fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Poeta Silvino Pirauá
Array

Poeta Silvino Pirauá

                              

Por: João Vicente Machado

No vídeo que divulguei no sitio, (site) no sábado, dia 21/11/2020, me referi ao poeta Silvino Pirauá de Lima, poeta, cordelista, cantador, violeiro, glosador, poeta popular repentista, introdutor da sextilha no cordel e mais, o criador do martelo agalopado, que à época era uma novidade que revolucionou a cantoria de viola.

Silvino é paraibano da cidade de Patos, nascido no século XIX (1848-1913), discípulo de Romano de Teixeira e de Ignácio da Catingueira  e  em que pese a sua grandeza poética é muito pouco reconhecido.

A introdução do martelo agalopado na cantoria por si só, já era suficiente para defini-lo. Afinal de contas é no verso em dez que todos os motes são glosados. A sextilha aborda temas: a seca, o inverno, a vaquejada, a natureza etc.

Para glosar os motes ou temas  que são propostos,  sempre em dois versos, são necessários mais oito  versos para o sucesso da glosa. Vejamos um exemplo bem didático:

“Vaqueiro é pra pegar touro,

 Amansar bezerro e vaca,

 Cortar  páu fazer estaca

 E consertar bebedouro.

 Fazer queijo beber soro

 Curtir couro e rapar sola,

 Fazer freio e rabichola

 Tanger cabra e capar bode,

 Quem é vaqueiro não pode,

 Ser cantador de viola.


                                                                Pinto do Monteiro.

O tema é extenso e eu selecionei seis versos de Silvino Pirauá que são suficientes para mostrar a grandeza desse  grande talento, num reconhecimento póstumo de 107 anos. 

José Mota Victor, colega engenheiro da CAGEPA, escritor, dramaturgo, membro do Instituto Histórico e Geográfico da Paraíba, um admirador da cultura popular, sempre tem referido ao poeta Silvino Pirauá e eu sugeriria a ele, como conterrâneo que é, organizar uma homenagem a esse grande vulto da cultura popular, cujos pilares deu suporte a esse que é o tema mais atraente da cantoria de viola. 

E TUDO VEM A SER NADA


Tanta riqueza inserida

Por tanta gente orgulhosa,

Se julgando poderosa

No curto espaço da vida;

Oh! que ideia perdida.

Oh! que mente tão errada,

Dessa gente que enlevada

Nessa fingida grandeza

Junta montões de riqueza,

E tudo vem a ser nada.

 

Vemos um rico pomposo

Afetando gravidade,

Ali só reina bondade,

Nesse mortal orgulhoso,

Quer se fazer caprichoso,

Vive até de venta inchada,

Sua cara empantufada,

Só apresenta denodos

Tem esses inchaços todos

E tudo vem a ser nada.

 

Trabalha o homem, peleja.

Mesmo a ponto de morrer,

É somente para ter,

Que ele tanto moureja,

Às vezes chove e troveja

E ele nessa enredada

À lama, ao sol, ao chuveiro,

Ajuntam tanto dinheiro,

E tudo vem a ser nada.

 

Temos palácios pomposos

Dos grandes imperadores,

Ministros e senadores,

E mais vultos majestosos;

Temos papas virtuosos

De uma vida regrada,

Temos também a espada

De soberbos generais,

Comandantes, Marechais,

E tudo vem a ser nada.

 

 

Mas, quanto está enganado.

Nesta ilusória pousada

Cá nesta breve morada.

Não vemos nada imortal

Temos um ponto final;

E tudo vem a ser nada.

Tudo quanto se divisa

Neste cruento torrão,

As árvores, a criação,

 

Tudo em fim se finaliza,

Até mesmo a própria brisa,   

Soprando a terra escarpada,

Com força descompassada

Se transformando em tufão,

Deita pau rola no chão,

E tudo vem a ser nada.

 

Infindo só temos Deus,

Senhor de toda a grandeza,

Dos céus e da natureza,

De todos os mundos seus.

Do Brasil, dos Europeus,

Da terra toda englobada

Até mesmo da manada

Que vemos no arrebol:

Nuvem, lua, estrela e sol,

Tudo mais vem a ser nada.

Consulta:  memórias da poesia popular;

                         recanto das letras

Artigo anteriorEle era o Samba
Próximo artigoBrumadinho no Esquecimento
Relacionados

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...