fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Flavio Ramalho de Brito O campeão dos eternos carnavais

O campeão dos eternos carnavais

 Em 1950, o Brasil sediava a Copa do Mundo de Futebol. No Rio de Janeiro, fora construído, às pressas, o estádio do Maracanã, onde foram disputadas as principais partidas do torneio e que passava a ser o maior estádio do mundo. Ao chegar aos jogos semifinais, o Brasil despontava como favorito para conquistar a Copa. Na última partida, antes de disputar o quadrangular decisivo, o time do Brasil goleara a Suíça por 7×1. No dia 13 de julho, a seleção brasileira entrou em campo para disputar, com a Espanha, o direito de participar da final da competição. 

Embora o time da Espanha estivesse, até então, invicto no torneio, ao final da primeira etapa do jogo, o Brasil já ganhava por 3×0. No decorrer do segundo tempo os brasileiros ampliariam a vantagem, que chegaria ao placar final de 6×1. O escritor Antônio Olinto narrou, no dia seguinte ao jogo, em crônica publicada no “Jornal dos Sports”, o que aconteceu no Maracanã.

“Os lenços transformaram o estádio num fundo inimaginável para a exibição dos brasileiros. Mas os lenços não chegavam. Algo de novo tinha que ser inventado para coroar a vitória […] foi então que o carioca fez a sua obra-prima. Ressuscitou, de um carnaval de muitos anos atrás o hino da vitória. Aos poucos, daqui, dali, dos lábios de uma mulher, dos lábios de uma criança, de todos os pontos do estádio, surgiu a marcha ‘Touradas em Madri’”.  

Para o pesquisador Jairo Severiano, aquele coro de quase 150 mil vozes no estádio transformou-se “numa das maiores demonstrações de canto coletivo que se tem notícia até hoje”. Uma das pessoas presentes ao Maracanã naquele dia conta o episódio: “Eu estava lá, e, lamentavelmente, não pude participar do coral. A emoção não deixou”. O que era compreensível: era o autor da marchinha “Touradas em Madri”, Carlos Alberto Ferreira Braga, o Braguinha, o “João de Barro”, um dos maiores compositores da nossa música popular. 

“Eu fui às touradas em Madri / Parará-tim-pum-pum-pum / Parará-tim-pum-pum-pum / E…quase não volto mais aqui  […] Eu conheci uma espanhola / Natural da Catalu…unhá / Queria que eu tocasse castanhola / E pegasse o touro à u…unhá / Caramba… / Caracoles… / Sou do samba / Não me amoles / Pro Brasil eu fugir / Que isso é conversa mole / Para boi dormir […]

Infelizmente, o espetacular desempenho da seleção brasileira contra a Espanha, embalada pelos gritos de “olés” e pelo coro de “Touradas em Madri” cantado pela torcida presente ao Maracanã, viria causar nos brasileiros um clima de tal soberba e de antecipada vitória na final do campeonato que resultaria, poucos dias depois, em uma das maiores derrotas do esporte nacional, a perda da Copa do Mundo para os uruguaios.

 Braguinha teve uma vida longa. Quando morreu, na véspera do Natal de 2006, com quase 100 anos, era um dos últimos remanescentes da chamada “Época de Ouro” da música popular brasileira. Iniciara cedo, nos tempos de colégio, a sua carreira musical. Depois, fez parte do “Bando dos Tangarás”, um grupo vocal e instrumental que tinha entre os seus componentes duas figuras que viriam a ter grande destaque na música popular do Brasil, Noel Rosa e Almirante. Inicialmente, cada um dos “Tangarás” se autodesignou com o nome artístico de um pássaro. Mas, somente vingou o apelido de Braguinha, “João de Barro”, escolhido talvez em razão do curso de arquitetura que ele, então, fazia.

 

Embora tenha gravado alguns discos interpretando composições suas (com o nome de Carlos Braga), com o acompanhamento do “Bando dos Tangarás”, Braguinha logo desistiu da carreira de cantor, o que fez também com o curso de arquitetura, abandonado no segundo ano. Começou a se dedicar mais intensamente à composição e a se envolver diretamente com o ambiente da música. Em 1933, João de Barro conseguiu o seu primeiro grande êxito em um carnaval, com a marchinha “Moreninha da praia”.

Durante a década de 1920, o samba e a marcha haviam despontado como gêneros ligados ao carnaval do Rio de Janeiro. Contemporaneamente ao surgimento do samba, de raízes africanas e originário das camadas mais pobres da população, apareceu a marchinha de carnaval carioca. Segundo o pesquisador José Ramos Tinhorão, a marchinha foi criada para atender à classe média, mais afeita à tradição melódica europeia do que à “complicação rítmica” herdada dos batuques africanos.

