fbpx
25.1 C
João Pessoa
Início Nordestinando
Array

Nordestinando

  

Por: João Vicente Machado

 Era seletivo e tinha um olho mágico que lhe permitia enxergar a qualidade de grandes compositores.  Luiz Gonzaga  reuniu em torno de si vários compositores qualificados para respaldar a saga musical que construiu, ao longo da sua fecunda caminhada . 
Ex: João Silva, Onildo Almeida, Rosil Cavalcanti, Patativa do Assaré, Jacinto Silva, José Clementino, Antônio Barros, José Fernandes, Beduíno e até Raymundo Asfora. 

  ‘Mas o real tripé de qualidade que rei do Baião conseguiu juntar foi o que eu costumo chamar a Santíssima Trindade da música popular nordestina e tem como personagens dois cabras do Pajeú das Flores e um do sertão do Ceará. São eles: Zé Dantas, Zé Marcolino e Humberto Teixeira, respectivamente.

  Humberto Teixeira era chamado por ele o Doutor do meu Baião e foi o primeiro. Há até quem credite à dupla o mérito de reinventar e nordestinizar o Baião. Esse era do Iguatu no sertão do Ceará e era o mais urbano dos três.

  Zé Dantas era médico e originário de Carnaíba no Vale do Pajeú em Pernambuco, terra de Luiz Gonzaga. Era romântico e por ser de uma jazida de poesia, expressava no seu bordado musical, “a terra, o homem e a luta” no dizer de Euclides da Cunha. É da autoria dele a famosíssima toada Vozes da Seca, que encerrava um protesto contundente, aliais um dos primeiros da música popular brasileira.

 Zé Marcolino, paraibano de Sumé, de quem já falei nesse Blog e oportunamente voltarei a fazê-lo, além de sanfoneiro e também cantor, foi um poeta cuidadoso com a métrica e a rima e usava muito a rima rica que era o seu forte. Morreu prematuramente num acidente de carro próximo a Carnaíba, terra de Zé Dantas. 

 O texto que se segue é de Humberto Teixeira e foi publicado no jornal Diário do Nordeste, edição de 05 de janeiro de 2005. O resto é com a caneta de Humberto Teixeira: “Se o Baião é bom sozinho, que dirá Baião de Dois.” 



 O BAIÃO 
 O ritmo cadenciado e uniforme, marcando na viola nordestina a peculiaríssima divisão musical das cantigas caboclas… O passo da dança, miúdo e recortado, no embalo da sanfona, tal como se até dançando manifestasse o sertanejo aquele certo pundonor de ser alegre; traço vivo e marcante, característica de um povo que se habituou a viver em sofrimento… A linha melódica sentimental, de uma beleza mística e singela, típica da gleba, e que a técnica musical do Sul tenta debalde fixar na pauta ou prender em um binário, aceitável talvez, bem longe do genuíno e do perfeito… O aboio do vaqueiro consolando a rês magra no seu modo através da terra calcinada, de onde desapareceu o último xique-xique… O voo derradeiro da Asa Branca fugindo à fornalha crepitante da seca… O caboclo que emigra para fingir que vive em outras terras… O ouro do sol, o fogo do sol, a ira do sol… Aquela saudade cearense, doce e terna, tão diferente das demais saudades, responsável pela comunicativa tristeza que tão comumente se vê em olhos de exilado… A primeira chuva fina e peneirada, anunciando a fartura que vem que canta e se diverte… O cheiro gostoso da terra molhada lembrando o cheiro da cabocla do sertão… O Aracati ciciando entre palmeiras e carnaubais… O grande festival do verde se espalhando, qual mar de clorofila, por toda a plantação… A doce Iracema… A triste jandaia… As trovas matutas de Leonardo Mota… A viola do cego Aderaldo… As sextilhas dolentes de Juvenal Galeno… As cantigas de Capiba e de Zé Dantas… “O Quinze” de Rachel de Queiroz… O apego topográfico de Nestor de Hollanda e Fernando Lobo… A retraída sensibilidade de Magalhães Júnior… As histórias de Zé Lins do Rego… A extraordinária musicalidade de Guio de Morais, de Sivuca e do “nordestino” Hervé Cordovil… A voz de Carmélia Alves, outra “nortista” que também nasceu nas bandas de cá… O Balanceio de Lauro Maia, do grande Lauro Maia… A sanfona mágica de Luiz Gonzaga, embaixador sonoro do sertão… A contribuição rítmica, melódica e lírica das terras ensolaradas ao grande concerto orquestral da Pátria comum… A sonoridade triste da minha lira canhestra… As endechas sem métrica da minha musa capenga… ´? Isso, tudo isso, é o Baião!


Artigo anteriorA aurora e o acaso
Próximo artigoSextou humorado
Relacionados

A primeira entrevista publicada no Brasil

Em 1808, quando D. João chegou ao Rio de Janeiro, fugindo das tropas de Napoleão que haviam invadido Portugal, trouxe na sua imensa bagagem...

Mês dos pais

Conceituam-se os fenômenos para atender às necessidades, sejam de mercado, sejam de conveniência, mas conceituar transforma o simples no complexo e o certo no...

O que é Depressão?

A depressão é um transtorno que envolve o corpo, o humor e os pensamentos. Ela interfere no cotidiano, nas relações sociais, nas relações familiares...

4 COMENTÁRIOS

  1. Bom dia amigos.
    Encontrei esse texto de Humberto Teixeira escrito para o jornal diário do nordeste em maio de 2005 e resolvi publica-lo.
    Entendo que foi um grupo que elaborou música nordestina popular de muita qualidade e os de hoje precisam ver, saber que existiu, saber que é possível e conhecer qualidade musical.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

A primeira entrevista publicada no Brasil

Em 1808, quando D. João chegou ao Rio de Janeiro, fugindo das tropas de Napoleão que haviam invadido Portugal, trouxe na sua imensa bagagem...

Mês dos pais

Conceituam-se os fenômenos para atender às necessidades, sejam de mercado, sejam de conveniência, mas conceituar transforma o simples no complexo e o certo no...

O que é Depressão?

A depressão é um transtorno que envolve o corpo, o humor e os pensamentos. Ela interfere no cotidiano, nas relações sociais, nas relações familiares...

Macacos não transmitem a varíola

O Brasil está mais vez está enfrentando uma pandemia diferente. Dessa vez é a varíola dos macacos (do inglês monkeypox). Essa varíola apresenta sintomas...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Afinal de Contas Que Canal é Esse?

Canal é um dispositivo hidráulico usado para transporte de água, muito conhecido de todos nós, desde a primitiva levada de terra, até os canais...