fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Notícias Panelaços

Panelaços

Por ;João Vicente Machado
   O som extraído de panelas é uma forma criativa de protesto genuinamente brasileira, nascida na cidade do Rio de Janeiro, lá pelos idos de 1983/1984, quando a nação não tolerava mais a ditadura militar. Depois disso, esse tipo de manifestação espalhou-se pelo Brasil e passou a ser usado como sinal de insatisfação.

   No segundo mandato da presidenta Dilma Roussef, as panelas foram tiradas das cozinhas de classe média para, do alto dos terraços gourmet, sonorizarem a escalação do golpe parlamentar que foi ensaiado e perpetrado pelas elites, com o apoio da pendular classe média brasileira.

  Ela, a classe média, sempre acompanha o tic tac da política igualmente a um relógio pendular, que ora vai para esquerda quando lhe convém, hora vai para direita, o lado das suas miragens de classe. Foi assim no movimento das diretas já, quando pendeu para a esquerda, onde lá estavam: Lula, Leonel Brizola, Miguel Arraes, Waldir Pires, Ulisses Guimarães, Teotônio Vilela, Franco Montoro, Tancredo Neves, Mário Covas, Roberto Requião, Pedro Simon e até mesmo os oportunistas Fernando
Henrique Cardoso e José  Serra. Tudo por mera questão de sobrevivência e já em processo de adaptação a redemocratização iminente, com o mimetismo que lhe é característico.

    Agora, ao pressentirem a agonia terminal do desastrado governo Bolsonaro e verem o povo protestar nas ruas contra as suas sucessivas trapalhadas, os terraços gourmet voltam à cena, acendem as suas luzes e novamente mostram o brilho e o som das panelas, tal qual os sons de sinos que dobram, nos fazendo refletir que o contágio tem amplidão e o momento é de união de todos em prol da saúde coletiva. A transgressão dessas premissas de quarentena poderá nos levar a óbito.

    “Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou  parte do  gênero  humano. Por isso, nunca perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.”

John Donne

Relacionados

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

A verdadeira face de Jesus

Em que pese a nossa condição de ateu, nascemos num lar cristão. Portanto não nos constrange revelar a nossa identidade com as práticas cristãs....

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...