fbpx
20.1 C
João Pessoa
Início Notícias Madame Natasha e o relatório de um Prefeito nordestino

Madame Natasha e o relatório de um Prefeito nordestino

Por: Flávio Ramalho de Brito

    Madame Natasha é uma personagem criada pelo jornalista Elio Gaspari em sua coluna publicada na Folha de São Paulo e em vários outros jornais. Ela é uma Professora de Português, vigilante na aplicação do idioma e que concede bolsas de estudo para aqueles que se expressam de forma empolada e afetada para tentar dar a entender que são possuidores de conhecimentos inacessíveis aos pobres mortais. São os destinatários do Curso da Madame Natasha aqueles ditos especialistas em matérias nas quais se pronunciam, sempre em circunlóquios e alongados parágrafos, com termos intrincados, para declarar obviedades que poderiam ser escritas em uma ou duas linhas ou mesmo em poucas palavras. Como isso vem ocorrendo com muita frequência as vagas do Curso de Madame Natasha são insuficientes para atender a crescente demanda. Um dia desses, comprei um livro escrito por um daqueles luminares da USP. O primeiro parágrafo tornava-se intransponível. Eu lia, relia, e nada. Fiquei emperrado. Parecia que o autor queria concentrar naquelas palavras introdutórias todo o saber que acumulara desde os tempos da sua alfabetização. De nada me valeram aqueles rudimentos da língua de Camões que recebi, em Campina Grande, do velho professor e gramático Anésio Leão, de Celso Pereira e de Moacir Carneiro. A propósito desses tipos que teimam em escrever e falar difícil, me lembrei de um episódio que, dizem, teria ocorrido com o ex-governador da Paraíba Ernani Sátiro. Ao fazer uma explanação qualquer em uma reunião, um secretário do seu governo mencionou o termo “precipitação pluviométrica”. Ernani se mexeu na cadeira. O auxiliar continuou sua exposição e, de novo, saiu a tal da “precipitação pluviométrica”. Ernani Sátiro, com a “paciência” que o caracterizava, interrompeu a fala do secretário e perguntou: Amigo velho, o é que você tem contra a palavra chuva?
    Alguém pode estar se perguntando, o que tem a ver o Prefeito do título com Madame Natasha? Vou explicar: Em 1929, um Prefeito de uma pequena cidade do interior nordestino apresentou ao governador do seu Estado o relatório das atividades da Prefeitura referente ao ano anterior. A forma da escrita do relatório anual era tão insólita e inusitada que despertou a curiosidade geral. O espanto devia-se a uma única razão: o documento era escrito de uma forma extremamente simples, de cristalina compreensão e utilizando as palavras do dicionário do cotidiano. A redação era inteligível por todos. Vou exemplificar com alguns trechos tirados do relatório, corrigindo-os para a ortografia atual: “dos funcionários que encontrei restam poucos: saíram os que faziam política e os que não faziam coisa nenhuma”; “não sei se a administração do Município é boa ou ruim, talvez pudesse ser pior”; “no cemitério enterrei 189$000 – pagamento ao coveiro e conservação”; “Convenho em que o dinheiro do povo poderia ser mais útil se estivesse nas mãos, ou nos bolsos, de outro menos incompetente do que eu; em todo o caso, transformando-o em pedra, cal, cimento, etc., sempre procedo melhor que se o distribuísse com os meus parentes, que necessitam, coitados”; “Em Janeiro do ano passado não achei no Município nada que se parecesse com lei, fora as que havia na tradição oral, anacrônicas, do tempo das candeias de azeite”; “Procurei sempre os caminhos mais curtos. Nas estradas que se abriram só há curvas onde as retas foram inteiramente impossíveis”; “Não favoreci ninguém. Devo ter cometido numerosos disparates. Todos os meus erros, porem, foram erros da inteligência, que é fraca. Perdi vários amigos, ou indivíduos que possam ter semelhante nome. Não me fizeram falta. Há descontentamento. Se a minha estada na Prefeitura por estes dois anos dependesse de um plebiscito, talvez eu não obtivesse dez votos”.
    O relatório causou tamanho rebuliço que foi bater nos jornais do Rio de Janeiro. Lá, um atento editor, ao tomar conhecimento do documento, imaginou: “Esse Prefeito só pode ter um romance na gaveta”. E ele tinha. Aquele Prefeito do município de Palmeira dos Índios, em Alagoas, chamava-se Graciliano Ramos de Oliveira. Para muitos, entre os quais eu pretensiosamente me incluo, é o maior escritor brasileiro de todos os tempos.


    Em 1938, em entrevista dada ao jornalista Joel Silveira, Graciliano Ramos dava a receita para se escrever sem que fosse preciso cursar a Escola de Madame Natasha:
    “Quem escreve deve ter todo o cuidado para a coisa não sair molhada […] Quero dizer que da página que foi escrita não deve pingar nenhuma palavra, a não ser as desnecessárias. É como pano lavado que se estira no varal […] A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso, a palavra foi feita para dizer.”
Para quem se interessar em ler, o relatório do Prefeito Graciliano Ramos está disponível no sítio:

Artigo anteriorA noite dos generais
Próximo artigoDitadura MIlitar
Relacionados

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

2 COMENTÁRIOS

  1. Olhaí Flavio Ramalho, coincidência ou não o seu artigo foi bater na folha de SP.
    Pela qualidade dos seus artigos vc está habilitado para a 3a profissão, talvez a que deveria ter sido a 1a.
    Siga em frente como escritor/historiador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...