fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Flavio Ramalho de Brito Um esquecido compositor popular

Um esquecido compositor popular

 

Ao se fazer uma lista dos grandes sambas da história, algumas das suas composições têm, obrigatoriamente, que entrar.


 “Beija-me” (com Mário Rossi) – (Beija-me / Deixa o teu rosto coladinho ao meu / Beija-me / Eu dou a vida por um beijo teu), com várias regravações e registros, como as de Zeca Pagodinho e Pedro Miranda, Ana Costa e Casuarina.



 


“Meu consolo é você” (com Nássara), do carnaval de 1939, que o pesquisador cearense Edigar de Alencar considerava “um dos grandes sambas carnavalescos que conseguiram ultrapassar a efêmera existência do carnaval”. Foi gravado, inicialmente, por Orlando Silva que já despontava, na época, como um dos maiores cantores populares do país.



“Cai cai”, um samba-batucada, que tinha uma letra gaiata e que “caiu na boca do povo”. Teve uma versão francesa e foi cantado por Carmem Miranda no filme “Uma noite no Rio”(That Night in Rio, 1941)

 

 


“Favela” (com Waldemar Silva), o seu primeiro sucesso como compositor, gravado, em 1936, pelo cantor Francisco Alves. “Favela” tem mais de cem regravações e foi a primeira música brasileira a ser editada nos Estados Unidos.




Ele também fez marchinhas para o carnaval, quando as músicas para os festejos carnavalescos tinham grande qualidade, como a irreverente “O cordão dos puxa-saco” (com Eratóstenes Frazão) e “O Pedreiro Waldemar” (com Wilson Batista), que chegou a ser proibida, antes de ser gravada, pela censura do Estado Novo de Getúlio Vargas. “O cordão dos puxa-saco” foi gravada pelo conjunto vocal Os Anjos do Inferno e  “O Pedreiro Valdemar” pelo cantor Blecaute.

“Lá vem o cordão dos puxa-saco / Dando vivas aos seus maiorais / Quem está na frente é passado pra trás / E o cordão dos  puxa-saco / Cada vez aumenta mais

Vossa Excelência / Vossa eminência / Quanta reverência / Nos cordões eleitorais / Mas se o doutor cai do galho e vai ao chão / A turma toda ‘evolui’ de opinião / E o cordão dos puxa-saco / Cada vez aumenta mais”

“Você conhece o pedreiro Valdemar? / Não conhece / Mas eu vou lhe apresentar / De madrugada toma o trem da Circular / Faz tanta casa e não tem casa pra morar

Leva a marmita embrulhada no jornal / se tem o almoço nem sempre tem o jantar / O Valdemar, que é mestre no ofício / Constrói o edifício / E depois não pode entrar”

Ele, também, compôs vários gêneros de músicas como a valsa “Dá-me tuas mãos” (com Mario Lago), gravada por Orlando Silva, e o fox “Renúncia”, o primeiro sucesso do cantor Nelson Gonçalves.





Nascido, no Rio de Janeiro, em 1909, com um ano idade ficou órfão de pai. Foi criado pela mãe que era pianista no tempo do cinema mudo e lhe despertou o interesse pela música. Começou a trabalhar aos 12 anos. Aos 20, entrou para polícia, tendo dela se desligado, em 1939, para viver inteiramente da música. Foi um dos fundadores, juntamente com Braguinha, Ary Barroso e Dorival Caymmi, da União Brasileira de Compositores – UBC. Faleceu em 1992.

Roberto Martins é um nome inteiramente esquecido entre os grandes compositores da nossa música popular.

Roberto Martins

Roberto Martins, em Paquetá Rio de Janeiro, sempre lembrado nos Saraus por seu filho o pianista Jorge Roberto Martins e outros artistas.


Relacionados

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

O cearense que engarrafava brumas

Na música popular são muito comuns as parcerias na elaboração de canções. Nas composições feitas por mais de um autor as contribuições dos parceiros...

O Poeta da alma dos sertões

Desde muito jovem, aquele caboclo alto, com voz grave, se destacara como poeta na região que envolvia os municípios de Sumé, Prata, Ouro Velho...

10 COMENTÁRIOS

  1. Relato esclarecedor e cheio de saudades de um tempo que muita dificuldade a cultura era valorizada. Parabéns por trazer para as nossas lembranças pessoas esquecidas e que muito contribuiram para a hostória da MPB, e para nossos dias felizes. Obrigada de coração.

  2. Os artigos de Flávio Brito são resultantes de muita pesquisa e estudo. A cada semana ele revela valores preciosos da música universal e em particular a música brasileira.
    Os filhos e netos do talentoso homenageado nos honraram com comentários generosos que nos enchem de responsabilidade e nos estimula a continuar construindo informações de qualidade.
    Parabéns a vocês a ao companheiro Flávio Brito, de muita sensibilidade e maior conhecimento.

  3. Prezados João Vicente e Flávio Brito, emocionante a homenagem que vocês prestaram ao nosso saudoso pai, compositor Roberto Martins. Um belo resgate do seu nome e de seus sucessos, foi gratificante vermos sua história e bagagem musical tão bem apresentadas nesse espaço.
    Tudo perfeito, nada a acrescentar.
    Um abraço de Elizabeth Martins, Yole Grillo e Jorge Roberto Martins.
    e-mail: bethmartins@globo.com

  4. Meu Tio foi e sera sempre um grande compositor Expressava fatos do dia a dia com uma poesia simples e bela Suas canções jamais serão esquecidas Tenho muito orgulho de ter sido sua sobrinha e ao escutar suas músicas me sinto embalada por sua incomparável sensibilidade e inteligencia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...