fbpx
26.1 C
João Pessoa
Início João Vicente Machado Água um bem insubstituível: guerra pela sua obtenção

Água um bem insubstituível: guerra pela sua obtenção

A quantidade de água na natureza é constante e assim tem permanecido ao longo dos milênios, em que pese o seu consumo ter aumentado de forma proporcional   ao crescimento da população, sem o correspondente aumento na oferta para atender às demandas necessárias, decorrentes do crescimento populacional e o consequente maior uso e consumo.

O ciclo hidrológico da água,  exibido na figura abaixo, mostra que a água no universo, muda apenas de estado, podendo ser encontrada na natureza no estado sólido depositada nas calotas polares e nas geleiras; no estado liquido  acumuladas  nos mares,  nos oceanos, nos rios e lagos, nos aquíferos subterrâneos; ou ainda em estado gasoso na atmosfera. Essa é uma rotina permanente que se repete de forma continua a milênios.

                             Movimentação da Água no Planeta

A escassez eventual de água em algumas regiões do planeta terra, as secas e as inundações, não são indicadores de escassez e  não influem no balanço hídrico total. A existência de áreas áridas, semiáridas, úmidas, sub úmidas   ou geleiras, deve-se tão somente à variação climática e a sua  distribuição espacial e temporal no espaço terrestre ao longo do tempo.

Uma das muitas  utilidades da água é  a   geração de energia elétrica  que acontece  pela a transformação da  energia potencial em  energia cinética e  daí a  energia elétrica  nossa de cada dia.

A bem da verdade a energia hidrelétrica  é uma energia limpa, todavia muito impactante em termos ambientais, já que requer  a   acumulação de muita  água, em  volume significativo  e em grandes e médios  lagos que inundam áreas imensas, impactando  a fauna, a flora e afetando o bioma  de um modo geral.

É sabido que na matriz energética brasileira a geração de energia hidrelétrica tem grande inserção e  é amplamente  majoritária. A  figura que se segue nos mostra claramente várias  formas de geração de energia que vai desde a  energia hidráulica até  energia nuclear.

Quando olhamos para um gráfico desse tipo, é possível perceber com clareza que a  geração de energia hidráulica, representa 60,10% de toda energia gerada no país, o que justifica a pressão dos grupos econômicos internacionais pela privatização da Eletrobrás através de uma Medida Provisória que virou Projeto de Lei de Conversão PLV 7/2021 e foi aprovado no senado, por 42 votos a 37, inclusive com o apoio de dois senadores da bancada da Paraíba.                

Matriz energética brasileira atual

Além dessa  novidade é necessário  lembrar que ,  “paralelamente”, o governo federal está articulando a aprovação de uma Medida Provisória em que:

“Estuda a criação de um Órgão que retira poderes do da Agência Nacional de Água – ANA e do IBAMA, repassando-o para o Ministério das Minas e Energia. A intenção é colocar  o controle da água nos reservatórios e a geração de energia em mãos privadas, sem o “importunio” do consumo, segundo o se presume, è uma iniciativa  do  governo, “para evitar uma crise energética.”  Esse é o disfarce e a  produção de alimentos e o consumo animal que se lixem.

O capital se transfigura de forma permanente e tem muitas faces de acordo com as circunstâncias. Essa, no nosso entendimento, além de ser mais uma dessas faces, utiliza um  estratagema muito palatável à opinião pública, posando como “benemérito” dos consumidores de energia para salva-los do indesejado apagão.

No artigo que escrevemos no dia 14/06/2021 sob título Eu e o Rio, falamos do Rio São Francisco e das suas oito geradoras sequenciadas, mas nos abstivemos de tecer considerações acerca da vida econômica no interior da bacia, até por falta de espaço. Todavia é imperativo lembrarmos que além da fundamental e primeira necessidade de uso que é o consumo humano e animal, há a necessidade da água  para: geração de energia elétrica, agricultura e pecuária, aquicultura, navegação, fruticultura irrigada, turismo e esportes radicais e aquáticos, etc.

É possível perceber na pizza acima, que a agricultura é o grande consumidor de água com 70%, seguida do setor industrial onde a geração de energia está inclusa, com 22% e por fim o uso doméstico, aí incluído o consumo humano e animal que representa 8%.Colocar o controle da água disponível em mãos da iniciativa privada que faz uso dela   tanto na agricultura, quanto na indústria de transformação e na geração de energia, é no mínimo uma temeridade e no dizer popular  é colocar a raposa para tomar conta do galinheiro.

