fbpx
27.1 C
João Pessoa
Início Neves Couras Conhecendo o corpo:1ºdiálogo com a Coluna Vertebral

Conhecendo o corpo:1ºdiálogo com a Coluna Vertebral

Em nossos artigos, estamos abordando questões ligadas a Espiritualidade e a Saúde. Hoje, pode parecer que saímos da temática mas, ao contrário, vamos aprofundar um pouco mais, para entendermos o porquê das afirmações que fazemos. Quando citamos o que diferencia o homem dos outros animais, apontamos a capacidade de pensar e se relacionar. Hoje vamos nos aprofundar um pouco no funcionamento de nossos corpos, falando um pouco mais sobre nosso corpo, ou melhor, nossos corpos. O corpo mental, assim entenderemos o funcionamento do corpo espiritual ou períspirito, já citado em artigos anteriores. Este corpo espiritual não é reflexo do corpo físico, mas o corpo físico, sim, é seu reflexo. Compreendermos isso é de suma importância, para entendermos que as enfermidades surgem, em sua grande maioria, nesse corpo e só posteriormente, é externado no corpo físico.

O conhecimento, mesmo que parcial, dessa realidade já nos faz compreender que as enfermidades são o resultado da desarmonia entre espírito e o corpo, vida e forma. Entre esses corpos existe um mundo de energias, cuja existência está demonstrada na ciência espírita, também como nas modernas descobertas da ciência terrena. Esse campo energético que nos forma e nos envolve, quando em conflito, gera as enfermidades. É por isso que a doença surge com o acúmulo ou desgaste de energias que atinge os corpos. É preciso desenvolver certos sentidos espirituais, que só conseguimos com estudo e autoconhecimento para compreendermos a linguagem de nosso corpo. Sendo a doença o resultado de um conflito no campo energético ou emocional, ela pode ser vista como um processo de evolução ou de expurgo das energias densas. Lembrem-se que nosso corpo físico tem um sistema excretor responsável pela eliminação das impurezas do nosso corpo, da mesma forma o corpo espiritual tem seus mecanismos de se livrar das suas impurezas. Assim, é o expurgo que precisamos fazer dessa energia.  Cada manifestação de enfermidade traz uma mensagem com endereço certo e com a linguagem necessária para o aprendizado do homem.

Encontramos em muitas mensagens de autoajuda, orientações para que mantenhamos o pensamento positivo, elevado. Sabemos que somos, como um rádio que capta ondas magnéticas medias ou curtas, da mesma forma captamos pensamentos e sentimentos de baixa ou alta vibração. Dito isso, e sabendo que o sentimento está ligado ao pensamento, aqui entendido como matéria sutil ou fluídica emanada do períspirito ou corpo espiritual para veicular as ideias ou os sentimentos gerados pela Alma – como as ondas eletromagnéticas, que veiculam as imagens da televisão ou os sons do rádio.
O Espirito André Luiz, em “Entre Dois Mundos”, nos esclarece: “A partícula do pensamento, embora viva e poderosa na composição em que derrama do espírito que a produz, é igualmente passiva perante o sentimento que lhe dá forma e natureza para o bem ou para o mal”. Complementa Dr. Décio Iandoli; compreendo dessa forma que o sentimento está implícito do pensamento, que lhe dá origem e caracteriza. São elementos distintos, mas manifestam-se como unidade: o pensamento emitido pode ter uma faixa de vibração mais alta ou mais primitiva, pode ser mais denso ou mais sutil, de acordo com a natureza do sentimento que o criou. Pensamentos em alta frequência, são os elevados.

A onda de tais pensamentos é curta, e sua origem são ideias e sentimentos derivados do amor verdadeiro, como compaixão, caridade, solidariedade, humildade, mansuetude, tolerância, paciência, benevolência e assim por diante (Iandoli Junior, 2014)

Da mesma forma como uma estação de rádio pode emitir suas transmissões em ondas médias ou curtas, o pensamento pode ser produzido em uma vibração alta ou baixa dependendo do seu sentimento gerador. O Pensamento é emitido pelo períspirito, uma vez que é matéria, e motivado pelos sentimentos e ideias, que são produtos do princípio inteligente. Ou seja, o pensamento como matéria fluídica que manifesta os sentimentos e as ideias da Alma.

