Humana onde nada é eterno

Divina Comédia Humana onde nada é eterno

                                                     Minha Pátria é a língua portuguesa (Fernando Pessoa ).

Utilizando os recursos da Língua Portuguesa, o cearense Belchior, recitou, cantou e escreveu em letras grandes pelos muros do país protestos contra os abusos e os desmandos do regime autoritário e repressor, no qual, o Brasil foi submetido por longos 20 anos. O Regime Militar enterrou o sonho de liberdade de toda uma geração.  Inquieto, largou a Medicina botou o pé na estrada e preferiu andar sozinho, decidiu sua vida e foi em busca do sol, lá onde bate seu  coração. Fez da felicidade sua arma quente, porque, o tempo mexeu com seu sonho e seu modo de viver.

Sentou a beira do caminho pra pedir carona e falou a mulher companheira de tudo que lhe aconteceu e viveu, pois, viver é melhor que sonhar. Deixou a profundidade de lado e colou na pele dela noite e dia vivendo a paixão e morando na filosofia. E foi filosofando que ouviu as estrelas da Via-Láctea de Castro Alves dentro do seu coração selvagem e com pressa de viver, de viver um amor frágil como um beijo de novela. Novidade nos primeiros anos de 1970 onde o tempo estava em plena liquidez.

Belchior não estava interessado em nada que viesse de fora; ele não queria saber de nenhuma teoria, nem nas coisas do oriente, nem de romances astrais, a sua alucinação era suportar o dia a dia vendo a internacionalização da cultura tomando conta do país e da juventude ao som do blue e do rock and roll, vestidos de jeans, comendo hot dog, as garotas eram chamadas de girls e a namoradinha baby. As telas de cinema exibiam o clássico hollywoodiano, Laranja Mecânica, filme com cenas e imagens violentas e perturbadoras para comentar a psiquiatria e a delinquência juvenil num tom profético de terror para aquele começo de década. Para ele, o melhor seria amar e mudar as coisas lhe interessava mais.

Guiado pela obra de Caetano Veloso em cada esquina que passava nada era divino, nada era maravilhoso, nada era secreto e nem misterioso, e o sol não era tão bonito para quem veio do Norte e acabou morando na rua. As noites frias ensinou o cearense a amar mais o seu dia e na dor ele descobriu o poder da alegria, e apesar das dificuldades e do sofrimento teve a certeza que ainda tinha coisas novas pra dizer. Sua história era comum, igual à de outros jovens da  sua época que veio do norte viver uma aventura e no sul acabou vivendo na rua; ficou desnorteado, ficou desapontado coisa comum no seu tempo ficar apaixonado e violento como todos naquele momento de dificuldade, repressão e censura.

Chegou o tempo negro e a força fez com Belchior o mal que a força sempre faz, não sentiu felicidade, mas não ficou mudo e desesperadamente gritou em Português: tenho vinte e cinco anos de sonho e de sangue e por viver na América do Sul preferiu um tango argentino em vez de um blue, valorizando a cultura do nosso continente.  Descobriu que seu canto torto era faca de corte para cortar e entranhar na carne daqueles que viviam alienados com suas feridas vivas, feridas do coração, impregnadas nas paredes da memória num quadro doloroso e lamentoso de aparências que não consegue enganar ninguém.

Sua trajetória de luta pela conscientização da cultura, da política e das artes acabou revelando o lado inseguro e obscuro do artista. Estava mais angustiado que um goleiro na hora do gol, porque, chegou a hora de entrar no avião, e nele descobriu os muitos medos que habitavam o sertão da sua solidão, e ao adentrar apertou o botão e descobriu a cidade morta indicada pela placa torta da contramão da vida, e nos desvãos escuros da sua mente deparou-se com os fantasmas escondidos no porão do seu inconsciente. Medo…medo….isso não é segredo….

A juventude de Belchior passou tão rapidamente que ele mesmo nem percebeu, até parece que foi ontem, viveu um grande conflito de geração (eles venceram e o sinal está fechado pra nós que somos jovens), período de opressão e luta pela liberdade (para abraçar seu irmão e beijar sua menina na rua), tentando compreender os conceitos vigentes e enfrentando preconceitos coisas que ele nunca entendeu bem, quando a mulher que amava não pode lhe seguir, porque, esse negócio de família e de dinheiro eu nunca entendi bem.

Apegado ao passado que não volta mais (nossos ídolos são os mesmos), embora entendendo que no presente a mente, o corpo é diferente, e o passado é uma roupa que não nos serve mais, sofre e se conscientiza que apesar de termos feito tudo, tudo que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como nossos pais. 

 

 

                                A LÍNGUA PORTUGUESA É NOSSA ARMA.

Relacionados

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Ainda vai levar um tempo

A vida passa lentamente E a gente vai tão de repente Tão de repente que não sente Saudades do que já passou. (Nelson Mota, 1981). Depois de 20...

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...