fbpx
25.1 C
João Pessoa
Início Mitos de pés de barro
Array

Mitos de pés de barro

Por: João Vicente Machado
Mao Tsé Tung quando se referia aos adversários da China revolucionária que decidira não mais subordinar o país aos ditames do capitalismo selvagem, tratava-os ironicamente mitos de pés de barro. Era uma pecha intencionalmente depreciativa que virou um clichê.
O Brasil teve grandes mitos tais como: Cesar Lattes, Celso Furtado, Miguel Arraes, Ariano Suassuna, Leonel Brizola, Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro, Oscar Niemayer e João Mangabeira, entre outros brasileiros ilustres e mitológicos que já se encantaram. Tem também a capacidade de produzir mitos de pés de barro e os produziu em certa  abundância. 
Passando em revista as noticias da semana, destaquei uma delas que circulou no correio brasiliense edição de 18/07/2020, sobre Newton Ishii, um nissei mais conhecido como a figura mitológica do “Japonês da Federal”, condenado por facilitação de contrabando na fronteira do Brasil com o Paraguai.
O “Japonês” ficou famoso pelas constantes aparições espetaculosas do Ministério Publico do Paraná que em conjunto com a Policia Federal,  eram promovidas em nome da moralidade, tendo a justificativa simpática  de combate a corrupção, um desejo colimado  de todos.
Na busca de  notoriedade posavam ao lado de presos notáveis a exemplo de Lula, que precisava ser inviabilizado eleitoralmente a qualquer custo.  Ostensivamente paramentados com coletes à prova de bala, algemas pendentes na cintura, olhar penetrante e expressão facial rígida, conduziam os suspeitos com um ar triunfal de paladinos da moral.
Contra os acusados nenhuma citação, nenhum inquérito concluso ou quaisquer prova documental que os incriminassem, mas mesmo assim eram algemados indiferentemente ao grau de periculosidade de cada um, sendo  conduzidos na companhia  de um cortejo da imprensa oficial previamente avisada e das milícias virtuais que estranhamente  sempre estavam presentes. 
Diz ainda a matéria que o ”Japonês” perdeu  o cargo, não se sabe se por demissão ou exoneração e além disso foi condenado a pagar multa de duzentos mil reais pelos ilícitos praticados, apurados e julgados no rito que não foi concedido às suas vítimas
Toda essa trupe da moralidade consagrou mitos, conjuntamente com o processo de mitificação de Sérgio Moro, Deltan Dalagnoll e o “Japonês”, idolatria  que agora é  jogada na vala comum da amoralidade.

“O Japonês” e Sérgio Moro

    Voltemos agora à questão dos mitos de pés de barro, tema central do nosso texto de hoje.  
No Brasil de hoje basta o sujeito ganhar duas ou três provas de fórmula um para ouvirmos a histeria verbal de Galvão Bueno bradar: É fulano de tal do Braaaziiiiil! Pronto, estamos diante de um mito!
Se um jogador de futebol mediano fizer duas ou três partidas em que se destaque por firulas inúteis e a marcação de alguns gols, ouviremos a voz do narrador esportivo, usando o flamenguismo majoritário, se esganar:   é craque! é craque! é craque!  goooooolll   de  cicraaaaano! Pronto! surge mais um mito no futebol rivalizando com Zico, Maradona, Neymar, Cristiano Ronaldo ou Messi.

Se uma ou mais vedetes da bunda grande ensaiar dois ou três rebolados sensuais, é noticia em tudo que é imprensa e estamos diante de uma musa, de uma diva, de um mito!
Se o sujeito após sua expulsão do Exército se refugia na Câmara Federal, passa trinta anos como deputado, mal sabendo assinar o nome, sem nunca apresentar um projeto de lei consistente e útil, candidata-se a Presidente da Republica, simula uma facada para não dar entrevistas e não comparecer a nenhum debate,  se elege Presidente da República.  Pronto, estamos diante do maior mito de pés de barro de todos, o mito mor.
Aqui na Paraíba o exemplo dessa cúpula de mitos pegou e  gerou mitinhos e possíveis candidatos a tanto  que usam do mesmo expediente, da mesma estratégia e da mesma  metodologia: prisões espetaculosas sem citação,  imputação de culpabilidade sem provas documentais, cerceamento do direito ao contraditório, impossibilidade de  vistas ao libelo acusatório, delações premiadas extraídas a fórceps  de  presos fragilizados emocionalmente, tudo isso combinado com a imprensa oficial que faz a cobertura do espetáculo  ao vivo, além  da milícia digital, composta por quatro ases e um coringa,  que faz a sustentação diária da pantomima.
A descoberta do procedimento de Moro, Dalagnnoll, do “Japonês” e das milícias palacianas, revela a verdadeira face dos mitões, mitos e mitinhos de Brasília e das filiais espalhadas Brasil afora.
Ninguém defende impunidade e todos os crimes apurados devem ser  levados a julgamento, doa a quem doer e  os culpados devem ser levados às barras dos  tribunais para julgamento e se culpados, punidos.
O que nos causa indignação é ver a prestação de justiça ser feita por mãos sujas como essas. 
Dallagnol, Moro e Bolsonaro

Referências: correio brasiliense; g1.com. br; UOL noticias.
Fotografias: esquerda marxista
Relacionados

A primeira entrevista publicada no Brasil

Em 1808, quando D. João chegou ao Rio de Janeiro, fugindo das tropas de Napoleão que haviam invadido Portugal, trouxe na sua imensa bagagem...

Mês dos pais

Conceituam-se os fenômenos para atender às necessidades, sejam de mercado, sejam de conveniência, mas conceituar transforma o simples no complexo e o certo no...

O que é Depressão?

A depressão é um transtorno que envolve o corpo, o humor e os pensamentos. Ela interfere no cotidiano, nas relações sociais, nas relações familiares...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

A primeira entrevista publicada no Brasil

Em 1808, quando D. João chegou ao Rio de Janeiro, fugindo das tropas de Napoleão que haviam invadido Portugal, trouxe na sua imensa bagagem...

Mês dos pais

Conceituam-se os fenômenos para atender às necessidades, sejam de mercado, sejam de conveniência, mas conceituar transforma o simples no complexo e o certo no...

O que é Depressão?

A depressão é um transtorno que envolve o corpo, o humor e os pensamentos. Ela interfere no cotidiano, nas relações sociais, nas relações familiares...

Macacos não transmitem a varíola

O Brasil está mais vez está enfrentando uma pandemia diferente. Dessa vez é a varíola dos macacos (do inglês monkeypox). Essa varíola apresenta sintomas...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Afinal de Contas Que Canal é Esse?

Canal é um dispositivo hidráulico usado para transporte de água, muito conhecido de todos nós, desde a primitiva levada de terra, até os canais...