fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Desassossego Democrático
Array

Desassossego Democrático

                                                     


Por: João Vicente Machado


    À medida que o final de semana se aproxima cresce a sensação de inquietude que vai se apossando das pessoas em função da imprevisibilidade de ações do governo Jair Bolsonaro, onde ninguém se entende.

    A gravidade do momento exige respostas que o Estado no mais amplo sentido da palavra precisa dar e que não tem acontecido, principalmente o Estado nacional.

    Estamos vivendo um momento difícil, talvez o mais difícil da nossa história, quer no aspecto sanitário, quer no aspecto político, quer no aspecto econômico.  Para enfrentá-la é necessário um planejamento sério, com ações  governamentais planejadas  e  muita capacidade de gestão.

    No que concerne ao aspecto sanitário estamos no olho do furacão de uma pandemia, com números alarmantes de contaminados e mortos. Esses números nos coloca numa indesejável liderança de infectação mundial, sem unicidade de ações concretas e coordenadas entre as instâncias de governo que não se integram e  sem um horizonte que nos permita enxergar a luz de saída do  túnel em que fomos encerrados.

    O governo federal, a quem compete a formulação e o estímulo de políticas públicas de saúde, além de não planejá-las e colocar em prática, tem contribuído para desagregar  a unidade necessária alem  de desclassificar e atrapalhar o esforço dos estados e municípios, que visam  estancar  o contágio e a propagação da covid19 no mais breve espaço de tempo para normalizar as atividades econômicas.  

    Em meio a tudo isso o pais assistiu a troca de dois ministros da saúde, num espaço de três meses, um deles com menos de um mês no cargo e a nomeação de um militar com competência questionável pra gerir um setor nevrálgico e preocupação de qualquer governante que tenha compromisso com a saúde do povo, que é o ministério da saúde. 

    Resultado: os hospitais estão à beira  colapso por falta de leitos, as filas se multiplicam nos corredores, o número de leitos é insuficiente, faltam máscaras, respiradores, pessoal habilitado, etc.
Esse cenário torna público o sucateamento a que o SUS foi submetido e que vinha acontecendo  com o fito de sufocá-lo e extingui-lo.

No campo político assistimos o agravamento nas relações com os demais poderes da república com o  tensionamento provocado pela afronta  e desrespeito à tripartição dos poderes propostas por Montesquieu a partir do século XVIII, como uma forma  de por fim ao absolutismo reinante e  materializar a democracia proposta pelos gregos,  harmonizando  a democracia e evitando conflitos.
   O que temos assistido  no governo Bolsonaro são provocações e ameaças intimidatórias às instituições em todas as esferas e até  aquelas dentro do próprio governo. As pressões exercidas no trabalho da Polícia Federal sugerindo investigações seletivas de desafetos, o aparelhamento da Procuradoria Geral da República em beneficio às ações do poder executivo, os conflitos com o STF,  com o STJ, com  a Câmara Federal e o Senado da república, repetindo Luiz XIV na França que dizia: “ L´  état  c`  est  moi”, ou seja, “o  estado  sou  eu”. 
     Assistimos pela TV a fúria de Bolsonaro contra o Supremo, vociferando em tom ameaçador: “… a violação do direito à livre expressão não deve ser aceita passivamente, basta…” referindo-se a fragilidade de comportamento de aliados seus, numa ameaça velada à iniciativa do ministro Celso Mello. 

    Quanto à crise econômica, ela não surgiu agora  é remanescente ao Covid19 sendo  apenas agravada pela pandemia, podendo  ser creditada à política econômica neoliberal ortodoxa aplicada por Paulo Guedes, um Chicago Boy banqueiro, que o estabilishment impôs como ministro da economia e que tem exercido o papel de guardião da integridade econômica dos reais donos do poder que são os banqueiros e os  donos dos meios de produção.

    Bolsonaro é assim, sempre foi assim, e  verbalizou para quem tinha ouvidos para ouvir, mesmo sem falar, mesmo sem ir a debates, o que pretendia fazer, ou melhor, não fazer. Ele não enganou a ninguém, os que votaram nele é que se  enganaram.

     Estamos assistindo e acolhendo o retorno cabisbaixo de grande parte daqueles que hoje batem em retirada das fileiras bolsonarianas e se dizem arrependidos. Em alguns casos acreditamos até que a falta de informação os tenha levado a tanto. 

    A Hastag que vem sendo repetida de que somos 70% sugere a construção de uma frente ampla, suprapartidária para resistir a essa tempestade. 

    Ontem vimos uma matéria com o mega empresário Jorge Paulo Lemann, em que ele se mostra perplexo com os rumos da normalidade democrática do país e com os ataques às demais instâncias de poder e propõe exatamente isso, uma frente de resistência.

    Outro a se pronunciar foi o ex Governador de São Paulo e apoiador da aventura Bolsonariana, Geraldo Alckmin. Ele se diz surpreso com o curso dos fatos políticos e alega não ter conhecimento do comportamento de Bolsonaro, insinuando ter sido enganado por ele. 

    Ora, Alckmin! Você foi deputado federal por várias legislaturas, conviveu com a fragilidade intelectual de Bolsonaro, observou seus rompantes e suas bravatas e agora alega que não o conhecia? Poupe-nos!  Uma vez tucano sempre tucano!  

Aguardemos!
Artigo anteriorAtaque ao Projeto Tamar
Próximo artigoO Sabiá e o Gavião
Relacionados

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...