fbpx
23.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto IMPÉRIO DO BACAMARTE: O clássico de Joaryvar Macedo

IMPÉRIO DO BACAMARTE: O clássico de Joaryvar Macedo

No dia 04 de março participei com muita honra do lançamento da 4ª Edição do livro Império do Bacamarte do nosso saudoso confrade e conterrâneo, Joaryvar Macedo. Orgulho da nossa terra e do Ceará.

A tão esperada reedição foi o momento mais significado e ansiado no mundo da literatura cearense. A obra Império do Bacamarte traz a tona tempos dramáticos, e, difíceis para os habitantes do Vale do Salgado, Vale do Pajeú e Vale do Piancó. A disputa de poder entre os coronéis em defesa da propriedade, dos cangaceiros em represália ao descaso do poder público e a utopia cega dos beatos proporcionaram riqueza e poder a uns e a sobrevivência miserável da grande maioria.

A sede de justiça, o anseio por uma vida melhor e o desprezo nas quais viviam as populações sertanejas do século XIX e nos três primeiros decênios do século XX, as tornaram extremamente atraídas para misticismo, o sobrenatural e o milagre. Ignorantes, vulneráveis, miseráveis e desprotegidas viviam debaixo das botinas dos coronéis, do terror dos cangaceiros e da fé cega do fanatismo religioso.

Enquanto, no Sul do Brasil a República dava seus primeiros passos, aqui no Sul do Ceara, reinava absoluto um poderoso Império, onde o trono era a cadeira de balança dos coronéis, a coroa o chapéu dos cangaceiros e o cetro o rosário dos beatos. Nunca se presenciou tanto poder e tanto desmando. O poderio do Bacamarte acabou gerando o famigerado Império do Bacamarte, da força e das armas operando abertamente e prestigiosamente no mais amplo sentido da palavra.

Fonte:http://blogdomendesemendes.blogspot.com/2019/11/a-guerra-no-sertao-e-o-novo-cangaco-86.html

Conhecedor da história regional, e assim como todos nós lavrenses, ouvíamos tais histórias de forma pejorativa, desagradável e com um certo ar de reprovação. Usando da sua genialidade e aguçando seu faro de pesquisador, Joaryvar Macedo, encontrou documentos e antigas publicações que mostraram a importância de tais acontecimentos para a história do Ceará, do Nordeste e do Brasil. A região do Cariri era de fato o berço da aristocracia cearense, as famílias abastadas que por estas terras residiam eram ricas, poderosas e prestigiosas. Num tempo onde o Estado de Direito não existia e as Leis eram ditadas por elas.

Podemos afirmar que com O Império do Bacamarte, Joaryvar Macedo contribuiu efetivamente para um melhor conhecimento da nossa História e dos problemas sócios econômicos e políticos que afligiram a população caririense pelo o abandono forçado de estruturas arcaicas, dos desmandos dos coronéis, da crueldade dos cangaceiros e da credulidade dos beatos que juntos defenderam seus interesses, mataram e mandaram ao seu bel prazer.

Apoiado nas pesquisas e documentado, Joaryvar Macedo, trouxe para o centro da discussão sua terra natal, Lavras da Mangabeira, mostrou a importância daquele lugar desde os primórdios, até meados do Século XX, assim como em toda região, uma família era detentora da riqueza e do poder local. Em Lavras não foi diferente, por lá, reinou por quase dois séculos Os Augustos, família de grande prestigio, poder e riqueza, com uma pequena diferença, o coronel de lá usava saias em vez de calças, sandálias em vez de botinas, mas, montava, lutava e manuseava o Bacamarte como um varão.

O poder de Dona Fideralina Augusto e do seu filho Gustavo era ilimitado, corajosos, valentes e ousados participaram ativamente do cenário político caririense no Ciclo das Deposições e da Sedição de Juazeiro. Acontecimentos que vieram à tona e revelaram a importância social e politica de Lavras da Mangabeira, através das pesquisas de Joaryvar Macedo, e foram registrados na sua obra O Império do Bacamarte.