Nas décadas de 1930 e 1940, as músicas para o período carnavalesco atingiram tanta importância que a indústria fonográfica brasileira dividia a produção musical em dois tipos: a “música de carnaval” e a “música de meio de ano” (o que correspondia a tudo o que não era para o carnaval). 

Para que a marchinha se fixasse como gênero musical identificável, dois compositores se sobressaíram: Lamartine Babo e Braguinha. Os dois foram parceiros em apenas duas músicas (“Cantores do Rádio” e “Uma andorinha não faz verão”), mas ganharam, em vários anos, com parceiros diferentes, vários concursos de músicas para o carnaval. 

 

No Rio de Janeiro, os concursos que eram promovidos pela Prefeitura do então chamado Distrito Federal para a escolha das melhores músicas para o carnaval eram acontecimentos que movimentavam a vida da cidade. Essa importância pode ser avaliada pelo fato de que, durante o período da ditadura do Estado Novo, os concursos passaram a ser organizados pelo poderoso DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), órgão que Getúlio Vargas havia criado para monitorar a imprensa e todas as manifestações culturais do país. I

Nos anos de destaque da “música de carnaval”, Braguinha foi o grande campeão desses concursos, chegando a vencê-los em três anos consecutivos. Em 1938, venceu com “Touradas em Madri”. A música foi, depois, desclassificada sob a alegação de que não era uma marcha típica. Feito novo julgamento, Braguinha ganhou novamente, com a magnífica marcha-rancho “As Pastorinhas”, que ele havia composto com Noel Rosa.

“A estrela d’alva no céu desponta

E a lua anda tonta

Com tamanho esplendor

E as pastorinhas

Pra consolo da lua

Vão cantando na rua

Lindos versos de amor”

Entre as mais conhecidas marchinhas de Braguinha podem ser incluídas “Vai com jeito vai”, “Chiquita Bacana”, “Yes nós temos bananas”, “Balancê”, “Pirata da Perna de Pau”, “Tem gato na Tuba”, “Lourinha”, a maioria delas tendo como o seu mais constante parceiro o médico e compositor Alberto Ribeiro. 

As letras das marchinhas de Braguinha tinham, às vezes, toques de malícia, apropriados para o carnaval, mas sem nunca resvalar para a vulgaridade, como a letra de “Vai com jeito vai”, composta em um tempo em que a Barra da Tijuca era ainda pouco habitada.

“Se alguém lhe convidar

Pra tomar banho em Paquetá

Pra piquenique na Barra da Tijuca

Ou pra fazer um programa no Joá

Vai, com jeito vai

Senão um dia

A casa cai, Menina”

“Vai com jeito vai”

Braguinha, também, se destacou no gênero marcha-rancho, uma espécie mais lenta da marchinha convencional, com letras ternas e românticas. Ele é coautor de dois dos maiores clássicos do gênero: “As Pastorinhas” (com Noel Rosa) e “Dama das Camélias” (com Alcir Pires Vermelho). Composta há mais de 80 anos, “Dama das Camélias” continua fazendo parte do repertório dos nossos principais intérpretes. Caetano Veloso a incluiu no seu histórico show “Omaggio a Federico e Giulietta” que ele fez, em 1999, homenageando Federico Fellini e Giulietta Masina, no Teatro Nuovo, em San Marino.

Mas, Braguinha não se limitou a compor apenas marchas para o carnaval. Compôs várias músicas para a época junina, como “Capelinha de Melão” e a eterna “Noites de Junho”, que teve uma marcante regravação feita pela cantora paraibana Elba Ramalho.

João de Barro se utilizou de diversas formas musicais para compor, sempre produzindo grandes canções. Sambas, como “Onde o céu azul é mais azul”, toadas, como “A saudade mata a gente”. E, com o surgimento do samba-canção, fez alguns dos melhores exemplos do gênero, como “Laura” e “Copacabana”, em que exaltou, primorosamente, a praia carioca, a “Princesinha do Mar”, como diz a letra da música. 

Braguinha também fez versões para o português de sucessos internacionais, que ficaram famosas, como a do bolero cubano “Aquellos Ojos Verdes” e “Sorri” (“Smile”), do filme “Tempos Modernos”, de Charles Chaplin.  Em outro filme de Chaplin, “Luzes da Ribalta” (“Limelight”), ele criou uma letra sobre um tema instrumental, produzindo uma canção que até hoje é executada. 

