fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Canudos não se rendeu
Array

Canudos não se rendeu

Por: João Vicente Machado
    O genial escritor Euclides da Cunha   deixou uma obra escrita que eu considero um dos melhores,  senão o melhor, dos livros que já tive oportunidade de ler. Trata-se de Os Sertões.

     Como  jornalista  e  escritor, Euclides saiu da zona de conforto e veio aos sertões da Bahia com a missão de descrever a Campanha de Canudos.

    Engenheiro militar e afeito à geologia antropológica, ele decompôs  a obra em três partes :
  •     A terra
  •     O homem
  •     A luta

    Ao descrever   a  terra,    ele   dá  uma  verdadeira  aula de geologia, começando    a     sua   narrativa   desde   as   escarpas  costeiras   e íngremes   da   Serra  do   Mar,   em    Santa  Catarina   até   a    costa  nordestina do  sul  da  Bahia.   Essa  é   a  parte  mais  árida  do  livro que,     pela      minha    formação    de     engenheiro   e  curioso na morfologia   do   solo,  consegui  atravessar  e   chegar a  segunda parte da  leitura.

    Isso,  para   um sertanejo,   matuto     “praticante   e   juramentado” como  eu,  foi  uma  delícia que vez por outra releio.

     A   fotografia  fala por si  só e,  agora   mesmo,  eu vejo a pena  de Euclides  escrevendo:

O umbuzeiro é a árvore sagrada do sertão. Sócia   fiel   das   rápidas  horas   felizes  e longos dias amargos dos vaqueiros.”

   Por fim, a terceira e última parte do livro que narra em detalhes a guerra de Canudos, descrevendo nas entrelinhas  a  liderança   inconteste  de  Antônio  Conselheiro,  a capacidade  de  articulação política   de João Abade,   além   da  coragem,    da  bravura   e  da estratégia  de Pajeú e seus comandados.

    Pajeú  era   um  negro   pernambucano originário   da    região  do Pajeú  das  Flores,  que  incorporou-se  ao  grupo e  revelou-se um líder   guerrilheiro  ardiloso, além  de  um  exímio  estrategista   que   nunca    frequentou   qualquer  academia  militar,  tornando-se  um  marechal de campo da campanha.
     Enfrentou  com  armas artesanais e  derrotou  as duas primeiras expedições  de guerra  do exército  em ação conjunta com a polícia  baiana,   sendo    derrotado   na   última  e mais cruel  expedição  de guerra,   que  incorporou  5 mil soldados armados até os dentes, inclusive com o uso pioneiro  da   metralhadora que  os  combatentes  chamavam a matadeira.
     O   único senão   que    eu  tenho   de    Euclides  é  muito pessoal, e  diz   respeito    apenas   a    interpretação    que   ele  confere   ao conflito,  por considerá-lo   não  uma mostra  da fome e da miséria numa nítida divisão de  classes, mas  um amontoado de fanáticos, o que cá pra nós não é verdade.

     Ele incorporou a visão da Casa Grande divergindo de Rui Faco  e do próprio Gilberto Freire,   embora encerre o livro com  o magistral trecho  redentor de parte da sua falha:

           “Fechemos esse  livro, Canudos não se rendeu“.
  Exemplo   único   em   toda   história,   resistiu   até  o   esgotamento completo.  
    Expugnado   palmo   a   palmo  na   precisão  integral  do termo, caiu no  dia  5 ao entardecer,  quando  caíram  seus últimos  defensores, já   que   todos   morreram.
     Eram   quatro  apenas: um velho,   dois   homens   feitos e  uma   criança,  na  frente  das  quais rugiam raivosamente 5 mil soldados.

Relacionados

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

5 COMENTÁRIOS

  1. Em 1893, quando Antonio Conselheiro chegou no povoado de Canudos, acompanhado por centenas de sertanejos ex-escravos, doentes, sem terra e desempregados. Ali implantou uma nova ordem no modelo do evangelho cristão: onde todos eram iguais enquanto filhos de Deus.
    A paz, esperança e caridade, além da dignificação do trabalho chamou atenção de outros sertanejos que vendo possibilidade de uma vida melhor e livre,se deslocaram dos lugarlugares mais distantes e das redondezas para Belo Monte e para o mundo de Antônio Conselheiro.
    Com o crescimento demográfico acelerado, o exemplo de solidariedade e resistência, Canudos e Conselheiro passou a ser odiado pelos poderosos da Bahia e perseguido pela Igreja, Estado e autoridades judiciais até morte.
    Como sempre aconteceu e acontece no mundo com quem mata a fome e proporciona uma vida digna aos miseráveis,assina sua sentença de morte, pois, os exploradores do suor, do sangue e da alma dos menos favorecidos não perdoa tamanho crime.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...