fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início A Canção que resistiu ao tempo
Array

A Canção que resistiu ao tempo

Por: Flávio Ramalho de Brito

    Sérgio Sampaio
             A música foi composta para participar de um dos muitos festivais de música que ocorreram no Brasil durante a década de 1960 e os dois primeiros anos da década seguinte. No caso, foi no último daqueles festivais que tinham maior importância, a sétima edição do Festival Internacional da Canção, que era conhecido como FIC, realizado no Rio de Janeiro, entre setembro e outubro de 1972. O FIC tinha uma parte nacional e outra internacional. Participando de uma das eliminatórias do evento nacional a canção foi desclassificada, sob protestos da cantora Nara Leão, que era a presidente do júri, com a alegação de que a apresentação havia sido comprometida por uma briga que ocorrera nas arquibancadas do Maracanãzinho, local onde se realizava o evento. Mesmo eliminada, a música foi uma das raras canções daquele festival que resistiram à ação julgadora do tempo. Durante quase meio século decorrido desde aquele VII FIC, a música nunca deixou de ser muito executada. É sempre cantada em rodas de música, em manifestações políticas e até no carnaval.   

Há quem diga que eu dormi de touca
Que eu perdi a boca, que eu fugi da briga
Que eu caí do galho e que não vi saída
Que eu morri de medo quando o pau quebrou. 
Há quem diga que eu não sei de nada
Que eu não sou de nada e não peço desculpas
Que eu não tenho culpa, mas que eu dei bobeira
E que Durango Kid quase me pegou. 
Eu quero é botar meu bloco na rua
Brincar, botar pra gemer
Eu quero é botar meu bloco na rua
Gingar, pra dar e vender. 
Eu, por mim, queria isso e aquilo
Um quilo mais daquilo, um grilo menos disso
É disso que eu preciso ou não é nada disso
Eu quero é todo mundo nesse carnaval. 
Eu quero é botar meu bloco na rua
Brincar, botar pra gemer
Eu quero é botar meu bloco na rua
Gingar, pra dar e vender.

      Eu quero é botar meu bloco na rua, composta pelo capixaba Sérgio Sampaio e gravada em 1973, teve um grande sucesso popular, vendendo cerca de 500 mil discos. Lançada durante o governo Médici, o mais repressivo da ditadura militar instaurada em 1964, a marcha-rancho de Sampaio tornou-se um hino de protesto naqueles tempos sombrios, e continua, até hoje, sendo regravada. O próprio Sergio Sampaio reconhecia esse matiz da sua música em entrevista dada, em 1989, a Zeca Baleiro: “A grande importância dessa canção é ter sido feita e lançada numa época em que as pessoas estavam muito amordaçadas e bastante medrosas de abrirem a boca para falar qualquer coisa”. A canção alterna uma arrastada primeira parte de um quase desânimo com a consolidada, à época, situação do regime do Durango Kid e uma segunda parte de exaltação e otimismo em uma mudança de ventos que acabaria acontecendo. Apesar do grande sucesso de Eu quero é botar meu bloco na rua, Sergio Sampaio não conseguiu, posteriormente, estabelecer uma carreira musical regular, do ponto de vista mercadológico. 
    Sergio Sampaio e Raul Seixas em1971
           Sérgio Sampaio era muito ligado a Raul Seixas, por amizade e ideias comuns. Gravaram, juntos, um anárquico disco de uma chamada Sociedade da Grã-Ordem Kavernista, sem nenhum impacto. Avesso à autopromoção e às cruéis leis do mercado, Sampaio ficou com a pecha de maldito, no sentido que dão aos artistas que transitam fora do circuito comercial. Sergio Sampaio morreu, em 1994, aos 47 anos, em quase total esquecimento, embora seja, ainda hoje, cultuado por muitos. 
Sergio Sampaio, em entrevista dada a Zeca Baleiro, dizia que respondia, quando lhe perguntavam “e aí vai botar o bloco na rua?”
– “Não. Eu já botei. Falta vocês botarem”

                        Eu quero é botar meu bloco na rua – Lenine e Casuarina


                              
                    
Artigo anteriorGravatá ou Bananeiras
Próximo artigoAnistia a Dallagnoll
Relacionados

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

4 COMENTÁRIOS

  1. BOM DIA JOÃO VICENTE. COM A MUDANÇA PRO SITE FIQUEI PERDIDO AO ENTRAR MAS HOJE DEU CERTO. ESSA MÚSICA FOI A PRIMEIRA QUE REALMENTE APRENDI TODA A LETRA NA DÉCADA DE 70 E NUNCA SAIU DA MINHA MENTE, EU GURISÃO EM CAJAZEIRAS GOSTAVA DE CANTAR E O POVO POR PERTO ACHAVA ESTRANHO. PRA MIM A MUSICA DA MINHA VIDA. UM ABRAÇO COLEGA.

  2. Flavio Ramalho de Brito, essa música é muito significativa para mim que bom que Sérgio Sampaio sempre será lembrado graças a textos tão bem escritos como esse seu.Salve Sérgio Sampaio, estejas no Poder e na Luz!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...