“Vidas que se acabam a sorrir

Luzes que se apagam, nada mais

É sonhar em vão

Tentar aos outros iludir

Se o que se foi

Pra nós não voltará jamais”

Maria Bethânia – “Luzes da Ribalta”

Braguinha também enveredou pelo cinema, como roteirista, assistente de direção e compondo as músicas para vários filmes, a exemplo de “Alô alô Carnaval”

A experiência no cinema fez com que João de Barro fosse contratado por Walt Disney para dirigir a dublagem e fazer a versão brasileira das músicas do filme “Branca de Neve e os sete anões”, o primeiro desenho animado em longa metragem que foi feito no mundo. As versões de Braguinha para as canções do filme, como “Eu vou” (“Heigh ho”), ficaram na memória de várias gerações de brasileiros.

Outros filmes de Walt Disney tiveram, também, a dublagem brasileira conduzida por Braguinha, como “Dumbo”, Pinóquio” e “Bambi”. 

A prática adquirida na dublagem dos filmes da Disney fez com que Braguinha, como diretor de uma gravadora, tivesse a ideia de lançar uma coleção “Disquinhos para Crianças”, com conhecidas histórias infantis musicadas. Levantamento feito em meados da década de 1979 indicava que esses disquinhos haviam vendido, até aquela época, cerca de 5 milhões de cópias. Muitas dessas canções feitas por Braguinha para essas historinhas permanecem sendo cantadas pelas crianças até hoje, como é o caso de “Pela estrada afora”, de “Chapeuzinho Vermelho”. 

Braguinha teve destacada participação como diretor artístico de gravadoras, dando oportunidade ao surgimento de novos talentos, como foi o caso do cavaquinista Waldir Azevedo, que foi levado por ele para fazer a sua primeira gravação, o choro “Brasileirinho”. João de Barro exerceu, também, importante papel na defesa dos direitos dos autores de músicas, tendo sido um dos fundadores da UBC (União Brasileira de Compositores).

No período final da sua vida, Braguinha foi objeto de várias homenagens, sendo a mais destacada a realizada, em 1984, quando da inauguração do Sambódromo, no Rio de Janeiro. A Mangueira foi a campeã do desfile das Escolas de Samba daquele ano com o enredo “Yes nós temos Braguinha”, tendo o compositor participado do desfile em um carro alegórico. Em 1997, Braguinha recebeu do Presidente Fernando Henrique Cardoso, a comenda da “Ordem de Mérito Cultural”.

Mesmo se não tivesse construído a sua grandiosa obra, só por uma única composição Braguinha mereceria lugar de destaque no panteão dos nossos maiores compositores populares.

Em meados dos anos 1920, Pixinguinha havia feito um choro, composto apenas de duas partes. Como os choros mais reputados pelos chorões têm três partes, Pixinguinha desprezou a música. Anos depois, resolveu gravá-la. Fez duas gravações do choro, mas sem qualquer repercussão. 

Em 1936, a cantora Heloísa Helena procurou Braguinha pedindo uma música inédita para ela cantar em uma apresentação beneficente promovida pela esposa do Presidente Getúlio Vargas. Braguinha se lembrou daquele choro de Pixinguinha e o procurou para pedir a autorização para colocar uma letra na música. A canção foi gravada, no ano seguinte, pelo cantor Orlando Silva, com um arranjo e o piano do maestro Radamés Gnatalli e a flauta de Pixinguinha. Com o toque mágico dos versos que foram colocados na canção por Braguinha surgiu o que é considerado, por muitos, o hino nacional popular do Brasil, o choro “Carinhoso”.

“Meu coração, não sei por que

Bate feliz quando te vê

E os meus olhos ficam sorrindo

E pelas ruas vão te seguindo

Mas mesmo assim, foges de mim” 

Relacionados

O cearense que engarrafava brumas

Na música popular são muito comuns as parcerias na elaboração de canções. Nas composições feitas por mais de um autor as contribuições dos parceiros...

O Poeta da alma dos sertões

Desde muito jovem, aquele caboclo alto, com voz grave, se destacara como poeta na região que envolvia os municípios de Sumé, Prata, Ouro Velho...

O primeiro inventor da Paraíba

Quando o escritor português José Saramago lançou o “Memorial do Convento”, um dos seus livros mais elogiados, muitos leitores se depararam pela primeira vez...

3 COMENTÁRIOS

  1. A década de 1950 foi mesmo a época de ouro do Brasil. As composições de Braguinha foram executadas nos carnavais de todo o país. Aqui em Lavras da Mangabeira, enquanto existiu bailes carnavalescos e blocos nas ruas a música desse grande compositor arrastou o povo e fez a folia. Infelizmente, a cultura de massa sufocou nossa tradição. Felizmente, temos Flávio Ramalho para nos contar a história e disparar o gatilho da memória. Parabéns!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...