fbpx
28.1 C
João Pessoa
Início Sobre Debates Eleitorais
Array

Sobre Debates Eleitorais

                        Cicero                             Nilvan Ferreira               

                                            

     Por: João Vicente Machado

Definitivamente essa modelagem usada nos debates eleitorais esgotou-se e precisa ser repensada.

Sabemos que todo veiculo de comunicação compete por audiência e nessa audiência reside a sua viabilidade econômica e financeira. Todavia, a qualidade da programação não pode ser subordinada apenas à audiência, em detrimento da qualidade e é isso que vem ocorrendo, principalmente nas redes de televisão que em toda grade da programação tem apresentado  programas de baixo  nível e de  má  qualidade.

A prática do chamado um jornalismo investigativo, muito salutar quando de qualidade, é que têm gerado os Ratinhos da vida, cujo filhote é hoje governador do Paraná, estado que sempre escolheu bons governantes através do tempo e baseado nas propostas dos postulantes, mas dessa vez errou feio.

O paradigma de má qualidade espalhou-se Brasil afora, de forma epidêmica e nessa esteira surgiram os Ratinhos, os Datenas, os Lucianos Hulk, os Siqueras Jr, os Samukas e os Nilvans Ferreira da vida, para não citar outros exemplares da arraia miúda, de somenos importância, na prática do jornalismo rasteiro que chamávamos antigamente estilo mundo cão. 

Esse paradigma de má qualidade forneceu a pedagogia dos debates eleitorais, onde o número de concorrentes  e a grade de programação da emissora  confina no espaço de uma hora de “debate” uma discussão de ações administrativas  que permeiam  quatro anos de mandato. 

Os candidatos, na sua grande maioria  desqualificados  e  armados apenas do oportunismo, seu instrumento cotidiano, servem-se dos holofotes do debate  para exercer aquilo que fazem no dia a dia nos microfones e nas redes sociais as quais estão mais para  milícias digitais, que repercutem no cotidiano as suas asneiras.

As regras do debate, invariavelmente são as mesmas: 

01 Dois minutos para os candidatos se apresentarem e dizerem a que se propõem.

02 Sorteio para a ordem das perguntas.

03 Primeira pergunta com um minuto para formulação, três minutos para a resposta, dois minutos para a réplica e um minuto para a tréplica.

É óbvio, ululante, que num ping pong desses é humanamente impossível tratar  de temas de grande abrangência como educação e saúde, num espaço de três minutos.

O que era para ser um debate de ideias  os contendores  transformam em  bate boca, atraem o oponente  para a liça em que convivem no dia a dia e passam a jogar para a plateia. No final ainda fazem a indiscreta pergunta: quem venceu o debate?


Esse modelo esgotou-se, definitivamente  e, o conselho que eu dou, se é que posso dar conselho aos candidatos, qualificados, com  capacidade, qualidade e conhecimento de causa, é não comparecer aos picadeiros desses circos, incorporando  o papel de palhaço. 

                           

                                CONCLUSÕES

Considerando ser a televisão uma concessão pública, ela é obrigada  a abrir espaço para os candidatos apresentarem as suas propostas de governo, caso eleitos e, o ideal é que esse espaço seja suficiente e sem interrupções nem réplicas, pois a proposta será julgada pelos eleitores nas urnas. Afinal é dele e de mais ninguém a escolha. 

A apresentação seria feita  pelo próprio candidato e seria intransferivel, sem prejuízo do espaço a que já têm direito  no horário eleitoral gratuito.

Far-se-ia um sorteio dois a dois, concedendo o espaço de uma hora para a explanação a cada candidato, sem interrupção nem contestação,

Se o número de candidatos for impar, o último terá também uma hora sem interrupções para a sua apresentação. 

As entrevistas  individuais  serão  permitidas, desde que contemple todos os candidatos e fica a critério das emissoras realizá-las.

Como nenhum documento é perfeito de origem, os ajustes necessários iriam sendo feitos no desenrolar dos programas, sempre sob a orientação da justiça eleitoral, que será sempre responsável pela fiscalização e controle de todo processo eleitoral.

Fotografias: wscom.com.br

Relacionados

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

4 COMENTÁRIOS

  1. Este sim seria (DIGO SERIA)um modelo perfeito de debate mais, infelizmente o poderio econômico não vê com bons olhos, preferindo fracionar o tempo destinado à apresentação de propagandas comerciais com o intuito de alocar maiores lucros.

  2. Não lembro quando assiste a um debate. Nao existe trocas de ideias e nem se mostra projetos de governo. O que acontece é um palco de insultos, de expor a intimidade dos candidatos, apontando defeitos como se alguém fosse perfeito, e os telespectadores assistem e vibram como os romanos assistiam os cristãos serem devorados no Coliseu. A mídia trabalha a desgraça e o povão compra, vivem de pão e circo. Manipulados e tangidos vão para matadouro com tranquilidade e até louvando o seu algoz.Lamentável.

  3. Algumas pessoas alegam ficarem confusas em que votar. Como de todos os candidatos fossem ótimos para a escolha do excelente, ou se todos fossem péssimo para escolha do ruim.
    Não foi o que aconteceu no primeiro turno na Parahyba onde havia um desnível imenso e a opção de escolha era possível.

  4. É preciso que esses veículos de comunicação sintam que o povo já não acredita mais nesse modelo de debate.Ontem o candidato de Fortaleza que está a frente nas pesquisas não compareceu ao debate promovido por um canal de TV e não foi censurado segundo as pesquisas. O povo está cansado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas

Um beijo para o gordo

Sempre me pareceu um pouco tolo a emoção que muitas pessoas demonstram quando algum famoso morre. São famosas as cenas, como nos funerais de...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Esqueceram o Marquês

A passagem de efemérides, como a do segundo centenário da nossa Independência, faz com que algumas figuras históricas daquele momento sejam rememoradas (em regra,...

Lula-lá: Sem Medo de Ser Feliz

Desde a minha infância vivida na minha cidade natal, Lavras da Mangabeira CE, me habituei a ouvir modinhas e parodias usadas no período de...

Mais Lidas

OS 11 princípios de Joseph Goebbels

Texto originalmente publicado em 08/01/2020    Joseph Goebbels, para os que não têm a informação, foi ministro da propaganda de Adolf Hitler e comandou a...

Tudo Passa Sobre a Terra

   Não foram poucas as vezes   que fizemos uso da famosa frase do escritor cearense José de Alencar, usada por ele ao finalizar o...

Medo e Liberdade

Tenho refletido muito, talvez pelo momento político, a respeito de liberdade em seu sentido mais amplo. Mas o que é liberdade? Segundo o dicionário...

Asas que voam

Pelas frestas da janela, essas lembranças invadem o quarto sombrio daquele tempo escorrido nas noites do passado. Uma vez, recordo bem, reservara a mim...