fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Educação como Mercadoria
Array

Educação como Mercadoria

 

Por: João Vicente Machado

     A revista Carta Capital, edição de 09 de setembro de 2020, traz uma matéria de Victor Caucagno que tem como manchete: Pires na Mão, com a subscrição: “As Universidades Privadas pedem socorro para evitar uma crise sem precedentes.”

     Queixando-se dos efeitos da pandemia do covid19, que Bolsonaro e sua corte tratam com desdém, o articulista cita o caso de um estudante pobre, aluno do curso de Publicidade e Propaganda da Uni Carioca instituição privada do Rio de Janeiro, que foi obrigado a trancar matricula por incapacidade de pagamento. Referindo-se à conjuntura, o diretor executivo da instituição lamenta: “Como grande parte vive em famílias com renda per capita de até um salário mínimo, é possível que vá cuidar dos problemas financeiros mais imediatos e dificilmente volte à academia”.

                   

                 Universidade Unicarioca

   Há poucos dias tínhamos passado em revista os números da LOA previstos para 2021, e hoje nos deparamos com a informação do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, anunciando um corte de 18,2% para as Universidades Federais, Institutos Federais e o Colégio Pedro II no Rio de Janeiro que desde o império é federal.

   Enxergamos uma profunda contradição nas ações do Governo Federal, no tocante às suas obrigações como responsável pela formulação da política pública de educação de um modo geral e em particular com o ensino superior, formador de quadros para o estudo e a pesquisa técnico-científica, além de fomentar o desenvolvimento científico do país como um todo. 

  Não é de agora que a nossa educação foi transformada em mercadoria. Esse projeto vem de longe e foi sendo implantado lenta e gradualmente a partir do ensino fundamental. Quando do golpe militar de 1964, a educação pública passou a ser objeto de monitoramento e de patrulhamento ideológico, com a instituição da censura pedagógica

  Essa prática garroteou financeiramente a educação, a partir do ensino fundamental,  provocando o achatamento dos salários dos professores, a desqualificação profissional, o sucateamento das escolas, e a precarização dos meios didáticos, aviltando a profissão de educador e tornando-a  não atrativa.

  Aí entra em cena o setor privado, com o surgimento das escolinhas particulares de abnegados educadores, onde o estado passou a comprar vagas para suprir a carência crescente do serviço público. À medida que foram se tornando atrativas, ° englobou o 2° grau e foi seduzindo o capital, até o surgimento do empresariado escolar representado por marcas famosas como: ESUDA, CPUC, 2001, CA  etc. que iam se tornando famosos, na medida em que as escolas menores  iam sucumbindo  pela inadimplência.

   Dai à autorização para funcionar como faculdades e universidades, foi um salto e para que se tenha uma ideia, hoje o congresso  tem uma bancada das letras e hoje me chega a informação de duas universidades privadas daqui mesmo da Parahyba, onde as mensalidades para o curso de medicina são, pasmem: R$ 8.749,58 e R$ 8.970,00. Jeannie é um Gênio! Não acham?

                                             Jeannie é um Gênio! 

 Agora , quando a crise se descortina, o “eficiente” capital privado abre o berreiro chamando e clamando pelo estado.

 “Na quinta feira 27, o ministro da educação Milton Ribeiro, afirmou que o MEC vai disponibilizar 140 mil vagas remanescentes do Prouni e do Fies não preenchidas durante os processos seletivos dos programas que oferecem bolsas e financiamento ao ensino superior” 

   “A estratégia não provocou exatamente um ânimo no setor,…..”

  Perceberam, eles querem dinheiro vivo, enquanto os reitores das Universidades Federais estão com a sacola na mão para fechar as contas.

   Em algumas ocasiões o estado é tudo quanto não presta: pesado, ineficiente, burocrático, incompetente e tudo mais. Lembra a Gení do Zepellin (ouça aqui)

    Porém quando  vacas são magras ai a situação se inverte e correm como uma criança, berrando à procura do velho estado, como acontece agora.

                            Clique aqui: https://youtu.be/jWHH4MlyXQQ

 

Fonte: Revista Carta Capital edição 09/09/2020

Artigo anteriorColonização Americana
Próximo artigoEleições de Novembro
Relacionados

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...