Agora e para fechar o firo, até a água para uso doméstico será também colocada sob a guarda e a comercialização  do ente privado, pois não é a CAGEPA e as suas congêneres  que estará sendo privatizada e sim o saneamento básico,  a água nossa de cada dia que   será transformada em mercadoria que só adquire quem tem dinheiro. Não é por benevolência  que o senador Tasso Jereissati, relator da Lei 14026/2020 que foi aprovada, sancionada e está vigendo maquiada de novo (velho) marco de saneamento e  se propõe a exumar  o PL n°495/2017 de sua autoria, para priorizar o uso múltiplo e criar os mercados de água.

Não gostamos  de fazer transcrições de matérias de outrem  mas  há ocasiões  em que elas são necessárias  e o faremos, destacando  trechos da matéria  publicada na revista Brasil de Fato, cujo link está  disponível no final. Vejam os trechos que se seguem:

Tasso Jereissati quer mudar a lei para criar “mercado das águas”

“Caso aprovado, o PL de Tasso (495/2017) mudará essencialmente o aspecto mais central da Lei das Águas: a de que a água é um bem público inalienável, não podendo ser controlada por interesses particulares, e um recurso natural limitado e dotado de valor econômico. As mudanças propostas restabelecem a propriedade privada da água, banida pela Constituição de 1988, permitindo aos usuários da bacia hidrográfica venderem suas outorgas, bastando para isso que seja decretado pelo comitê da bacia a “alta incidência de conflito pelo uso de recursos hídricos” (art. 4º do PL 495/2017).”

De onde viria o “interesse patriótico” do senador Tasso Jereissati?  Vejamos a conclusão da revista Brasil de Fato:

“Dentre seus vários bens, ações e investimentos, destacam-se em sua última declaração de bens ações em nome da empresa Calila Administração e Comércio S/A, com um saldo de 1,3 milhão de ações ordinárias de classe A, estimadas em R$ 56 milhões, e Calila Investimentos S/A com um total de 1,9 milhão de ações classe A, valendo cerca de R$ 154 milhões, o que corresponde a 54% do valor de todo patrimônio declarado.”

“A Calila Participações do Grupo Jereissati é uma das acionistas brasileiras da Solar Coca-Cola, empresa sediada em Fortaleza e segunda maior fabricante do sistema Coca-Cola no Brasil, fruto da fusão das empresas Norsa, Renosa e Refrescos Guararapes, originalmente pertencentes ao Grupo Jereissati, Família Mello e The Coca-Cola Company, respectivamente. Considerada uma gigante do ramo, foi também a maior doadora da última campanha do parlamentar, com R$ 1,5 milhão.” 

“Recorrente protagonista de escândalos envolvendo denúncias de poluição de corpos hídricos, mudança de comportamento de vazões de nascentes e lençóis freáticos, espoliação de bens naturais do país, a Coca-Cola lançou em 2017 um relatório de sustentabilidade, declarando ser necessário utilizar 1,67 litros de água para cada litro de bebida produzida, sem deixar claro se nesse cálculo é incluído o gasto com embalagens e açúcar. A Solar tem capacidade de produzir cerca de três bilhões de litros de bebida ao ano, sendo a água a matéria-prima mais cara do processo de produção. Mesmo possuindo cerca de 12% das reservas de água doce do mundo, várias regiões do país passaram por estresse hídrico nos últimos anos, evidenciando a necessidade de um planejamento sério a médio e longo prazos em relação à gestão das águas.”

                           As engrenagens da dominação

Olhando para a engrenagem da figura acima vemos como a moenda do aparato regulatório e interventor arrasta o estado de direito e os direitos sociais e que foram bem  encaixadas para fazer com que  o engenho  do capital possa funcionar harmonicamente para eles. A propósito: qual é a matéria prima da Coca- Cola? Quanto ao povo, esse é apenas um número que só tem utilidade em dia de eleição e  infelizmente não percebe!

Consuta: https://www.brasildefato.com.br

www.globo.g1.com;

Fotografias: Energia solar: Confea envia à Aneel recomendação sobre marco regulatório (fisenge.org.br)

Relacionados

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Absolutismo á Brasileira em Pleno no Século 21

O absolutismo foi um sistema de governo político e econômico, adotado na Europa entre os séculos XVI e XVIII, na fase transitória entre o...

Processos eleitorais semelhantes?

As últimas eleições presidenciais realizadas nos Estados Unidos, aconteceram no ano de 2020 numa disputa ferrenha e num clima de discórdia acirrado, cenário nunca...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...