fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Notícias Iracema Remasterizada

Iracema Remasterizada


IRACEMA, DE JOSÉ DE ALENCAR A CHICO BUARQUE DE HOLANDA: dos verdes mares bravios de minha terra natal ao sonho americano. 


  Por: Cristina Couto

Romanceada pelo escritor cearense José de Alencar, cantada pelo paulista Adoniran Barbosa, saudada pelo baiano Caetano Veloso, e simbolizada pelo carioca Chico Buarque de Holanda, mais uma vez o ícone cearense, Iracema, tornou-se musa desse compositor, a partir da canção “Iracema Voou”. E, assim fazendo, Chico Buarque repensa o mito das mulheres destinadas a nos representar numa mistura de imagens e sonhos diante da cultura brasileira. 

Neste texto a ideia é seguir um conjunto de representações, que há quase dois séculos são como ponte entre a cultura brasileira e a velocidade da pós-modernidade nos últimos tempos.

Num novelo de fio enredado por escritores, compositores, poetas, sambistas e cancioneiros duas figuras se destacam como começo e fim desse novelo cultural. No principio está o escritor cearense José de Alencar que, em 1865, colocou a personagem Iracema no cenário literário brasileiro, sendo esta a primeira que deu rumo à conversa.

Depois de quase um século, em 1956, o sambista Adoniran Barbosa a eternizou num samba conhecido e cantado nas rodas de samba de mesa e de fundo de quintal, acompanhado pelos Demônios da Garoa Iracema foi revelada e popularizada.


Em meio à ditadura militar e em pleno Planalto Central do país, Caetano Veloso emitiu acordes dissonantes pelos cinco mil alto falantes, e a saudou fervorosamente em sua Tropicália, desta vez, ela aparece ao lado de outro ícone, o ícone geográfico da revolução dos costumes daqueles tempos de Bossa Nova: Ipanema, uma fusão do romantismo com o modernismo expresso no verso: “Viva Iracema, viva Ipanema”.

E para trançar o grande novelo cultural que as Iracemas acabaram se enroscando o compositor Chico Buarque acabou arrematando a ponta da linha desse extenso novelo. Iracema volta revestida em uma mulher moderna da era da globalizada, da era do consumo e da marca impressa em tudo e em toda parte, ela ver na força do trabalho a oportunidade da sua ascensão profissional e liberdade financeira.

Aquela mulher passiva de outrora já não existe mais, agora, ela vai ao encontro da modernidade, representada na música pela sua migração, fato comum nos habitantes das periferias em direção aos grandes centros, sempre, buscando a ilusão de um futuro melhor e mais promissor.

Aquela Iracema que nasceu no Ceará e andava desavisada pelas as matas cearenses, um século mais tarde viajou para São Paulo e perdeu-se tragicamente no trânsito da grande metrópole, não ouvia mais o canto das jandaias que habitavam a mata do seu Ceará, desta vez, como a lendária fênix ressurge nas correntes artísticas de vanguarda na voz de Caetano Veloso e nos versos de Chico Buarque de Holanda. A personagem indígena de José de Alencar é modernizada ao máximo: “Iracema Voou” para a mais nítida representação do capitalismo: a América do Norte.

A Iracema de José de Alencar passiva e discreta não mais está no Brasil. Revestida nos versos de Chico Buarque a novíssima Iracema conduz afoita seu próprio destino, deixando para trás o canto da jandaia, o trânsito de São Paulo e os céus do Brasil.  Afinal, tudo passa sobre a terra.



                                 

Artigo anteriorVoto Consciente
Próximo artigoReflexão
Relacionados

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

4 COMENTÁRIOS

  1. A capacidade de elaboração da companheira Cristina Couto é única. Ela manuseia as palavras com uma habilidade incrível e faz trocadilhos bordando caricaturas parecendo ser fiel discípula de Lourival Batista, o Louro do Pajeu.
    Das Iracema do texto me parece a mais singela, a Iracema da jandaia dos verdes mares bravios do meu Ceará. As demais incorporam o espírito migratório do cearense e foram se adequando a cenários diferentes e até na contramão andaram .
    Como a contramão da história é a senda dos visionários ela nos estimula a quando desafiados Ir corajosamente na contramão em busca do que acreditamos e do que defendemos. Parabéns pela beleza de artigo!

  2. Iracema voou para a América
    Lava roupa de lã e anda lépida
    Vê um filme de quando em vez
    Não domina o idioma inglês
    Lava chão numa casa de chá
    Tem saído ao luar com um mímico
    Ambiciona estudar canto lírico
    Não dá mole pra polícia
    Se puder vai ficando por lá
    Tem saudade do Ceará
    Mas não muita
    Uns dias afoita me liga a cobrar
    É Iracema da América!
    Lindoooooo texto prima! Beijos

    Émerson Férrer.

  3. Cristina amiga querida, que texto mais lindo que acabo de ler aqui sobre Iracema. És de fato Grande, Grandiosa!!! Um verdadeiro show seu relato. Sem palavras pra agradecer pelo envio! Meus sinceros parabéns irmãzinha! Fica com Deus, Boa noite abençoada pra todos nós! 👏👏👏👏😘🙏
    Nonato Luiz

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...