fbpx
24.1 C
João Pessoa
Início Flavio Ramalho de Brito Da Broadway para o Beco das Garrafas

Da Broadway para o Beco das Garrafas

O menino que se chamava Leonardo Francisco Salvatore Laponzina, nascido no Brooklin, filho de pais imigrantes sicilianos, sempre quis ser bailarino, como ele contou em um depoimento dado, em 1962, ao jornalista e produtor Ronaldo Bôscoli: 

“eu teria 3, 4 anos e já com sapatos de chapa deslizava pela casa […] eu já era menino prodígio […] desde os oito anos eu comecei no mundo da dança. E já comandava um programa de rádio: Children Hour […] nele ganhei dinheiro bastante para continuar meus estudos no Performing Arts […] se eu te disser que eu trabalhei, aos oito anos, em duas peças de Elia Kazan você não acredita”

Aos dezoito anos, com o nome de Lennie Dale (que havia adotado desde criança) terminou o curso no Performing Arts e pretendia iniciar um grupo de danças, quando, segundo ele, “pintou o ‘West Side Story’ e com ele um convite. Negar, como?”

“West Side Story” era uma adaptação de Romeu e Julieta para as ruas de Manhattan. O espetáculo que estreou, em 1957, na Broadway unia as coreografias de Jerome Robbins, a música do conceituado maestro Leonard Bernstein, então regente da Filarmônica de Nova York, e as letras de um jovem compositor iniciante chamado Stephen Sondheim que se tornaria, depois, o principal nome do teatro musical norte-americano nos últimos cinquenta anos.

 A peça ficou em cartaz, na Broadway, por dois anos. Em 1961, “West Side Story” virou filme (no Brasil, “Amor Sublime Amor”), com a direção de Robert Wise e Jerome Robbins, e se tornou o musical mais premiado da história do cinema, obtendo 10 Oscars (de 11 indicações que recebeu) e várias outras premiações. Algumas músicas de “West Side Story”, como “Tonight”, “Maria”, “Somewhere” e “America” se tornaram clássicos da canção popular mundial. 

Lennie Dale não participou do elenco do filme e, na Broadway, não permaneceu no musical até o final da temporada. Desentendeu-se com o diretor Jerome Robbins e decidiu ir para a Inglaterra. Iniciava, a partir daí, a sua vida aventurosa. Em Londres, Dale estava trabalhando com a cantora Shirley Bassey quando recebeu, de Roma, um telegrama do coreógrafo do filme “Cleópatra”, que estava sendo rodado na Itália. O coreógrafo havia adoecido e pedia para Lennie concluir o seu trabalho na película.

O filme, que tinha a participação do casal Richard Burton e Elizabeth Taylor, famosos atores daqueles anos, é considerado uma das produções mais caras feitas por Hollywood e seus custos teriam abalado as finanças do estúdio 20th Century Fox. Lennie Dale foi o responsável pela coreografia de cenas que envolviam cerca de 500 figurantes. Segundo ele “eu jamais dirigira uma massa tão grande de gente […] parti para Roma: dirigir o casal mais famoso do mundo”.

Quando ainda se encontrava em Roma, Lennie Dale foi convidado pelo produtor brasileiro Carlos Machado para coreografar um espetáculo em uma boate no Rio de Janeiro. Dale, que quando menino era apaixonado pela figura de Carmem Miranda, não teve dúvidas e, em 1961, chegou ao Rio.

Naquela época, estava surgindo a bossa nova, uma verdadeira revolução na música popular do Brasil. Para o jornalista e escritor Ruy Castro, até hoje se discute onde nasceu a bossa nova, “mas não paira nenhuma dúvida quanto ao seu principal endereço de trabalho nos primórdios: Copacabana.”. E, em Copacabana, o domicílio da nova música ficava no Beco das Garrafas. Segundo Ruy Castro, no seu livro “Rio Bossa Nova um roteiro lítero-musical” (Casa da Palavra, 2006),

“Beco das Garrafas – o beco sem saída na rua Duvivier, 27, na quadra da praia. De 1958 a 1966, foi o lar do Baccara, do Little Club, do Bottle’s Bar e do Ma Griffe, onde se revelaram Jorge Ben, Elis Regina, Sergio Mendes, Wilson Simonal, Leny Andrade e Lennie Dale, acompanhados pelos cobras do samba-jazz. Eram boates tão minúsculas que os shows só podiam ser “de bolso” – daí os pockets shows, produzidos pela dupla Miele & Bôscoli. O nome do beco, dado pelo cronista Sergio Porto, tinha a ver com a chuva de garrafas que às vezes descia das janelas dos edifícios. Eram os moradores dos apartamentos nos andares de cima, protestando contra o barulho que os impedia de dormir […]”

Para Ronaldo Bôscoli, um dos principais nomes da bossa nova, o jazz ligou, diretamente, Lennie Dale à música que se praticava no Beco das Garrafas. Bôscoli, testemunha presencial do que ocorria no Beco, é quem conta:

