fbpx
29.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto Afonso Banhos - O filósofo Lavrense

Afonso Banhos – O filósofo Lavrense

 

O prazer de ler, pensar e filosofar potencializou o homem Afonso Banhos e o colocou no mais alto patamar da intelectualidade cearense do seu tempo. Ler melhora nosso pensamento, alimenta nossa alma e nutre nosso intelecto. Filosofar é pensar, é também fazer uma leitura do mundo. Foi assim que Afonso Banhos equacionou seus artigos e seus escritos, em uma obra preciosa e, acima de tudo, filósofica. Obra, hoje atualizada e ampliada em um livro, escrito pelo nosso conterrâneo, intelectual e, acima de tudo, amigo, Dimas Macedo, que com muita maestria expressou e registrou os escritos do filósofo lavrense Afonso Banhos.

No livro – Afonso Banhos: Ensaios de Filosofia (Fortaleza: LCR, 2013) – , Dimas nos propõe, não só analisar os fundamentos lógicos do conhecimento, mas fazer a reconstrução da filosofia da qual Afonso Banhos mergulhou. A história e sua análise de significação colecionaram inúmeros argumentos que nos trazem a sua verdadeira clareza, e nos fazem ver que o material histórico não possui a inercia estabilidade, mas a plasticidade fluida dos impulsos do espírito que, graças à sua sensibilidade, pode chegar a uma análise de significação, com o objetivo de alcançar uma visão global do histórico, de um espetáculo de momentos, e não apenas de fatos. A história cronológica é apenas uma sucessão de acontecimentos datados, desordenados e arranjados que para o filósofo da cultura nada mais interessa a não ser os instantes promovidos pela significação de dado momento ou de dada cultura.

Como um bom filósofo, Afonso Banhos debruçou seus pensamentos e reflexões sobre a morfologia da história brasileira, e com a astúcia de uma águia e a sabedoria de uma coruja, observou que a falta de ligação entre os fatos, e o otimismo aparente dos acontecimentos causaram incertezas nos fenômenos sócio-históricos brasileiros.
Notas muito pertinentes para o mundo acadêmico dos nossos dias, pois estamos passando a história do Brasil a limpo.

Conhecer os escritos de Afonso Banhos é mergulhar no poço da filosofia de onde se bebe do saber dos mais conceituados filósofos da era moderna, como Kant e Hegel, estes foram os primeiros filósofos por ele consultado. A máquina produtiva que foi esse filósofo lavrense lhe rendeu o protagonismo e o destaque na cena cultural de Fortaleza, frequentador que foi Afonso Banhos das rodas literárias, dos cafés e dos points de grande efervescência.

Afonso foi um dos criadores da secção cearense do Instituto Brasileiro de Filosofia, onde integrou a primeira diretoria como secretário-geral. Deu tanta ênfase no que fez que o próprio Nietzsche poderia muito bem defini-lo: “se a tudo o que fazemos o fazemos com ênfase, todo dia será o eterno retorno de um prazer.”

Pensar e filosofar para Afonso Banhos era um prazer; descobrir lavrenses e revela-los tem sido a missão de Dimas Macedo, e o que tornam esses dois homens especiais são o estado de ser do filósofo e a sagacidade do poeta, ou seja: assim como Afonso Banhos nos presenteou com seus fragmentos filosóficos, o nosso querido Dimas Macedo teve o cuidado e a competência de organizar e o compromisso de publicar os seus escritos, descortinando nas suas páginas nesse livro o talento de um homem há muito esquecido.

Ler é uma forma de pensar. E pensar é uma forma de ver o mundo. Foi lendo, pensando e filosofando que se deu o encontro poético-filosófico de Dimas Macedo com Afonso Banhos. Dois gigantes lavrenses que elevam o nome de nossa terra aos mais altos níveis do conhecimento e da intelectualidade cearense.

 

Relacionados

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Ainda vai levar um tempo

A vida passa lentamente E a gente vai tão de repente Tão de repente que não sente Saudades do que já passou. (Nelson Mota, 1981). Depois de 20...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...