fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Água nossa de cada dia - Parte 2
Array

Água nossa de cada dia – Parte 2

        Canal do PISF- Monteiro PB.

Por: João Vicente Machado

O golpe

Com a extinção do BNH em 1986, o saneamento básico ficou sem identidade e sem um endereço. Perambulava de Ministério em Ministério, até o inicio dos governos Lula/Dilma, que através do PAC, injetaram  um volume significativo de recursos que permitiu um grande salto de qualidade no saneamento básico.  

Agora, no governo do ex capitão, novamente o saneamento básico  voltou a ser  o primo pobre das ações de governo, com a velha desculpa da falta de recursos, embora Paulo Guedes esteja sentado em cima  em R$ 500 bilhões de reais, dos quais R$ 370 bilhões deixado por Lula/Dilma. Pretende engordar o superávit primário e ser entregue à banca internacional.

As pizzas orçamentárias mostradas no texto anterior, insuspeitas por serem relatórios oficiais do Banco Central, mostram essa sangria desatada.

O que foi realizado até o presente, deveu-se as iniciativas dos governos estaduais que têm investido com receita própria, ajudada pela criatividade e competência dos profissionais da área, formados ao longo do tempo e  transformados numa tropa de elite   que somente o serviço público  pode formar e qualificar. 

Mesmo assim e com toda restrição financeira que lhes foram impostas os estados, conseguiram  fazer o que lhes foi possível, transformando o pouco em muito e realizando  uma obra que se não foi plena e grandiosa, foi o que os recursos disponíveis permitiram construir.

Longe de nós acharmos que estamos bem e  satisfeitos! 

Poderíamos estar bem melhor, não fora a indiferença, a insensibilidade e a falta de compromisso com a saúde pública de sucessivos governos. Saúde pública sim, ou alguém duvida que a secretaria de saúde da Paraíba é a CAGEPA?

Quando hoje cooptam a imprensa oficial ou as milícias digitais para exibir números assustadores sobre a performance do saneamento básico no Brasil,  escondem  a questão de fundo  para justificar toda incompetência  própria, como sendo uma falha do serviço público que os neoliberais demonizam.

Ora, se temos atualmente 205 milhões de habitantes e desse contingente 15 milhões não têm água, bordão que repetem insistentemente, é porque 190 milhões de habitantes tem. Quem foi então o autor desse feito, o setor privado? 

Alegam que  100 milhões de pessoas  não têm esgotos, mas não dizem que 105 milhões tem o que nos obriga a mais  uma vez perguntar,  quem foi o responsável por essa obra, o setor privado? 

Talvez o leitor não saiba mas as iniciativas intentadas na Paraíba até hoje com o setor privado, resultaram em fracasso e o exemplo maior foi a Parahyba Water Company do inicio do século XX, que foi dissolvida por incompetência, se não me engano no governo Solón de Lucena.

O governo do ex-capitão vinha numa escalada célere  de desmonte do estado que foi de certa forma contido temporariamente  pela Covid 19, fato que deixou o ecUnomista Paulo Guedes em maus lençóis pelos compromissos com  grupos econômicos, principalmente os bancos, que estão  na sua origem, no seu DNA.

Sabemos que ele não foi nomeado ministro  para cuidar da nossa economia, mas sim para fazer o jogo   do sistema financeiro do qual é egresso, como fundador e dono do banco pactual.

Pois bem, quando a pandemia se revelou e exigiu recursos públicos para controlá-la, ao invés de lançar mão das reservas acumuladas, ele começou a esbravejar, ameaçar e intimidar a opinião pública para acelerar a venda de ativos e  entregar a mercadoria que havia negociado.

Ora, se já tinham arruinado a engenharia nacional com a operação lava jato  que ia matando as vacas uma a uma  para acabar o carrapato; se desmontaram a indústria naval para falir os estaleiros;  se estão destruindo criminosamente a  indústria de prospecção e refino de petróleo; se feriram de morte a  indústria de transformação; se alienaram  os aeroportos, os portos, as estradas, as ferrovias etc.,  o que restava?  o saneamento básico, para o qual eles se voltaram com um apetite leonino ate aprovar o PL4162/2019.

A pergunta que não quer calar é uma só, como é que um recurso natural insubstituível como a água é transferido à iniciativa privada para virar mercadoria e ser submetida à lógica do lucro? 

Quando afirmamos que a água é insubstituível é porque a água só pode ser substituída pela água. Energia tem várias formas de geração: eólica, solar, térmica, biomassa, etc. e a água nossa de cada dia?  Nada a substitui, a não ser própria água. 

Contudo não nos quedemos achando que a história chegou ao fim. Agora vai ser intensificada uma luta mais ampla que os movimentos sindicais e sociais já vinham  travando de há muito, mesmo diante da incredulidade de alguns. 

Engana-se quem  pensa que nos rendeu! Agora teremos o apoio e a participação do povo, o maior prejudicado,  nessa luta que agora é de todos.

Que o trabalhador da CAGEPA  seja doravante ainda mais eficiente e eficaz do que é atualmente, para responder com mais solicitude e celeridade às demandas da população, estando  sempre atento e   vigilante com relação à gestão da empresa, combatendo injunções nefastas.

Esse tema é muito longo e descrevê-lo em um  ou dois textos  seria muita pretensão de nossa parte,  até porque o processo é dinâmico,  dialético e a partir daqui a comunicação será no gogó.

Domingo, dia 28/06/2020 às 10h, estaremos conversando sobre o tema com o companheiro José Reno de Sousa, presidente do SINDIAGUA, trocando ideias numa live sobre esse   tema. Contamos  com a sua audiência, a sua divulgação  e a sua participação. 

Já no dia 09/06/2020 por convite da vereadora Sandra Marrocos, estaremos mais uma vez conversando  sobre essa questão de interesse comum e oportunamente divulgaremos a plataforma a ser utilizada e o horário da live.

Non Passaran! Vamos à luta! Adelante companheiros!!

 

Barragem de Acauã


Artigo anteriorÁgua nossa de cada dia – Parte 1
Próximo artigoRecomeçar
Relacionados

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...