fbpx
25.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto Os cabras dos coronéis: Era assim o Nordeste Brasileiro.

Os cabras dos coronéis: Era assim o Nordeste Brasileiro.

 

Em todo o Nordeste brasileiro, em particular, no Cariri cearense, o século XVIII se singularizou pela luta em defesa da propriedade. O poderio do Bacamarte acabou gerando o famigerado Império do Bacamarte, no território dos coronéis tudo era resolvido pela força das armas. O fazendeiro e senhores de engenho viviam na casa grande cercados de “cabras[i]” que guardavam a propriedade e o  dono. “Em cada recanto, em cada estaca tinha um homem armado até os dentes.”

No sertão, as famílias poderosas travavam verdadeiras guerras pelas concessões de sesmarias e terras devolutas próprias para lavoura e criação. De posse das terras o senhor rural alargava seu papel de proprietário, influentes pelo dinheiro e posição decidiam tudo pela força das armas, deformando a ação do Estado. Naquela época era comum se ver os bandos armados sob a liderança de um coronel percorrer serras e vales cometendo todo tipo de atrocidades.

Na sociedade sertaneja os laços de sangue raramente se dissolviam, a ofensa a um membro atingia o clã inteiro, mexer com um mexia com todos, era um verdadeiro vespeiro, tudo era tratado a ferro e fogo, não existia condescendência e nem perdão. Matou, morreu.  Cada família lutava até as ultimas consequências para conservar a sua ascendência e descendência. Não havia tolerância nas manifestações de independência dos agregados e trabalhadores.

A discriminação social era uma prática natural. As famílias brancas detinham o poder sobre os mestiços e indígenas. Os brancos formavam a classe dominante e só ela ocupava cargos públicos e seus filhos eram admitidos nos Seminários.

Dois fatores contribuíram para os deslocamentos das populações sertanejas: a seca e abolição da escravatura. Grandes contingentes de colonos e escravos ao deixarem as terras se reuniam em povoações integrando a plebe das cidades e vilas sertanejas, enquanto outros permaneciam nas fazendas como agregados, sem remuneração financeira, trabalhavam em troca de alimentos e vestimentas se contentando com as sobras do seu patrão.  Eram verdadeiros escravos.

A prática dos coronéis em manterem malfeitores para a defesa de sua propriedade acabou fugindo do seu controle. Dentro e fora da casa grande os destinos da região e dos seus habitantes eram decididos segundo a sua vontade.  Donos de tudo e de todos, até mesmo o Estado se ligava intrinsicamente a eles.

Sem proteção e entregues a miséria econômica, o trabalhador rural se concentrava ao redor da casa grande, vivendo das migalhas e obedecendo sem discrepâncias as ordens do coronel.  E ai daquele que desobedesse a uma ordem, isso acarretaria punições severas. Ser leal ao patrão era motivo de orgulho e de promoção para “um cabra”, era uma demonstração de confiança, competência, habilidade e fidelidade. Ficavam famosos e conhecidos como “os cabras bons do coronel” que estavam sempre prontos para defender o patrão ou executar lhe serviços de quaisquer naturezas contra inimigos particulares ou desafetos políticos. 

A Justiça era sempre a favor do coronel, nenhum juiz ousava condená-lo, ou era transferido de Comarca ou pagava com a própria vida. Muitas são as histórias envolvendo promotores e juízes que tentaram aplicar a Lei dos livros, e foram desmoralizados, pois, o que valia era a Lei dos grandes proprietários.  É do conhecimento de todos os muitos processos queimados dentro dos cartórios para não incriminarem o coronel, algum familiar ou protegido dele. O manto poderoso dos grandes proprietários, ricos fazendeiros e prestigiosos coronéis se estendia paternalmente para afastar de todo mal e qualquer dificuldade. Era ele o senhor absoluto de toda administração pública: prefeito, padre, juiz, promotor, delegado e soldados viviam a sua disposição. Nada acontecia sem o conhecimento e a conivência dele.

Esses foram os moldes que formaram a sociedade sertaneja. O estímulo de viver contra a lei acabou instigando os menos abastados a pegar em armas e protestar contra as injustiças e a ordem social vigente no Sertão daquela época. A revolta contra a violação de seus direitos motivou a muitos caírem na bandidagem, formando grupos e subgrupos de facínoras espalhando terror e violência nas vilas, povoações e propriedades, impondo o poder pela força da brutalidade com novas denominações e práticas. Assim surgiram os cangaceiros, os jagunços e os pistoleiros. E o Sertão entregue ao Deus dará.

Os cantadores de viola e repentistas Valdir Teles ( in memoriam) e Sebastião da Silva, receberam,  numa das cantorias que fizeram, um mote interessante, que tem muita identidade com o artigo. Glosaram em dez versos.  


  

 

 

 Fotos:manaira.net

 Aventuras na História

  Cangaço

 



[i]. Homens que lidavam na lavoura, no engenho e nos serviços da casa grande, mas pegavam em armas quando precisava defender a propriedade e seu proprietário.

Relacionados

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Ainda vai levar um tempo

A vida passa lentamente E a gente vai tão de repente Tão de repente que não sente Saudades do que já passou. (Nelson Mota, 1981). Depois de 20...

5 COMENTÁRIOS

  1. Fantástico artigo da colega Cristina Couto: Coronéis: Era assim o Nordeste Brasileiro. Uma aula sobre nossa história dos tempos dos coronéis e do cangaço. E para concluir belíssimos cantatas de nossos trovadores nordestinos Valdir Teles e Sebastião da Silva,

  2. O artigo da historiadora Cristina Couto nos dá uma amostra dacszga do coronelismo reinante no início do século XX.
    Na época existiam os cangaçeiros que foram movidos por vingança como foi o caso de Sebastião Pereira e Luís Padre, e haviam aqueles que começaram por vingança e depois se transformaram em Hobin Hood saqueando e repartindo.
    No meu entender a questão de fundo era mesmo de ordem sociológica, e o cangaço acabava sendo filho da exploração.
    O tema é polêmico e o texto foi oportuno. Parabéns Cristina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...