fbpx
29.1 C
João Pessoa
Início O REI ESTA NÚ?
Array

O REI ESTA NÚ?

 

Por: João Vicente Machado

A Operação Lava Jato, que teve início em 17/03/2014, surgiu cercada de esperanças de que havíamos chegado a novos tempos de lisura e zelo pela coisa pública, com o tão sonhado fim da impunidade,  diferencial entre os países mais e menos austeros, já que corrupção é uma prática endêmica universal.

Há versões de que o epicentro de operação ficou sediado no Paraná por manobra do então Juiz da 13° Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro e do Ministério Publico Federal

À 13° vara de Curitiba com  todo o  empoderamento que lhe foi conferido,  recebeu o nome pomposo de  República do Paraná, que lhe foi conferido pela verve popular.

  

Daltan Dallagnol        e             Sergio Moro   

As apurações de práticas presumivelmente criminosas, como é de praxe no rito processual, são sempre iniciadas pelo  inquérito policial, a cargo da Polícia Civil ou   Federal e encaminhado à posteriore para o Ministério Publico, Estadual ou  Federal,  que de oficio instrui o processo fazendo juntada de documentos probatórios, o resumo das oitivas realizadas, encaminhando por fim  o feito para a esfera de justiça competente  para apreciação e julgamento.

Esse é, ou deve ser, o caminho  a ser palmilhado por um processo, sem o uso de gincanas e desvios, atalhos ou veredas que lhe encurtem o trajeto, em prejuízo do amplo direito de defesa e do direito ao  contraditório.

Infelizmente todos sabem que não foi isso que aconteceu com a operação Lava Jatos, sob a responsabilidade do Juiz Sérgio Moro, que  acendeu todos  os holofotes  da ribalta,  entrou no palco e como a estrela do espetáculo, como que a representar uma peça adredemente ensaiada, esquecendo a sua condição de magistrado, cercado de atores coadjuvantes, todos eles sequiosos por luzes, tal qual  mariposas esfuziantes, como aquelas da narrativa do trágico conto de Romeu e Julieta de Shakespeare, em que “a história da sedução do inseto pela lâmpada é de atração fatal.” 

A atração das mariposas pela luz

As diligências da Operação  Lava Jatos, se transformaram  em cortejos matutinos que estranhamente eram de conhecimento da imprensa oficial e faziam a festa das milícias digitais, numa espetacularização repetida a cada diligência.

Sérgio Moro foi virando “herói” e assumindo  uma postura disfarçada que hoje entendemos, muito suspeita, em que o alvo de fato, parecia ser  o desmonte do estado nacional e todo obstáculo  a essa meta por parte de quem quer que lhe  parecesse  empecilho, como foi o caso de Lula.

Estranhamente e, de tempos em tempos ele viajava para os estados Unidos onde chegou a ser homenageado algumas vezes e, segundo comentam, aproveitava para receber   instruções, que seriam passadas pela CIA, sob a batuta de Donald Trump.

A partir do ano de 2017, quando já surfava no “sucesso” da Lava Jato, foi homenageado pela  Universidade de Notre Dame, por “liderar movimento anticorrupção”. Em maio de 2018, foi saudado em Nova York como “herói nacional” entre outros lauréis e homenagens recebidas que foram inflando o ego de Moro, que a cada dia se interessava mais e mais por política.

Podemos afirmar com convicção que Moro, no cumprimento do desmonte da nossa economia,  feriu de morte a indústria da construção civil, quando investiu contra as maiores construtoras do Brasil e do mundo como: Odebrecht,  OAS, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, UTC Engenharia, Engevix, IESA Óleo e Gás, etc

Usando a tática de matar a vaca para acabar o carrapato, ao invés de apurar, julgar e punir  os corruptos, feriu de morte as empresas levando-as à falência, sob os aplausos da massa ignara que perdia o emprego aplaudindo.

 Construtora Odebrecht
              

A Construtora Odebrecht tinha um quadro de pessoal de 250 mil trabalhadores que perderam o emprego, afora a perda da memória técnica de uma empresa com um portfólio sólido,  credenciada  como referência no mercado internacional,  a bem da verdade, eram condições preenchidas também pelas demais empresas.