“Captar o ritmo seria até compreensível, mas dominá-lo e até ensiná-lo aos brasileiros fica por conta da genialidade de Lennie Dale. Ele libertou a bossa nova do seu intimismo. Meninos, eu vi, Lennie Dale ensinando música brasileira para Vinhas, Edson Machado e Tião Neto. Sem conhecer uma nota musical […] eu vi, principalmente, um profissional ensaiando um espetáculo. O pouco que Mièle e eu aprendemos de direção foi com Lennie Dale” 

  

Ronaldo Boscôli

Embora seja uma figura quase nunca destacada quando se fala da bossa nova, Lennie Dale cumpriu um papel importante na expansão daquela renovação estética da canção popular brasileira. Para o jornalista Nelson Motta, Lennie Dale “acrescentou profissionalismo às apresentações da bossa-nova. Instituiu um padrão americano de produção e musicais. Além disso, tinha um ritmo e uma musicalidade fantástica”. Ronaldo Boscôli contava que “jamais vi Lennie Dale entrar em cena sem ensaiar 50 vezes cada música que iria dançar ou cantar”. Essa contribuição de Dale à profissionalização da bossa nova também é registrada por Ruy Castro:

“Sua ida para o Beco provocou sensação na época, e justamente por essa novidade que ele introduziu: o ensaio. Até então os cantores, os músicos e os produtores só davam uma passadinha no Bottle’s, antes do show, para tentar bicar uns goles na ausência dos proprietários”

Lennie Dale foi, também, o grande inspirador de muitos artistas, como Elis Regina, que nunca deixou de reconhecer a influência de Dale no início da sua carreira: “Fiquei vidrada em Lennie, tudo o que ele fazia me empolgava […] meus braços eram dois remos num mar de notas. Daí o meu apelido de Hélice Regina”.

 

Lennie Dale e Elis Regina

Apesar de não se considerar cantor, Lennie Dale fazia parte dos artistas da gravadora Elenco, a de maior prestígio da bossa nova, que tinha entre os seus contratados os principais nomes do movimento, como Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Carlos Lyra, Roberto Menescal, Nara Leão e Baden Powell. Lennie Dale gravou dois discos na Elenco, com o acompanhamento dos principais grupos instrumentais da bossa nova, o Sambalanço Trio, de César Camargo Mariano e o Bossa Três (Luis Carlos Vinhas, Tião Neto e Edson Machado), com o qual se apresentou no Ed Sullivan Show, um dos programas de maior audiência, nos anos 1960, da televisão norte-americana.

   

Lennie Dale e Lize Minelli

Lennie Dale se tornou um dos principais coreógrafos em atuação no país, trabalhando no teatro e na televisão com os principais artistas brasileiros. Nos anos 1970, Dale passou a liderar o grupo Dzi Croquettes. Passou uma temporada em Paris e, uma semana depois de voltar para o Rio, foi apanhado em uma blitz policial com três cigarros de maconha. Preso, foi condenado a um ano de detenção. Após deixar a prisão, retomou a carreira no Brasil e nos Estados Unidos, onde trabalhou com Liza Minelli. Lennie Dale morreu de AIDS, em 1994, em Nova York. Tinha 57 anos. Poucos, dos que cultuam a bossa nova, se lembram dele. 

LEONARDO LA PONZINA
Coreógrafo, Dançarino, Ator e Cantor

* Nova York, Estados Unidos (1934)

+ Nova York,Estados Unidos( 09/08/1994)

Relacionados

O cearense que engarrafava brumas

Na música popular são muito comuns as parcerias na elaboração de canções. Nas composições feitas por mais de um autor as contribuições dos parceiros...

O Poeta da alma dos sertões

Desde muito jovem, aquele caboclo alto, com voz grave, se destacara como poeta na região que envolvia os municípios de Sumé, Prata, Ouro Velho...

O primeiro inventor da Paraíba

Quando o escritor português José Saramago lançou o “Memorial do Convento”, um dos seus livros mais elogiados, muitos leitores se depararam pela primeira vez...

1 COMENTÁRIO

  1. Flávio resgata com detalhes artistas que fizeram a história da música. São homens e mulheres que alegraram nossos dias no passado e contribuíram para o sucesso de muitos cantores e compositores por nós desconhecidos ou esquecidos. Obrigada Flavio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...

Julgar é fácil, difícil é ser

Como podes dizer a teu irmão: Permite-me remover o cisco do teu olho, quando há uma viga no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Você não é todo mundo

Hoje eu me reservo o direito de usar essa máxima usada por mães mundo afora para falar da minha mãe. Se tem uma coisa...

Um pequeno fragmento da história da Paraíba

  Não poderia deixar passar em branco em nossa coluna, o aniversário de nossa querida Parayba . Não vou entrar em detalhes ou contestar nada...

A esperança voltou!

  A semana que antecedeu as convenções partidárias foi muito movimentada, notadamente pela visita à Paraíba do presidente Luiz Inácio da Silva- Lula. A festa...