fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início O analfabeto político
Array

O analfabeto político

      

Por: João Vicente Machado

       O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos.

Ele ignora que a razão do custo de vida, como o preço do arroz, do feijão, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio, depende de decisões políticas.

O analfabeto político é tão ingênuo  que se orgulha e estufa o peito dizendo que política não se discute e que odeia política. Não sabe ele que, da sua ignorância política nasce a prostituta, o desempregado, o menor abandonado, a prostituição infantil, além do pior de todos os bandidos que é o político oportunista, egoísta, fisiologista, entreguista e lacaio das multinacionais.(Bertolt Brecht).

O analfabeto político a que tão bem refere Bertolt Brecht, não é aquele que não aprendeu a ler e escrever e sim aquele que lê e escreve, mas não interpreta nem entende o que lê na forma escrita ou falada. Brecht define àqueles como indiferentes à própria sorte,  ao seu (dele) futuro e ao futuro da própria família.

Com relação aos que não sabem ler e escrever existe uma polêmica sobre o direito do voto que foi conquistado, mesmo de forma incompleta, em 1985 após o restabelecimento da democracia, depois de vinte anos de ditadura.

Quando classificamos a conquista do voto do analfabeto como incompleta, é porque o analfabeto de letras pode votar, mas não pode ser votado e isso é estranhamente injusto na nossa modesta opinião. Voltaremos ao tema em outra oportunidade!

O Dr. Roberto Queiroz foi Juiz de Direito em Lavras da Mangabeira CE, lá pelos idos de 1950/60 do século passado. Era irmão da escritora Rachel de Queiroz, muito austero apesar de muito educado e de fino trato. As comarcas menores não tinham naquela época, como eu creio que ainda não têm hoje em dia, a figura do Juiz Eleitoral, cargo que é exercido cumulativamente pelo Juiz de Direito da Comarca. 


Havia chegado à cidade em período pré-eleitoral e para assessorá-lo nos trabalhos do cartório eleitoral, convocou por indicação que recebera de outras autoridades da cidade, a minha mãe de criação Maria Lina Machado, que era professora do Grupo Escolar e foi cedida pela Secretaria de Educação do Estado onde era lotada. 

O processo de qualificação eleitoral já havia transcorrido e ele resolveu fazer uma auditoria do trabalho anteriormente realizado por processo de amostragem, para avaliar a qualidade, a retidão e a lisura do trabalho. 

Dentre as fichas por ele próprio selecionadas, lhe caiu às mãos a de Xavier Areia, funcionário operário do Colégio Agrícola, onde trabalhava no roçado, uma imposição da pedagogia do próprio  Colégio. Tinha um porte físico avantajado, de estatura mediana a alta, jogava um futebol de qualidade sofrível e era muito respeitado pelo vigor físico intimidatório e pelo tamanho das suas chuteiras, 44 bico chato. 

Ao analisar a ficha de Xavier e desconfiado da sua pouca intimidade com as letras, mandou chamá-lo para uma audiência onde precisaria esclarecer algumas dúvidas.

Xavier chegou, respeitosamente retirou  o chapéu da cabeça, perfilou-se ante a autoridade do Dr. Roberto Queiroz, que o  convidou  a sentar-se para a audiência que se seguiria. Em presença de qualquer Juiz, sempre existe ou existia antigamente, uma reverência involuntária por parte do entrevistado e com Xavier Areia não foi diferente. Com os braços cruzados  comprimindo o chapéu no  peito, ouviu a primeira pergunta:

Qual o seu Nome? Ele respondeu cabisbaixo e reverente:

Xavier de Tal, (não lembro o sobrenome) vulgo Xavier Areia!

Veio a segunda pergunta: foi você que preencheu essa ficha? Mais ou menos doutor, respondeu ele!

Mais ou menos como? Xavier cabisbaixo respondeu baixinho: compadre fulano (não me perguntem o nome) me deu uma ajudazinha!

Dr. Roberto Queiroz faz a pergunta final: você sabe escrever seu nome? Xavier encabulado disse: doutor, do meu nome eu só sei o sige! (X).

Dr. Roberto, cavalheiro como já ressaltamos, diante da figura humilde de Xavier, talvez tenha sido tomado pelo mesmo sentimento de compreensão e respeito que me invade agora, imaginando as mãos calejadas pelo trabalho honrado que Xavier exercia. O Juiz não disse, mas deve ter entendido que: se Xavier era um funcionário federal cumpridor do seu dever e das suas obrigações funcionais, tinha que ter a oportunidade de decidir como cidadão, o seu futuro, o futuro dos seus filhos e o futuro da sua nação. Ficou em silêncio e finalmente disse: pode ir muito obrigado!

Reflitamos sobre esse caso verídico com a convicção de que, o cidadão pode ser analfabeto das letras e mesmo assim ter muito mais discernimento do que o analfabeto político. 

Consulta: depoimentos da minha mãe Maria Lina e de outros amantes da história de Lavras da Mangabeira; registros da memória do autor; entorno do mercado público de lavras. 

Maria Lina Machado e João Vicente Machado

                           

Relacionados

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...