No livro Joaryvar registra com tinta e caneta fatos ocorrido com pólvora e sangue que aconteceram naquelas terras há tempos atrás, nos mostrando que não havia nada de desagradável, nada pejorativo, ao contrário, a história foi assim em todo Nordeste brasileiro, e sua terra natal, Lavras da Mangabeira era tão importante e tão poderosa que disputava em pé de igualdade com todas as outras.

Como todo lavrense inteligente e sagaz, Joaryvar Macedo usou do poder da caneta e da inteligência para mostrar que Lavras da Mangabeira ao perder o poder do Bacamarte, continuou no centro do poder, agora, os intelectuais assumiram o poder deixados pelos coronéis de outrora. A pesquisa e as letras são superiores a ignorância e a força. Somos conhecidos lá fora como Celeiro de Intelectuais.

E, hoje, em 2022, Joaryvar mais uma vez ressurge e brilha, através da sua família, que nos presenteou com a 4º Edição de tão importante obra para o mundo da Literatura e da História nordestina; uma promessa feita e cumprida pelo seu genro, Hélio Santos durante o Seminário Temático Cariri Cangaço/ Edição Fortaleza, 2018.

Fonte:http://cariricangaco.blogspot.com/2021/05/o-imperio-imortal-de-joaryvar-macedo.html

Como se não bastasse à satisfação de participar do evento, ainda fui convocada pelo grande amigo lavrense, Dimas Macedo para representa-lo naquele grandioso momento. Dimas que é sobrinho e herdeiro literário de Joaryvar Macedo, sempre levou a sério e afinco o legado do tio, dando continuação às pesquisas e as publicações, enfatizando ainda, que a sociologia do trabuco que Joaryvar Macedo revela no seu livro plural e singular um clássico da Sociologia Política do Nordeste, e, um monumento literário também, pois Joaryvar já é, nos dias de hoje, o historiador maior, como será, de fato, saudado no futuro. O futuro e agora.

Crato, 04 de março de 2022.

Relacionados

O caminho silencioso das pedras

Sem perceber o tempo nos mostra o significado e o ensinamento que a natureza nos proporciona. As pedras que julgamos tão insignificantes sem prestarmos...

Chico Buarque e seus belíssimos piropos

Piropos são galanteios, são cantadas que vinham em forma de poesia e a canção passou a utilizar. (Chico Buarque, 1999). No Brasil as canções que...

Por que Belchior nos representa

Mas se depois de cantar você ainda quiser me atirar mate-me logo à tarde, às três que à noite tenho um compromisso e não...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Ter ou pertencer

Alguns acontecimentos, às vezes, em lugares tão opostos, conseguem nos tocar, e, acredito que isso acontece, pela ligação que possuímos uns com outros, mesmo...

E viva São João !

A fogueira já estava acesa. Da calçada, era possível ver o clarão de tantas outras, das casas vizinhas à nossa, no sítio Glória. Eu,...

Varíola do Macaco

Clinicamente, a varíola símia é semelhante à varíola; entretanto, as lesões cutâneas ocorrem com mais frequência em surtos e a linfadenopatia ocorre na varíola...

Fogueiras e fogos ainda causam transtornos à população nos festejos juninos

Em plena segunda década do século XXI, as fogueiras e os fogos, principalmente os sonoros, incomodam a população das pequenas e grandes cidades que...

Mais Lidas

O Contorcionismo Econômico do Governo Federal

O atual governo federal assumiu em janeiro de 2019, trazendo o ministro da economia Paulo Guedes a tiracolo, desde o período da campanha. Paulo Guedes...

Palavras

Curioso que o ser humano desde sempre foi capaz de produzir imagens, inclusive, desde que nascemos e nos é dado um lápis e papel...

O cearense que engarrafava brumas

Na música popular são muito comuns as parcerias na elaboração de canções. Nas composições feitas por mais de um autor as contribuições dos parceiros...

Varíola do Macaco

Clinicamente, a varíola símia é semelhante à varíola; entretanto, as lesões cutâneas ocorrem com mais frequência em surtos e a linfadenopatia ocorre na varíola...