Sérgio Moro na sua saga desenfreada, como numa corrida de obstáculos, uniu-se ao Procurador Federal Deltan Dallagnol, e elegeu suas vítimas  no campo político  dito de esquerda, passando a operar deliberadamente para inviabilizar a candidatura vitoriosa de Lula à Presidência da República.

Lula era na ocasião, um forte obstáculo aos seus propósitos, alinhou-se e aliou-se à candidatura do outsider Jair Bolsonaro e passou a dar uma no cravo e outra na ferradura, só sossegando quando conseguiu prender Lula “preventivamente” por um ano, sem nenhuma prova documental, mas fazendo julgamentos prévios, baseado apenas em delações premiadas., indícios e nas  “convicções” de Dallagnol.

Ainda investido da condição de Juiz, consta que negociou previamente a sua (dele) ida para o Ministério da Justiça do governo Bolsonaro, com passaporte carimbado  para o cargo vitalício de  Ministro do STF,  o que acabou  acontecendo.

Renunciou a magistratura e assumiu o Ministério reivindicando poderes plenipotenciários, esquecendo que apetite não é a necessidade de apenas um.

“No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho”. Uma pedra que não era nem tanto Bolsonaro, mas o núcleo duro  familiar e o mais forte deles, o núcleo econômico que detém o poder de fato, que tem em pauta um projeto de dominação. Precisavam  aliviar a carga representada por Moro e seus acólitos  do serviço , que passaram a ser incômodos precisando de descarte. 

Atingida por um obus potente, a embarcação de Moro começou a fazer água, adernou, e antes de submergir foi  socorrido pela cúpula do establishment com um premio de consolação.

Moro acaba de ser nomeado e assumiu a partir de 1° de dezembro, “ o cargo de sócio-diretor da empresa norte-americana de consultoria Alvarez & Marsal,”  que trabalha no processo de recuperação judicial de empresas falidas  como  Queiroz Galvão e Odebrecht.

[O perfil de Moro no site da empresa diz: “especialista na liderança de investigações anticorrupção complexas e de alto perfil, crimes de colarinho branco, lavagem de dinheiro e crime organizado, assim como em consultoria de estratégia e conformidade para clientes que navegam em questões regulatórias complexas”]

Em sã consciência, precisa acrescentar mais alguma coisa? A contratação de Sergio Moro  nos passa  a impressão de que foi algo adredemente preparado e com planos A, B, e C.  

Alguém pode alegar que a contratação é legal.  “mas é imoral ou engorda” como diria Roberto Carlos numa de suas canções.

Decididamente o Rei está nu!

Consulta: PODER 360(www.poder360.com.br;  

Fotografias:www1.folha.uol.com.br;

veja.abril.com.br;

geraçaoforte-ur7.blogspot.com;

Relacionados

Afinal de Contas Que Canal é Esse?

Canal é um dispositivo hidráulico usado para transporte de água, muito conhecido de todos nós, desde a primitiva levada de terra, até os canais...

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

4 COMENTÁRIOS

  1. Um leitor usou o zap para manifestar insatisfação pelo teor do artigo. Eu lhe pedi que postasse aqui o seu comentário em defesa de Sérgio Moro. Mas ele não o fez, embora saiba que esse site é diferente e respeita por princípio o direito ao contraditório, mesmo que tenha discordância.
    O comentário dele foi ríspido mas mesmo assim acatei e a única coisa que lhe pedi foi que revelasse aos inúmeros leitores do site o seu(dele) pensamento, Ele não o fez mas vai continuar merecedor do meu respeito apesar da sua grosseiros.
    Esse site é diferente e não cerceia o direito de opinião a ninguém, embora também tenha direito ao argumento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Afinal de Contas Que Canal é Esse?

Canal é um dispositivo hidráulico usado para transporte de água, muito conhecido de todos nós, desde a primitiva levada de terra, até os canais...

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...