fbpx
25.1 C
João Pessoa
Início E NÓS, AONDE VAMOS?
Array

E NÓS, AONDE VAMOS?

Por: João Vicente Machado.


O Brasil está às voltas com graves problemas de gestão, e isso vem penalizando  cruelmente o nosso povo, que  assiste perplexo  e impotente, a inércia, a letargia, a incúria, a inoperância, e a incompetência   governamental, sem capacidade de formular  políticas públicas que dialoguem mais estreitamente com a  grande massa trabalhadora,  um contingente que representa, majoritariamente, mais de 80% da população. 

As lambanças dos entes  governamentais e do próprio presidente da república,  têm aprontado uma pantomima atrás da outra, lançando um boi às piranhas quase que diariamente, para manter a distração da plateia, postada nas arquibancadas desse circo mambembe em que se transformou o aparelho de dominação que é o estado nacional, vivendo a dicotomia  panes e circenses, ou seja pão e circo.

O primeiro aspecto a considerar é o visível fracasso da governança, onde as esferas de governo exibem uma desarmonia endêmica, sem conseguir esconder uma falta de coordenação de ações que se espalha por todo governo como uma epidemia.

Todos sabem que o presidencialismo de coalizão reinante no modelo de política liberal de eleição, abriga no seu âmago o leque de siglas partidárias que compõem a aliança eleitoral vitoriosa, a qual reivindica assento no governo eleito, com o argumento de que “quem ajuda a eleger ajuda a governar”.  

Essa prática, no modelo de eleição vigente é até compreensível, desde que os indicados pelos partidos não fossem avaliados apenas pelo DNA oligárquico e preenchessem um perfil mínimo de capacidade, já que os acordos eleitorais não permite transformar os cargos ditos de confiança em cargos de competência. 

O que se esperaria é que houvesse pelo menos um mínimo de seletividade no provimento dos cargos, porém não é o que acontece na realidade brasileira, onde o governo Bolsonaro, malgrado bravatear moralidade, opera da mesmíssima  maneira e nomeia uma plêiade de ministros e secretários sub-mediocres a exemplo do sanfoneiro de uma tal de Banda Brucelose como Ministro da Cultura.  

Sessão Plenária do Congresso Nacional

Tivemos alguns exemplos de reações, inconformismos e mal estar por parte do pessoal técnico que compõe o meio campo da administração, oriundos de concursos públicos e dotados de um mínimo de escrúpulos. 

A audácia dos insurgentes foi punida com uma forte repressão, onde a ruptura foi inevitável e vários entes de governo foram objeto de demissões sumárias por parte do Presidente da República, que passou a nomear  aliados subservientes, da estirpe de: Ricardo Salles para o Meio Ambiente, Damares Alves, para o  Ministério  da Mulher da Família e dos Direitos Humanos,  Um Coronel da Polícia Militar, segundo informações, envolvido no massacre do Carandiru  para Presidente do ICMBio, além de uma figura esdrúxula, insípida, inodora e amorfa como Sérgio Camargo, paradoxalmente um preto racista e preconceituoso, para Presidente da Fundação Palmares, por oficio  promotora da afro-brasilidade.

Quase todos os órgãos vinculados aos ministérios citados, foram e continuam sendo objetos de expurgos ideológicos como o ITAMARATY o, INPE, o IBAMA, o Projeto TAMAR, a Receita Federal etc. 

O desmonte decorrente dessa caçada, foi responsável pela desfiguração, pela descaracterização e pela total subordinação aos interesses contrários a um projeto nacional sustentável.

 Contudo, todo esse tumulto institucional que escandaliza a administração pública em âmbito nacional e nos desmoraliza enquanto país a nível internacional, tem recebido a complacência da superestrutura do estado, que exerce o  papel  que sempre lhe coube na história, de dar firme suporte aos anseios do grande capital,  através dos grupos econômicos e financeiros, na realidade   os verdadeiros donos do poder. 

O maior exemplo é o espetáculo que se desenha com as eleições da Presidência da Camara e do Senado Federal, que ocorrerá em fevereiro de 2021 e que já provoca articulações entre grupos aparentemente antagônicos, escaramuças e conchavos movidos por “tenebrosas transações.” 

Os ocupantes atuais dos cargos, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, aspiravam a continuidade e para tanto  fizeram uma consulta esdrúxula ao STF, sabendo que a Constituição Federal, mesmo antes da carta de 1988 é taxativa em vedar a possibilidade de recondução.

O STF, mesmo ciente de que a alteração exigiria um Projeto de Emenda Complementar-PEC e  num contorcionismo de fazer inveja,  encenou um  julgamento que resultou em  propostas separadas, uma para a Câmara  e outra  para o Senado, o primeiro interessado, no caso Rodrigo Maia,  fragorosamente derrotado e o segundo, Daví Alcolumbre, “quase” vitorioso. 

O mesmo STJ num outro contorcionismo pretérito decidiu por moto próprio acatar a ideia também vedada pela CF e sem a necessidade de uma PEC, pela inexigibilidade do transito em julgado, aceitando a condenação em segunda instancia. Lembram? Ah, mas aí  os condenados eram agentes políticos como Lula, Ricardo Coutinho, Estela Bezerra, Cida Ramos e Márcia Lucena, que incomodam muito o establishment.

É dessa maneira  que a superestrutura do aparelho de estado funciona, para dar suporte ao poder de estado, usando o aparelho ideológico para pregar a aceitação e convencer parte da massa ignara;  o contorcionismo jurídico através do poder judiciário , além do aparelho de repressão violenta, se necessário for,  simultaneamente.             

Aleluia! Aleluia!   Teremos eleições para ambos os cargos e já começaram as articulações, os conchavos, os “acordos” e segundo declarações do Major Olímpio do PSL/SP, um cristão novo da safra bolsonariana que se apresenta como candidato:


“o dinheiro para combater a Covid 19 foi distribuído pelo governo de Jair Bolsonaro para pelo menos 50 senadores dos 81 com mandato e 200 Deputados Federais a fim de garantir a construção de uma base de apoio. Ofereceram-me R$ 30 milhões. Dinheiro da Covid 19”.

Aguardemos, começou a enxurrada do rio agora e muita água vai passar sob a ponte  que está repleta de parlamentares à espreita, esperando a direção da canoa para pular sobre ela! 


Como estamos no período natalino começam a serem montados os Pastoris Profanos, com os dois cordões, azul e encarnado, com a mediação da Diana que é a mestra, com a presença da contramestra e a animação do Velho do Pastoril que é um palhaço bufão  animador do folguedo, com suas peripécias recheadas de palavras e cânticos impublicáveis. (ouça a música aqui)







                            








Consulta:PODER360. www.poder360.com.br;www.terra.com.br;

Fotografias:poder360.com.br;históriasdealagoas.com.br;

Relacionados

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...