Fizemos todo esse percurso para melhor entendimento do pensamento e seu comando nas emoções, trago informações desse “dialogo” com nossa corporeidade humana como forma de entendê-lo como fenômeno social e cultural, motivo simbólico, objeto de representações e imaginários. Nosso corpo é o vetor de nossa linguagem a qual evidencia sua relação com o mundo:  expressa sentimentos, produz a aparência, técnicas do corpo, relação com o sofrimento e com a dor.

O corpo, como a palavra, apresenta vários sentidos se comunicando através das emoções vivenciadas e suas repercussões. Para detalhamento desse dialogo do corpo com as emoções e suas repercussões, recorro a um excelente trabalho de Adalberto de Paula Barreto – “Quando a boca cala, os órgãos falam”. Ele apresenta um conhecimento de nossa fisiologia, que nos surpreende como diálogo de nosso corpo e as relações com a dor.

Neste artigo abordarei parte do esqueleto, com ênfase na coluna vertebral. É evidente, que neste espaço, não será possível uma abordagem completa, mas acredito, ser o suficiente para uma tomada de consciência da dor com o sentimento vivenciado.

Nosso esqueleto representa nossa estrutura, que como as colunas em uma casa, nos dá sustentação. Sua solidez articulada permite a mobilidade do corpo. Por sua vez, protege nossos órgãos vitais, como o coração e o cérebro. É de conhecimento universal que esses conjuntos de ossos rígidos, que formam nossa arquitetura corporal, são articulados e interligados por músculos e tendões, ligamentos que nos permitem realizar movimentos.

A coluna vertebral, por meio da medula, estabelece a conexão entre o que é comandado pelo cérebro e executado pelo resto do corpo. É graças a ela que podemos ficar de pé, carregar nossos fardos e nos proteger. Ela representa o sustentáculo da vida. Quando o fardo é pesado e duro para carregar, é nas costas que as dores vão se manifestar. As dores nas costas nos falam do peso das reponsabilidades, das frustrações e dos nossos limites. É como se jogássemos nas costas aquilo que nos causa sofrimento. A posição ereta da coluna, não é só sinal de elegância, significa nos mantermos dignos.  Se curvadas, transformamo-nos em pessoas submissas.

Os ossos representam nossa solidez, os valores que nos estruturam e dão sentido à vida; repercutem as leis que regem os relacionamentos, geralmente aplicados pelos adultos, autoridades e pais. Conflito de desvalorização, geralmente acompanhados de sentimento depressivo, manifestam-se nas enfermidades ósseas.

 É muito comum, ouvirmos as pessoas dizerem “Eu não valho nada”; “há um grande vazio dentro de mim”, dentre outras. Essas expressões trazem grave conflito de autodesvalorização e se manifestam por meio de dores e outros mal-estares ósseos.

Adalberto Barreto nos sugere   sempre que sentimos dores em qualquer parte do nosso esqueleto e, nas articulações ou na coluna vertebral, darmos aquela parada para reflexão e nos perguntarmos, por exemplo:

a). Quais as situações que estou vivendo que  estão me deixando inseguro (a)?

b) . Contra o que estou resistindo pela falta de confiança em mim mesmo (a)?

c) que sentimento estou vivendo nesse momento que me impede de agir com flexibilidade e leveza?

Questões como estas, podem já nos dá a direção do que estamos provocando em nosso corpo e, assim, podemos contribuir para o alivio de nossos sintomas. Compreendamos que muitas vezes a nossa dor é tão profunda que preferimos seguir com ela sem buscar a cura, pois essa cura que procuramos pode significar encontrar a verdade que não estamos preparados para enfrentar. Por exemplo: Vertebras cervicais estão relacionadas com a comunicação e nossa capacidade de abertura diante da vida. Quando alimentamos um sentimento de que estamos sendo julgados, perseguidos ou agredidos, as vertebras cervicais tendem a se curvar para nos proteger dessas supostas agressões. A coluna lombar é a eu nos permite ficar eretos. Situada da cintura o cóccix, simboliza a segurança e a confiança que temos na vida tanto a nível vida material quanto afetivas. Dores nessa região, falam de inseguranças materiais e afetivas.

Lembre-se das palavras de Jesus: Vós sois Deus e podes fazer tanto quanto eu, e, muito mais.

Relacionados

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

Os movimentos do coração

Quando chegamos a esse planeta, viemos por necessidade. Pedimos para voltar por compromissos assumidos com quem não se deve falhar: o Pai Maior. Isso...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...