fbpx
25.1 C
João Pessoa
Início Notícias Sensibilidade, Escrita da Alma

Sensibilidade, Escrita da Alma

Por: Cristina Couto
As sociedades vivem em muitas épocas e deixam como herança para o futuro sinais através de escritos, retratos, objetos que acabam por decifrar os sentimentos que um dia moveram a vida dessas gerações fomentando valores e  virtudes e condenando vícios e pecados. Para compreender o passado se faz necessário pesquisar e analisar a história cultural da qual pertencemos, pois carregamos velhos hábitos e manias tão impregnados que nem mesmo percebemos, criamos mundos paralelos cheios de representações, de símbolos, signos e sinais colocados no lugar da realidade.

A sensibilidade como aventura da individualidade é capaz de captar as razões e os sentimentos que dão qualidade a realidade e a expressão das emoções que o ser humano foi capaz de dispensar a si próprio e ao mundo em cada momento da história. São esses sentimentos que acabaram se tornando um grande desafio na abordagem e mensuração para corrente historiográfica que trabalham com as representações dos homens através do tempo.

As sensibilidades expressam o conhecimento do mundo e vai além do conhecimento cientifico; tais sensações não brotam do racional e nem das construções mentais. A sensibilidade aparece no espaço anterior a reflexão, é o que brota do corpo,  uma reação, uma resposta a realidade.  É a sensibilidade que e se traduz em reações quase imediatas quando os sentimentos são afetados por fenômenos físicos ou psíquicos uma vez em contato com a realidade.

As sensibilidades são também manifestações do pensamento e do espirito, depois que a relação originaria é organizada, interpretada e traduzida, e depois transformadas em sentimentos e afetos. Seria uma segunda fase, ou seja, uma junção das experiências e das lembranças.

A relação do homem com a realidade é uma herança clássica definida por vários filósofos através dos tempos e dos espaços por eles vividos. Na Roma antiga, Lucrécio e Epicuro diziam ser a realidade apreendida pelos sentidos, na Grécia, Aristóteles e Platão diziam ser pela mente inaugurando a filosofia ocidental. E foi entre o materialismo de uns, a espiritualidade de outros que o mundo foi clareando, abrindo leques de hipóteses e possibilidades transmitidas pela capacidade humana de transpor, existir e criar imagens e conceitos sobre o mundo.

O corpo conhece através da sensação e a alma através dos sentimentos transformados pelas sensações. Sentir é conhecer, os olhos veem coisas visíveis, a inteligência forma conceitos. A alma vê com as sensações, os sentidos, ela sente e ver por meio do corpo que é também uma forma de conhecer.

O ser humano é ambíguo, a animalidade produz passividade, insensibilidade, enquanto o espirito inova, a subjetividade é o resultado dessa inovação.

Utilizando a teoria peirceana, a Semiótica Aplicada que lida com os conceitos, as ideias estudando os mecanismos de significação que se processam natural e  culturalmente e se manifestam nas pessoas em três etapas: primeiridade, segundidade e treceiridade, alicerces de sua teoria, levando em conta tudo que se oferece ao nosso conhecimento, exigindo de nós a constatação de sua existência, e tentando distinguir o pensamento do ato de pensar racional, ele diz  que toda experiência é percebida pela consciência nas etapas em questão: qualidade, relação (primeiridade); posteriormente substituída por Reação e representação (segundidade); trocada depois por Mediação (terceiridade), reproduzindo a experiência do vivido e a reconfiguração do sentimento.

Embora o passado encerre suas experiências de maneira singular de representação e percepção do mundo, os registros que ficam permitem ir além da escrita, das letras é só saber ler e interpretar, nas entrelinhas, nas lacunas, no silêncio, pois o vazio daquele papel se escondem segredos e histórias de um tempo que se escoou.

Quando li “Sensibilidades na história: memórias, singulares e identidades sociais”, organizado por Sandra Jatahy Pesavento e Frédérique Langue, automaticamente fui remetida a uma análise que fiz de duas canções de Chico Buarque para o meu próximo livro que nem sei se será mesmo próximo. Pronto está, mas está no prelo sem previsão de sair.

As canções em questão são: Todo Sentimento e Futuros Amantes que dei o nome de Todo Sentimento de uma estranha civilização ao capítulo a qual pertencia. As duas canções falam de tempo, uma no presente de forma urgente e a outra no futuro de forma paciente. O tempo nos dois casos vem definir o espaço e limitar a durabilidade do sentimento. Ele é responsável pela transformação desse sentimento e na fusão dos dois elementos (tempo e amor) há uma integração, depois, se entregam e com o tempo se desintegram.

O compositor nos fala de uma transformação, uma espécie de metamorfose do sentimento, um tempo sábio que refaz o que desfez. Dos sentimentos que depois de materializados nos espaços construídos, fala do real e do não real, do sabido e do desconhecido, das intuições, das invenções e da interpretação.  Depois tudo é remetido ao mundo do imaginário, do conjunto de significações construídas pelo mundo, é a realidade do sentimento, do vivido. Onde até os sonhos são realidades do sentimento. É a união do corpo e da alma. É a experiência sensível de outro tempo pelos rastros que deixou.

Na segunda canção o tempo em Futuros Amantes é o que sugere o próprio título (futuros), é para depois, sem pressa e sem expectativas. Ele fala da existência de cartas com eco de antigas palavras, de fotografias, poemas, mentiras e roupas que serão descobertas por pesquisadores e através do material saberá a quem e a qual civilização pertenceu, quais os costumes, o modo de vida, comportamento social, a escrita, a paisagem, modo de vestir e toda a cultura daquela estranha civilização.

Relacionados

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

2 COMENTÁRIOS

  1. A sensibilidade e capacidade de elaborar é uma tônica nos escritos de Cristina Couto que para nosso orgulho se somo conosco nesse blog.
    A. Mim o orgulho é maior por ver na escritora aquela menina nascida no sítio volta lá na nossa Lavras da Mangabeira.
    Tenho certeza que ainda produziremos juntos muito mais informações para a nossa gente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...