fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Cristina Couto Do escurinho do cinema a claridade da sala de jantar

Do escurinho do cinema a claridade da sala de jantar

O cinema teve grande influência na mudança dos costumes da sociedade moderna. Os anos 50, também chamados de anos dourados revolucionou a juventude que ficou conhecida como juventude transviada. Seus atores e atrizes ditavam moda no vestir, falar, maquilar, andar e dançar. A goma de mascar, os dropes e muitas guloseimas passou a fazer parte do “kit” utilizado durante as seções de cinema, nas tertúlias, nos encontros nas praças e nas voltas de lambretas com as garotas de saia rodada, rabo de cavalo no cabelo montadas na garupa do mais moderno transporte. Novos costumes eram adquiridos pela juventude e nada mais era como antes, aterrissara no mundo uma nova época. Até o amor tronou-se hollywoodiano. Nada era mais emocionante do que ficar no escurinho do cinema.

No final da década de 1970, a cantora e compositora Rita Lee, nos presenteou com uma canção que fala da sensação do que foi a era do cinema para a sociedade que assistiu e acompanhou todas as etapas da grande tela. Na música que teve o título “Flagra”, palavra que nos remete ao momento mais temido: o de ser descoberto, fazendo algo não permitido, pois o escurinho da sala de cinema era algo mágico, um chamamento para o amor, era o que causava a sensação de se permitir aquilo que era proibido, em geral, os namorados aproveitavam àquelas horas para pegarem nas mãos, roubar um beijo e fazer carícias mais ousadas, tudo isso acompanhado de uma nova mania que invadiu os telespectadores durante as seções: os famosos “dropes de anis”, e diz a compositora toda aquela juventude estava longe de qualquer problema, estava mesmo era perto de um final feliz, tão feliz quanto aqueles momentos de suspense, expectativas para o final do filme. E aí começavam os sonhos e as ilusões que a grande tela produzia no imaginário dos espectadores, muitos suspiravam ao ver artistas em papéis românticos e maravilhosos. “Ah! Se a Debora Kerr que o Gregory Peck/ não vou bancar o santinho”, a compositora faz um trocadilho, um duplo sentido nos nomes de artistas famosos, Kerr na frase fica subtendido como o verbo querer, desejar, e o Peck se entende como pecar, completando a intenção dos jovens naquela sala. “Minha garota é Mae West, eu sou o Sheik Valentino”, agora, ela se sente, ou, brinca de ser dois famosos artistas da década de 1920 (Mae West e Rodolfo Valentino). Quando tudo está no auge, no melhor do filme aconteceu o inesperado, o filme pifou, lógico que a turma fez o que todo jovem fazia a faz: vaiou. O flagra acontece no momento que as luzes se acendem e acaba com a alegria e o entusiasmo da juventude que gozavam da liberdade que o escuro proporcionava. E assim, era o cotidiano do cinema e daqueles jovens do final da década de 1950.

Durante muito tempo o sucesso da grande tela foi invencível, mas, com o advento da televisão e sua entrada nos lares, a tela foi reduzida, o espetáculo de imagem em domicilio passou a fazer parte da vida das famílias. Não era mais preciso sair de casa para assistir filmes, tudo que o cinema oferecia podia ser visto na sala de visita com mais conforto e comodidade. O silêncio que era exigido nas salas de projeção, agora dava lugar a comentários devido ao intervalo comercial. A televisão operou uma ruptura profunda no cinema. Mas, ao contrário do que se pensava a pequena tela não acabou com a grande, muitos dos cineastas foram aproveitados na televisão, e muitos produtores de TV se revelaram no cinema. Se com o cinema os costumes mudaram com a televisão houve uma verdadeira inversão, afinal, a programação é 24 horas e acompanha o espectador em tudo que ele faz. Muitas pessoas ligam a televisão para ter a sensação que não estão sozinhas. Ela passou a fazer parte do dia a dia dos indivíduos, servindo até de companhia.

Com o acesso ao computador e depois ao celular a tela ficou cada vez menor e muito mais utilizada. Agora tudo é em tempo real, a conversa, a imagem, o que tornou a comunicação mais eficaz, tem o poder de saber onde estamos e quais os caminhos iremos percorrer. Ela é onipresente. A vida agora é vista através de uma tela, um quadrado, tudo sob controle, ou, num remoto controle: cinema, televisão, celular, janela do carro, do quarto etc. A vida pós-moderna é livre, aberta e ao mesmo tempo controlada e sem privacidade. Onde o indivíduo se protege de tudo, de todos os artefatos que a vida pós-moderna pode oferecer. Quanto mais ele se protege mais está exposto e entregue aos vícios e tentações da vida contemporânea e sempre em busca de um final feliz.

 

 

Relacionados

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Trinta Navios de Dimas Macedo

Navegar, mergulhar e voltar à tona sempre foi um desafio na vida de Dimas Macedo. Os Navios construídos por ele navegaram do Rio Salgado...

Ainda vai levar um tempo

A vida passa lentamente E a gente vai tão de repente Tão de repente que não sente Saudades do que já passou. (Nelson Mota, 1981). Depois de 20...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...