fbpx
25.1 C
João Pessoa
Início Galbraith X Keines X Marx
Array

Galbraith X Keines X Marx

John Kenneth Galbraith

Por: João Vicente Machado

John Kenneth Galbraith foi coautor, além de atuar como narrador de um seriado de televisão levado ao ar nas décadas de 1970/80. Vale a pena tanto assistir alguns capítulos  do seriado disponível no Youtube, quanto ler o livro por quantos se interessem pela economia, que é a polia que move a  história.

Economista, filósofo, diplomata, político, professor universitário, escritor e consultor, que fala da economia de forma simples inteligível e bem humorada, ao contrário do economês pernóstico dos Chicagos Boys como Paulo Guedes. 

Nascido no Canadá em 1908 e falecido em Cambridge em 2006, sofreu forte influência de John Maynard Keynes e em menor intensidade de Karl Marx. 

O seu denso currículo dispensa a necessidade de apresentações que venham justificar a possível ligação de Galbraith ao comunismo internacional. 

Jonh K. Galbraith
Logo no inicio do seu famoso livro, o autor nos chama à atenção para a seguinte assertiva: “seria melhor não fecharmos os nossos olhos demais diante da ideia de interesses escusos. As pessoas têm uma tendência pertinaz de proteger seus bens, de justificar o que desejam possuir. E por isso sua tendência é de ver como certas as ideias que servem a esse propósito. As ideias podem ser superiores aos interesses escusos. Mas com muita frequência podem também ser produto de interesses escusos”. 

O estado capitalista, da forma como é estruturado, tem abrigado sob  seu teto e proteção, os mecanismos da exploração de classes onde interesses escusos fazem parte da prática econômica e  a concentração de bens precisa de estímulos e proteção, em beneficio de uma classe dominante, amplamente minoritária e  sem nenhum escrúpulo ou cerimônia na consecução dos seus objetivos, nada republicanos. 


Quando Montesquieu propôs a separação dos poderes em executivo, legislativo e judiciário, o fez para retirar de uma mão única, toda força de mando que era a prática absolutista do século XVII e que ocorreu na França, Espanha e Portugal, apenas para citar os mais importantes. 

Nessa época o andar de baixo começou a perceber com mais clareza a exploração e a não suportar mais o excesso de peso do andar de cima, ameaçando derrubar violentamente a torre da exploração que a esmagava. Foi providencial e mais fácil, ceder parte dos anéis para preservar os dedos, numa estratégia que seria incorporada à pratica capitalista dai por diante e usada repetitivamente pela burguesia a cada  crise cíclica que eclodiria.

Esse era o cenário da Europa medieval que vem se modernizando, se camuflando e com nova maquiagem vem sendo usada até os dias atuais, onde os poderes tripartites idealizados por Montesquieu, exibem fraturas expostas e contradições irreconciliáveis escondidas pelo manto das  instituições ditas  democráticas.

Aqui no Brasil parece que tudo ocorre de forma apartada do contexto histórico. O escravismo, modelo econômico que vigoraria como hegemônico até o século V d.c foi reentronizado pela coroa portuguesa para turbinar a economia agrária reinante no Brasil colônia, de forma preconceituosa e cruel contra a raça negra que foi arrancada do continente africano, acompanhada de um preconceito racial torpe ainda hoje reinante.

A proposta de Montesquieu, juntamente com o iluminista Jean Jacques Rousseau, era um governo “único” composto por três poderes do “estado moderno,” organizado de forma tripartite e definidos como poderes independentes, a saber: Executivo, Legislativo e Judiciário, representados na ilustração da figura seguinte:
 
Proposta de Montesquieu
A rigor, essa divisão tripartite acomoda interesses conflitantes até o ponto em que eles sejam conciliáveis.  Acomodam e harmonizam a superestrutura do estado capitalista, abrigando e apaziguando as suas contradições internas e administrando, a exploração à classe explorada, usando o convencimento através do aparelho ideológico ou em última instância a força, pelo poder coercitivo garantindo assim o domínio de classe. 

No Brasil de hoje nós assistimos os conflitos internos entre os três poderes, onde o Executivo fustiga acintosamente o Legislativo e o Judiciário à procura de mais espaço. Todavia a conveniência de manutenção de um projeto devastador os obriga a se tolerarem como inimigos cordiais, esboçando reações anêmicas para inglês ver.

O desastrado governo Bolsonaro, a depender da decisão do establishment e da apatia e inércia popular, vai ser levado na maca, até o último dia do seu governo, enquanto o poder dominante “passa a boiada” que promove o desmonte final do estado, com a cumplicidade da pior composição parlamentar da historia da república, com o prejuízo propositado de um ou dois bois de piranhas! 

  

Referências: A era da incerteza, John Kenett Graubrait.

Artigo anteriorEstrangeirismo exagerado
Próximo artigoE agora, Sertão?
Relacionados

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

5 COMENTÁRIOS

  1. De primeiríssima qualidade o texto do nosso engenheiro-filósofo e escritor João Vicente.
    Propiciou nos uma “ressonância magnética” , bem fidedigna do atual momento de nossa tão sofrida República Federativa do Brasil.
    … “assistimos os conflitos internos entre os três poderes onde o Executivo fustiga acintosamente o Legislativo e o Judiciário a procura de mais espaço…” o o pior:
    …” a depender da decisão do establishment e da apatia inércia popular, vai ser levado de maca até o último dia do seu governo…”
    Essa é uma triste realidade que poderia ter sido evitanda.
    Mas, como diz o provérbio popular: “Cada povo tem os governantes que merece.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...