fbpx
24.1 C
João Pessoa
Início Pablo Queiroz Lopes A Ascenção da profissão farmacêutica

A Ascenção da profissão farmacêutica

Há mais de 2600 anos, os chineses, já desenvolviam seus remédios, extraindo drogas de milhares de plantas para curar doenças. Os egípcios também preparavam seus medicamentos a partir de vegetais, sais de chumbo, cobre e ungüentos de banha de leão, hipopótamo, crocodilo e cobra há mais de 1500 anos.

Na Índia, os brâmanes desenvolveram remédios a partir de 600 tipos diferentes de plantas medicinais. E na Grécia, os processos de cura aconteciam no interior dos templos, onde eram pendurados os ex-votos dos doentes quando alcançavam a cura. Eram utilizadas para a cura as chamadas fórmulas mágicas e conjuros, procedimentos que hoje não fazem parte da rotina do farmacêutico.

E a evolução e o desenvolvimento da farmácia, como atividade diferenciada, só aconteceria na Alexandria, após um período de instabilidade marcado por guerras, epidemias e envenenamentos. A farmacologia ganhou grande impulso, principalmente no tratamento de soldados abatidos nos campos de batalha.

O apoticário, no início do século II, incrementaram as diversas fórmulas existentes para melhor atender às necessidades da época. E em Bagdá, Arábia Saudita, os árabes fundaram a primeira escola de farmácia.

A origem das atividades relacionadas à farmácia se deu a partir do século X com as boticas ou apotecas, como eram conhecidas na época. Neste período, a medicina e a farmácia eram uma só profissão.

A figura do apotecário ou boticário aparece nos conventos da França e Espanha, desempenhando o papel de médico e farmacêutico. Em 1777, Luis XV determina a substituição do nome de apoticário pelo de farmacêutico. Esse pioneirismo, mais tarde, originaria o modelo das farmácias atuais.

Esta figura, imortalizada em muitos clássicos como em Romeu e Julieta, de Shakespeare, era considerada exímia conhecedora dos limites entre o remédio e o veneno. Para exercer essa profissão, deveria pertencer a uma família honrada, com boa situação econômica, conhecer o latim, ter boa redação e apresentar certidão de cristianismo e moralidade. Tinha ainda que cultivar as plantas utilizadas na preparação dos medicamentos e trabalhar sob a vista do público.

No Brasil, o surgimento da farmácia teve início com os Jesuítas, criadores das primeiras boticas, mas esse comércio se intensificou com a vinda da Família Real. Geralmente, o boticário manipulava e produzia o medicamento na frente do paciente, de acordo com a Farmacopéia e a prescrição médica.

Em 1808, é fundada a primeira escola de medicina e farmácia no Brasil, com a chegada da Família Real portuguesa e em 1857 os comércios de boticas passam a ser conhecidos como farmácias após o decreto 2055, que permitiu que farmacêuticos e não habilitados pudessem continuar com a atividade de boticas no Brasil. O primeiro boticário no Brasil foi de Diogo de Castro, trazido de Portugal pelo governador geral, Thomé de Souza. Isso só aconteceu após a coroa portuguesa decretar que, no Brasil, o acesso ao medicamento só aconteceria se nas expedições portuguesas, francesas ou espanholas houvesse um cirurgião barbeiro ou algum tripulante com uma botica portátil cheia de drogas e medicamentos.

Em 1839, foi fundada a Escola de Farmácia de Ouro Preto (MG), primeiro estabelecimento de ensino farmacêutico do Brasil e da América.
O Curso de Farmácia da Paraíba foi criado em 17 de novembro de 1955, os farmacêuticos paraibanos fundaram a Associação Farmacêutica da Paraíba em cujo Estatuto constava a criação da Faculdade de Farmácia da Paraíba, tendo sua instalação ocorrida em 01 de maio de 1956. A Faculdade de Farmácia foi encampada pelo Governo do Estado da Paraíba em 29 de abril de 1960 e incorporada à Universidade Federal da Paraíba pela Lei nº 3.835 de 13 de dezembro de 1960.

A Regulamentação no Brasil como atividade profissional, sob a jurisdição do Conselho Federal de Farmácia, que regulamenta seu exercício, com base na Lei 3.820, desde sua assinatura em 11 de novembro de 1960, pelo Presidente Juscelino Kubitschek.

O famoso poeta Carlos Drumond de Andrade tinha como formação profissional o oficio de farmacêutico. Ele provavelmente idealizou, lá no inicio do seu caminhar uma forma de aplicar  os seus conhecimentos científicos  na dos males  que  afligissem a humanidade. Quando nele  despertou o magnifico poeta que o mundo conheceu, provavelmente ele combinou com a ciência que  ela curaria o corpo e a poesia dele  curaria a alma!

 

 

Fonte: https://www.oswaldocruz.br/

Relacionados

O que é ansiedade?

Ansiedade pode ser considerada como uma emoção de alarme que se encontra associada a sensações de angústia, tensão e insegurança que, quando são frequentes...

Varíola do Macaco

Clinicamente, a varíola símia é semelhante à varíola; entretanto, as lesões cutâneas ocorrem com mais frequência em surtos e a linfadenopatia ocorre na varíola...

Por que as bactérias se tornam resistentes aos antibióticos?

A resistência aos antibióticos é um dos maiores desafios de saúde pública atual. Segundo relatório da ONU, até 2050, pelo menos 10 milhões de...

1 COMENTÁRIO

  1. A luta do fármaco contra a medicação alopática é muito desigual é só sabe o que a indústria farmacêutica faz para reduzir o fármaco e retirá-lo do caminho é quem parou um pouco para analisar os bastidores.
    A importância de abordar esse tema é inquestionável e o aprofundamento desse debate está apenas começando.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...