fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início ‘OUTSIDERS’ na Politica
Array

‘OUTSIDERS’ na Politica

                                                                                      

Por João Vicente Machado

  

Confesso não gostar de usar verbetes que não constem da língua pátria,  a Última Flor do Lácio inculta e bela,  decantada na poesia de Olavo Bilac,  referindo-se à língua portuguesa.

Confesso que procurei e não encontrei uma palavra única e adequada para enquadrar personalidades que se declaram não políticos e aproveitam a popularidade obtida no meio artístico para ascenderem a cargos eletivos. O Brasil não é exemplo único dessa prática e já encontrou paradigmas além fronteiras, sendo os  maiores exemplos vindos  dos  Estados Unidos, onde dois atores de cinema conseguiram êxito. 

O primeiro deles, o ator canastrão Ronald Reagan, que teve uma carreira no cinema entre 1937 e 1964, período em que também teve participação na televisão, em filmes e/ou programas sem maiores expressão. 

Ronald Reagan


                  

Outro outsider famoso, também dos Estados Unidos, é um ator inexpressivo, Arnold  Schwarzenegger, que foi eleito governador da Califórnia  entre 2004 e 2011. 

 A Itália não ficou atrás e elegeu o presidente (dono) do Milan, Silvio Berlusconi, polêmico bilionário neoliberal, como presidente do Conselho de Ministros da Itália, entre 1994 e 1995; de 2001 a 2005; de 2005 a 2006 e de 2008 a 2011.

  

 Portanto, nosotros não estamos sozinhos nessa lambança e temos exemplos clássicos dessa síndrome artística. 

Silvio Santos, sim ele mesmo, o homem do Baú, que incorporou à sua candidatura à Presidente da República da qual depois desistiu, um Paraibano muito conhecido, antigo líder do MDB autentico, paradoxalmente convertido à ARENA, o saltitante senador Marcondes Gadelha.


Do ano 2000 em diante proliferaram ‘ousiders’ de maior ou menor coturno, inclusive aqui na pequenina e heroica Paraíba.

Em nível nacional, um dos exemplos mais conhecidos é o de Francisco Everardo Oliveira Silva, o palhaço Tiririca, que obteve na primeira eleição para deputado federal  em São Paulo, 1,35 milhões de votos, chamando o eleitor de “abestado” com um bordão que ficou famoso: “pior do que tá não fica, vote Tiririca”.

                                                 

Com o imenso respeito que tenho pelos palhaços, não posso rir de numa situação dessas. Política não é brincadeira, nem coisa a ser decidida em picadeiro de circo, por mais Soleil  e chik que ele seja.

O segundo deles foi Sergio Reis, que começou no fim do iê, iê, iê, com coração de papel. Os mais entrados na idade como eu lembram. 1,90m de estatura física, anão em ideias, surgido dessas preferências populares vindas do meio artístico, sem lenço nem documento, não em termos materiais, mas em termos ideológicos e políticos.

 O terceiro foi um índio de nome Juruna que, melhor do que os outros, notabilizou-se pela defesa do seu povo e andava com um gravador debaixo do braço para registrar as promessas dos lideres políticos.

                           

 Depois vieram  Luciano Huck, Ratinho Jr., Frank Aguiar e tantos outros a nível de Brasil, todos eles  ‘outsideres’ do establishment, oportunistas  e  fantasmas políticos.

Na Paraíba, Pedro do Caminhão, Toinho do Sopão, Santino, Samuka e agora Nilvan Ferreira, que mesmo derrotado nas urnas , nos impôs o medo de ver eleito um  prefeito desqualificado. 

                         

Aguardemos com a esperança de não embarcarmos mais em aventuras desse naipe. Chega, amanhã será outro dia!

Fotografias:cinemaclassico,.com;

noticias.r7.com;terra.com.br;

pt.wikipedia.org;

cogut.oglobo.com;

wscom.com.br

Relacionados

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

2 COMENTÁRIOS

  1. A popularidade do artista e a ganância pelo poder levam famosos a cargos eletivos que nada contribuem para a nação, a não ser para ele e os seus. Há no país um entendimento errôneo da ocupação dos cargos públicos e políticos. Nem todo profissional de saúde será um bom secretário de saúde, nem todo profossional ou empresário da educação será um bom gestor e por aí vai. A Administração Pública é gestão; trocar cargos por voto é uma aberração. Enquanto assim for, o nosso povo continuará sendo explorado e mal servido.
    A política precisa ser encarrada com seriedade e não como piada.

  2. A postulação de qualquer cargo eletivo seja ele no e executivo ou no legislativo é legítima. A forma de chegar a esses postos é que preocupa e é a inspiração do nosso artigo de hoje.
    O Ceará teve seus ousiders como Wilson Machado, Paulino Rocha, Cid Carvalho e Gomes Farias, todos eles sem expressão parlamentar e com mandatos sub medíocres.
    A análise de Cristina Couto sempre agrega mais informações importantes ao curso da verdadeira política que quase sempre é distorcida e a nossa Lavras da Mangabeira vem padecendo dessa deficiência e incorrendo nós mesmos erros políticos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...