fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Economia Politica Anistia a Dallagnoll

Anistia a Dallagnoll

Por: João Vicente Machado.
   Uma das notícias de maior destaque da semana passada foi a da tarde do dia 26/08/2020, que nos chegou ao conhecimento através do UOL Noticias, e dava conta de um julgamento inusitado do Colegiado Nacional do Ministério Publico, (CNMP) que culminou com a decisão de arquivamento de um processo em que era incurso o Procurador Daltan Dalagnnol, paladino da moralidade e membro da chamada República do Paraná.

    Os julgadores determinaram o arquivamento de uma representação intentada pelos advogados do Ex-Presidente Lula contra Dallagnol pela exibição  de um Powerpoint montado com base em “convicções” e sem nenhuma prova documental concreta como instrumento probatório. Alegaram a prescrição do feito como motivação, o que não podemos contestar por não termos formação jurídica que nos autorize a tanto.

Todavia, como leigo a mim me é dado pelo menos o direito ao exercício da dúvida em  saber quando há jurisprudência e em que momento ela se constrói.

  Sabemos que a jurisprudência não se enquadra nos compêndios de direito e surge  de acordo com a sensibilidade do julgador diante de uma evidente necessidade de decidir com amparo legal que no caso  inexiste. Uma vez adotada como solução ao imbróglio jurídico, passa a ter fé de oficio e a partir de então será usada em demandas parecidas. 

As decisões  de Dallagnol, sempre foram  objeto de censura pelo falecido ministro  do STF  Teorí Zavascki, vítima de morte trágica e até hoje inexplicável. Até mesmo os julgadores do feito, censuraram o seu comportamento em função da  espetacularização dos seus atos como Promotor de Justiça.

Malgrado  faltou a voz de  pelo menos um deles que  fundamentando o voto e  construísse uma jurisprudência a ser seguida por seus pares dali por diante.

    O  Procurador Federal  que ainda  é parte integrante da chamada República do Paraná então  comandada pelo Juiz Aldo Moro, notabilizou-se pelo seu desempenho parcial quando foi responsável pela apuração em conjunto com a Polícia Federal, do alegado envolvimento do Ex-Presidente Lula no polêmico processo em que é acusado da aquisição do famigerado tríplex  cafona, na praia cafona do Guarujá.

A maioria dos conselheiros entendeu que as punições que poderiam ser aplicadas a Dallagnol já estavam prescrita.

   A prescrição é uma regra jurídica que impede punições quando decorrido muito tempo desde o fato investigado. Não houve nesse caso, nenhuma   jurisprudência  existente ou brotada do entendimento de pelo menos um único juiz, em favor da pertinente demanda do  reclamante.


Pelo que sabemos o procurador armou um Show, convocou  a imprensa oficial e as milícias digitais para uma entrevista coletiva, em que fez uso  de um PowerPoint prenhe de “convicções” em entrevista coletiva com direito a claque, concedida no interior de um hotel em Curitiba. 

  Em que pese a decisão pelo arquivamento, mesmo assim  o colegiado de procuradores fez críticas à postura de Dallagnol, em função do  acintoso espetáculo de que fez uso.

Deltan já houvera sido acusado de ser responsável pela articulação de movimentos de rua com críticas ao ex-presidente Lula e em apoio à candidatura Bolsonaro. Além disso tentou influenciar na indicação do substituto do ministro Teorí Zavascki no STF, um dia após a sua morte num acidente aéreo misterioso. 

Mais parcial do que isso impossível!

  Teorí Zavascki vez por outra criticava os métodos do Procurador e havia censurado publicamente a forma espetaculosa usada por ele na entrevista, na qual,  fugindo do objeto das apurações, recheou o processo com várias acusações e acrescentou outros supostos fatos, baseados em delações premiadas, construindo várias acusações baseadas em “convicções como mostra a foto abaixo.

 Naquela pantomima espetaculosa, com a cobertura generosa da imprensa oficial, além das milícias digitais ideológicas, foi armado um circo eleitoral em conluio com Aldo Moro para afastar definitivamente a pré-candidatura de Lula nas eleições de 2018 e viabilizar Jair Bolsonaro, o que terminou acontecendo.

Essa operação terminou rendendo um ministério a Aldo Moro, além da promessa de uma vaga no STF, fatos que o país só veio tomar conhecimento  depois. A decisão do CNMP pode até ser legal, mas como diria a letra da  canção: “é ilegal, é imoral ou engorda.”(Roberto Carlos). Afinal o próprio Dallagnoll afirmou em frase cínica que se tornou célebre: “Não temos Provas, mas convicções!”.

   Diz um velho e conhecido provérbio romano: “À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer ser honesta”






Relacionados

Resumo de notícias da semana

       RESUMO SEMANAL  12  á 17 de julho de 2020Por: João Vicente Machado Após o bombardeio verbal promovido por empresários nacionais e internacionais...

A era da incerteza

  Por: João Vicente Machado      O título acima não é meu. Ele é de autoria de John Kenneth Gralbraith que tornou famosa uma...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...